Angela Natel On segunda-feira, 12 de março de 2018 At 10:37
É suficiente, total, bastante e essencial.
Acreditar em Jesus (Deus) é fácil. A ciência ajuda, a história já nos oferece detalhes ricos, a arqueologia há anos vem nos dando cada vez mais evidências dos relatos bíblicos, a psicologia também ajuda. Enfim, todas as disciplinas vêm há muitos anos colaborando para confirmar sua existência.
O desafio está em acreditar na suficiência e totalidade de Jesus, bem como na simplicidade do Evangelho.
Alguns cristãos da atualidade, principalmente os evangélicos, tem destruído e ignorado as colaborações dos demais ramos da vida para com a espiritualidade humana ao distanciarem-se da suficiência e totalidade de Jesus.
O Evangelho é simples; sua mensagem é compreensível e direta. Todavia, na luta por entretenimento dominical, frequência de membros, arrecadação financeira e manutenção de hierarquias espirituais absurdas, anti-bíblicas e anticristãs, a religião e suas igrejas tem complicado as coisas e regredido ao shamanismo, à feitiçaria, bem como ao misticismo semântico com requintes judaizantes e espiritualistas.
O que acontece em seguida é um terrorismo psicológico, e os abusos se multiplicam recheados de intermináveis regras, unções, visões, obediências, e um legalismo sem fim nem propósito.
De fato, os líderes da atualidade morrem de medo da idéia de um Jesus suficiente e total. Isso significa que quando Cristo está presente o essencial encontra-se à disposição de qualquer pessoa, e as supostas "autoridades espirituais" caem no lugar comum da mera funcionalidade, deixando de ser posições de poder sobre outras pessoas.
Quem crê na suficiência de Cristo é um ser livre do controle doentio de líderes sociopatas, psicóticos e neuróticos. O Evangelho produz liberdade, permite pensar, pesquisar, perguntar, ser curioso, duvidar, explorar, testar, afastar-se, observar, voltar, revisar, inquirir, amar e vivenciar também as outras nuances da existência. Isso é o pavor de todo líder com sede de controle!
No final das contas, fiéis mais inteligentes e sensíveis chegarão à simples conclusão que, se é assim que Jesus é (insuficiente, fraco, não total em sua obra pessoa e missão, apenas um "estágio" no desenvolvimento espiritual e não o fim da lei como diz a própria Bíblia) é melhor ser ateu do que viver debaixo do domínio de gente maluca!
Maluquice tem de sobra! É só procurar no YouTube! Milhares de pessoas apontando uma Bíblia como arma, andando de quatro rugindo como leões, outros cobrando pedágios e sacrifícios espirituais para que se alcancem bênçãos de Deus, a celebração da irracionalidade barulhenta em cada culto, e por aí vai. E, não esqueçam daqueles que negam toda e qualquer manifestação do Espírito Santo, como se Jesus não tratasse do assunto.
Fico com o mais fácil: acreditar em Deus. Mesmo tendo tido que viajar por vários continentes e conversar com cientistas, filósofos, ateus e cristãos, para chegar às minhas próprias conclusões. Mesmo quando duvidei, ele continuou existindo, pois não precisa de mim pra isto!
Fico com o suficiente, total e essencial: Jesus!
Abraço a simplicidade do Evangelho. Falar em línguas? Falo e sempre falei. Isso me faz melhor do que ninguém? Não. Orar, meditar, crer, amar, servir, agir doar - claro! Não há nada mais humano! Abraçar a ciência - sim! Abraçar a espiritualidade - sim! Abraçar ao meu próximo - sim!
A piração eu deixo pra quem quiser fazer da vida dos outros um inferno!
Jesus basta.

Ebenézer Paz

Fonte: https://www.facebook.com/ebenezerbene.paz/posts/1798139820217370

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.