Angela Natel On quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017 At 02:04

Preguei na minha igreja, domingo passado, sobre a teologia da conversão. Na introdução da mensagem, declarei o motivo que me levava a falar sobre o tema. Membros das mais diferentes igrejas estão emitindo sinais de que não são cristãos.
Mencionei como sinal de falsa conversão o comportamento de evangélicos nas redes sociais. O que me chama atenção?
Primeiro, a rispidez, a estupidez, a truculência, o escárnio. Um amargor incompatível com o espírito do evangelho. Sei que esse é um fenômeno universal. Atinge homens e mulheres de todos os credos e preferências ideológicas. Todos reclamam. Contudo, o cristão declara ter sido tornado nova criatura através do encontro com Cristo. Há, portanto, uma identidade singular a ser revelada, que envolve, entre outras coisas, a presença de um autêntico espírito de mansidão -aquela doçura que percebemos quando estamos do outro lado do mundo e encontramos um cristão genuíno.
Em segundo lugar, os valores que são professados. O que eles estão defendendo. Seus pontos de vista sobre determinados temas revela profunda falta de conhecimento das Escrituras. Repetem o que incrédulos empedernidos estão ensinando. Exaltam comportamentos que a Bíblia tem como pecaminosos. Outro dia, ouvi um pastor declarar que o Brasil precisa de mais "Carandirus".
Há muito o que falar sobre o que as redes sociais estão revelando sobre o estado espiritual da igreja: a incapacidade de pensar duplo, a tendência a elevar um lado da verdade à condição de verdade completa, a mentalidade de gueto, a falta de leitura de bons livros, o preconceito, a identidade pessoal que para ser formada precisa de um inimigo a ser combatido, a fúria profética daqueles que pensam que o suposto compromisso com a verdade lhes dá o direito de serem boçais.
Acima de tudo, contudo, está a qualidade da pregação, o rebaixamento das condições para que uma pessoa se torne membro de uma igreja evangélica, o exemplo dos próprios pregadores.


por Antonio Carlos Costa

fonte: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=420969368239919&set=a.108198962850296.1073741828.100009805770419&type=3&theater

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.