Angela Natel On sexta-feira, 8 de abril de 2016 At 09:17
Neste tempo marcado pelas polaridades, onde discussões políticas chegam a dividir famílias e até igrejas, nada melhor do que dar um passo atrás. Isso não quer dizer que devamos fazer vista grossa às nossas idiossincrasias, negando-se a denunciá-las. É melhor dirigir nossas críticas a nós mesmos, cortando na própria carne, sobretudo, quando temos telhado de vidro. Todavia, ao entrar em questões ideológicas, busquemos respeitar pontos de vistas conflitosos, esforçando-nos para enxergar o idealismo sincero por trás do discurso. No fundo, todos queremos o melhor para o nosso país. A única coisa que não devemos tolerar é a intolerância. O mesmo Paulo que buscou promover o entendimento entre judeus e gentios, não pestanejou para denunciar os que se aproveitavam dos ânimos acirrados para promover partidarismo com o fim de se locupletarem.



Hermes C. Fernandes: Afinal, de que lado você está?: Por Hermes C. Fernandes Você já se viu no meio de uma disputa entre pessoas que deveriam se amar? Você já se sentiu pressionado a t...

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.