Angela Natel On sexta-feira, 4 de março de 2016 At 04:28


Servo é aquele que consola,
que abraça, que acalma.
Servo é aquele que compartilha o que tem e o que pode, o que ajuda.
Servo é o que alegra, o que ama,
o que chora junto, o que anima.
Servo é o que carrega o peso do outro,
e às vezes, carrega o outro.
Servo é aquele que não quer se afirmar, mas levantar o outro.
Servo não busca reconhecimento, mas cumprir sua tarefa.
Servo não marca território, mas defende o marginalizado.
Um servo se parece com Jesus,
em suas atitudes, em suas intenções.
Não usa de desculpa não ser Cristo,
para justificar falta de amor.
Servo deixa de lado, muitas vezes, seus próprios direitos
para poder defender a causa dos que não tem voz.
Como Cristo fez conosco.
Ser encontrado em forma inferior
e ter a segurança de saber quem é
para poder se humilhar,
e obedecer,
e morrer.
Servir até a morte - eis a vida de um servo.
Pois é Deus quem determina quem somos,
e o que devemos fazer.
Melhor privilégio não há
do que ser servo dos servos de Deus.
E tudo isso para que um único nome apareça
e que um só receba o reconhecimento - Jesus.
Angela Natel - 04/03/16.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.