Angela Natel On quarta-feira, 16 de novembro de 2016 At 07:34
por Gito Wendel

Desde 2003 que eu falo deste texto do livro de Miquéias, na Bíblia, que a leitura muito me impactou.
Miquéias, que era profeta em Israel, contemporâneo de Isaías.
O sistema de governo: monolítico.
A corrupção moral precisava ser denunciada. Mas era difícil denunciá-la dado o poder e a perseguição dos denunciados contra o denunciante.
Miquéias começa exclamando: Ai de mim! (Miquéias 7)
Isaías também disse "Ai de mim". Eram tempos em que estar vivo e ser contrário aquilo tudo era se ferrar.
Miquéias poetiza enquanto profetiza: Estou como quando são colhidos as frutas do verão. Os rabiscos da vindima.
Com um sentimento angustiante de querer e não poder. De vazio. Da desesperança de quem olha para as árvores de frutos que a alma deseja, mas não encontra nada para lhe saciar.
Ele diz:
- Pereceu da terra o piedoso.
- Não há um que seja justo.
- Todos armam emboscadas para derramarem sangue.
- Caçam aos irmãos com a rede.
- As suas mãos praticam o mal diligentemente.
- O príncipe exige condenação e o juiz aceita o suborno.
- O grande fala dos maus desejos de sua alma - e assim, todos juntos, urdem a trama.
- O melhor deles é como um espinheiro.
- O mais reto é pior do que uma cerca de espinhos.
E por isso, em dias em que o amor se vai da vivência humana, Miquéias tem um triste conselho, uma recomendação de sobrevivência em dias de ódio, fanatismo, manipulações e loucura:
- Não creias no amigo;
- Não confie no companheiro;
- Guarda as portas de tua boca àquela que reclina sobre teu peito.
Em outras palavras: Pense bem com quem você anda, em quem confiar, com quem falar.
Tristes dias em que o próximo pode levantar sobre você seu calcanhar.
Ele diz acerca desses cuidados, para alertar sobre o pior dos dias, em que nas famílias haverá guerras terríveis:
"Porque o filho despreza ao pai, a filha se levanta contra sua mãe, a nora contra sua sogra, os inimigos do homem são os da sua própria casa."
Jesus usou esta mesma frase. 700 anos depois de Miquéias. Eram ainda dias de muito ódio, especialmente dentro de casa e pioraria, pois a loucura humana iria produzir ainda mais fanáticos que se levantariam contra qualquer ameaça, novas propostas, contra o diálogo, sem afeto qualquer. Tempo de hipocrisia, em que não haverá discernimento, tampouco justiça. (Lc 12:53)
Na leitura, que eu fiz pela primeira vez há 13 anos, estas palavras me marcaram profundamente:
"Eu, porém."
Miquéias faz poesia, profetiza e elucida uma época horrível. Explica o caos generalizado. A corrupção moral. Dá conselhos terríveis afirmando que na família haverá traições e dores e então, termina, em proposta esperançosa: Eu, porém.
"Eu, bem, apesar de tudo isto, eu... olharei para o Senhor.
Nestes dias horríveis em que as circunstâncias me levam a olhar para o caos à minha volta, olharei para o Senhor."
Ele tem uma proposta: Que eu seja PORÉM.
O mundo desama, eu porém, não. Insistirei no amor e no amar.
Eles armam ciladas para derramar sangue, eu porém, não. Não "armarei", mas "amarei" com o amor que não é cilada e se houver sangue derramado, que seja meu, em prol do meu semelhante.
Todos se juntam para praticar a maldade, eu porém, não. Que possa recrutar alguns que estejam dispostos a praticar o que é bom, sempre, lutando o tempo todo, contra tudo ao redor, e no interior, pois sim, é verdade: não há um que seja bom, mas a Graça nos dá essa consciência: Aquele que É, pode nos tornar menos piores.
Os poderosos se corrompem, eu porém, não. Desprezarei os poderes humanos crendo que o esvaziamento de mim mesmo me faz mais humano à medida que vou sendo cheio de muita graça e Dínamus - poder que não vem de mim, mas para mim, por intermédio do Espírito que atua nos filhos da Graça.
Essa é minha oração.
Minha poesia.
Minha esperança.
Minha profecia.
Minha dor.
Minha constatação de que pouco à minha volta tem mudado, mas que há em nós, em alguns de nós, a chance e a revelação de que podemos, diante de tudo, sermos Porém.
Gito.
2700 anos depois de Miquéias.
2016 anos depois de Jesus.

Fonte: https://www.facebook.com/gito.wendel/posts/1250130728380650

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.