Angela Natel On quinta-feira, 24 de novembro de 2016 At 08:20

Li C. S. Lewis pela primeira vez assim que cheguei aos Estados Unidos, aos nove anos de idade. Nascida no Iraque, eu ainda estava aprendendo o inglês quando li, pela primeira vez, O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa, e ele capturou minha atenção e minha imaginação.
O tempo passou, estabeleci-me neste país, tornei-me adulta e, mais tarde, li outros livros filosóficos e de não-ficção de Lewis. Mas o que arrebenta comigo – ainda hoje – são algumas páginas de A Viagem do Peregrino da Alvorada.

Um menino desagradável 
Nesse livro, C. S. Lewis nos oferece uma imagem poderosamente pessoal da regeneração.
A cena começa com Eustáquio, um menino desagradável que se vê em posse de uma grande fortuna. Ele fica imaginando a vida e confortos que podia desfrutar agora, e em seus confortos ele adormece com seu tesouro. Quando acorda, Eustáquio não é mais um menino, mas um dragão, a manifestação externa de sua ganância e egoísmo internos.
A bracelete de ouro que ele havia colocado em seu braço de menino agora estava apertando sua pata de dragão, e a dor era lancinante. Pior ainda, a dor física misturou-se com a dor de perceber que ele agora estava desligado da humanidade, isolado e sozinho. Ele começa a chorar muito, lágrimas quentes de dragão.
Um Salvador gracioso 
Em misericórdia e compaixão, Aslam chega e conduz o dragão Eustáquio a um jardim no alto da montanha e, depois, a uma nascente de água no centro do jardim.
Eustáquio olha para a nascente e percebe que se ele pudesse tão-somente entrar na água, a dor de sua pata cessaria. Mas Aslam diz que ele precisará ser despido primeiro. Após um momento de confusão, Eustáquio lembra que é um dragão, e que dragões têm peles como cobras, que podiam ser mudadas. Com suas garras afiadas, ele começa a rasgar sua pele de dragão. Ele descama uma camada somente para descobrir outra horrível, escamosa e dura por debaixo. E depois outra. Após três camadas, ele percebe que é tudo em vão – ele nunca se purificará, se livrará de sua dor ou mudará aquela pele horrível sozinho.
Um talho da Graça
“Eu tiro a sua pele”, diz Aslam, o Leão.
Eustáquio estava tão desesperado que até mesmo o seu medo das patas de Aslam não foi suficiente para impedi-lo de deitar de costas. Deitado ansioso no chão, eis como Eustáquio se sentiu.
A primeira unhada que me deu foi tão funda que julguei ter me atingido o coração. E quando começou a tirar-me a pele senti a pior dor da minha vida. A única coisa que me fazia aguentar era o prazer de sentir que me tirava a pele.
Tirou-me aquela coisa horrível, como eu achava que tinha feito das outras vezes, e lá estava ela sobre a relva, muito mais dura e escura do que as outras. E ali estava eu também, macio e delicado como um frango depenado e muito menor do que antes. Nessa altura agarrou-me – não gostei muito, pois estava todo sensível sem a pele – e atirou-me dentro da água. A princípio ardeu muito, mas em seguida foi uma delícia. Quando comecei a nadar, reparei que a dor do braço havia desaparecido completamente. Compreendi a razão. Tinha voltado a ser gente. […] Depois de certo tempo, o leão me tirou da água e vestiu-me[1].
Os aguilhões que curam
Derramei muitas lágrimas de gratidão solene nesta cena. Ela fere rente. Ela ferroa e cura.
Como Tim Keller disse certa vez em um sermão, “o modo de lidar com a culpa não é evitá-la, mas resolvê-la. Eustáquio não apenas percebeu que não podia tirar sua própria pele, mas somente Deus pode vir a tirá-la, e para isso você precisa deixá-lo penetrar fundo. Você deve assumir toda a culpa para si, parar de jogar a culpa nos outros e assumir a responsabilidade pelo que fez de errado. Sem desculpas. Totalmente de frente”.
Olho para o meu pecado de frente. Eu também era um dragão, uma criatura feia, repulsiva e profundamente encascada na miséria que eu mesma criei, solitária e assustada.  Mas por causa da graça de Deus, o Leão de Judá me chamou para o jardim construído na Montanha, e para a Fonte e Água Viva.
Ele fez de mim uma nova criatura, e deu um futuro a um pecador desesperançado.
Uma esperança eterna
 Quando Cristo rasgou a minha carne, uma carne que eu não podia despojar, ele converteu meu coração de pedra em carne. Pelo sangue de um Cordeiro, fui de um dragão a uma menina.
Como Eustáquio, tenho minhas recaídas. Ainda há muitos dias nos quais eu possa ser chata. Mas a cura começou, e é uma cura que será concluída em tempo oportuno (Filipenses 1.6; 1 João 3.2). E quando isso acontecer, passearei em um jardim novo, para viver com Deus e beber do rio de prazer incessantemente.
[1] C. S. Lewis. As Crônicas de Nárnia. Editora Martins Fontes, 2005. p. 451-452. Tradução de Paulo Mendes Campos.
Por: Luma Simms. © 2013 Desiring God. Original: My Dragon Skin Torn Off
Tradução: Leonardo Bruno Galdino. © 2016 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: Minha pele arrancada de dragão
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Fonte: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2016/11/minha-pele-arrancada-de-dragao/

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.