Angela Natel On quinta-feira, 26 de maio de 2016 At 05:15

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. 

6 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
João 14:6

Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir. João16:13

Ainda meditando a respeito da Verdade, como podemos saber se estamos sendo ou não guiados por ela?
Na atualidade, nos dizemos cristãos, colocamos adesivos em nossos carros, vestimos camisetas e fazemos marchas com o nome de Cristo. Porém, nada disso é evidência de que somos guiados pela Verdade.
Uma vez que desejamos ser libertos...

Não somos guiados pela verdade...
            Quando tratamos como inimigo a quem devemos amar.
            Quando acusamos no secreto e aplaudimos em público.
            Quando pedimos e buscamos honra e glória para nós mesmos.
            Quando buscamos tirar vantagem em toda e qualquer situação.
            Quando usamos títulos (ainda que ‘cristãos’) para nos promover.
            Quando usamos o nome de Deus, de Sua obra e de Seu Reino em benefício próprio.
            Quando culpamos o outro por nossas decisões e atitudes.
            Quando nossa oferta é um peso e traz contenda entre nós.
            Quando usamos a Palavra e o nome de Deus uns contra os outros.
            Quando assumimos compromissos guiados por emoção, sem calcularmos o real preço a ser pago.
            Quando, em vez de nos alegrarmos com a conquista que o outro alcançou, procuramos o que podemos ganhar com isso.
            Quando não enxergamos que as coisas de maior valor não podem ser compradas com dinheiro.

Mas, como podemos saber se estamos sendo guiados pela Verdade?
A verdade é Cristo. Portanto, somente aquilo que o próprio Jesus falaria ou faria pode ser considerado viver na Verdade.
Assim...

Somos guiados pela Verdade...
            Quando decidimos amar incondicionalmente.
            Quando abençoamos sem cobranças.
            Quando buscamos a glória e a honra de Deus, não a nossa.
            Quando tratamos os outros como superiores a nós mesmos, independentemente de quem sejam (veja Filipenses 2:5-11).
            Quando não julgamos por aparência.
            Quando entendemos que santidade é marcada, fundamentalmente, no interior da pessoa, e não em seu exterior.
            Quando não ferimos com palavras.
            Quando somente assumimos compromissos pelos quais iremos zelar.
            Quando não fazemos as coisas para as pessoas, mas como para o Senhor.
            Quando nos responsabilizamos por nossas decisões e atitudes.
            Quando defendemos o outro em vez de expô-lo.
            Quando servimos o outro sem esperar reconhecimento.
            Quando perdoamos e ‘damos a outra face’ nas situações em que somos feridos.
            Quando recusamos receber ofertas, glória, títulos e honra que só a Deus pertence.
            Quando preferimos viver com pouco com o objetivo de repartir com quem precisa.
            Quando ofertamos somente de coração voluntário, isto é, sem esperar mérito ou reconhecimento.
            Quando buscamos a Palavra de Deus para sermos transformados.
            Quando só usamos o nome de Deus no que está claro em Sua Palavra.
            Quando permitimos que o outro seja abençoado sem que necessitemos aparecer.
            Quando temos a mesma atitude no particular e no público.
            Quando finalmente entendemos na prática que as coisas de maior valor não podem ser compradas com dinheiro.

Sermos guiados pela Verdade é viver como Jesus, falar como Jesus e buscar somente o que Ele buscaria.
A obra do Espírito Santo em nós é nos tornar parecidos com o Senhor Jesus, que é a Verdade! Eis o maior desafio para nós, cristãos...
Uma vida guiada pela Verdade não pensa na própria reputação, não busca os próprios interesses. O verdadeiro discernimento que vem do Espírito de Deus nos torna pessoas capazes de decidir com firmeza em favor do outro, e sermos fieis até a morte em nossas decisões – como Cristo fez.
Nossa vida de oração precisa resultar em atitudes responsáveis a fim de deixarmos de ser vítimas das circunstâncias para assumirmos nosso papel de abençoar a todos os que nos cercam ou estão ao nosso alcance.
Como Jesus, guiados pela Verdade, podemos olhar nos olhos de todo e qualquer ser humano e enxergar nele uma vida pela qual Jesus Cristo morreu – e nisso não há diferença entre homem e mulher, escravo ou livre (veja Gálatas 3:28).
É tempo de nos arrependermos de nossa vida vivida somente em função de nós mesmos.
Quando a honra é direcionada somente a Deus, sem reservas, quando a bênção é entregue ao próximo sem peso nem acusação, quando nosso trabalho e esforço não se restringe ao acúmulo de bens nem ao conforto pessoal, mas é direcionado para o serviço ao próximo, podemos seguir em frente, e crescermos nisso, a fim de continuarmos sendo guiados pela Verdade.
Você deseja ser guiado pela Verdade?


            Angela Natel – 26/05/2016

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.