Angela Natel On domingo, 29 de dezembro de 2013 At 04:47

Você consegue medir o imensurável?
Conhece os sonhos de Deus,
Pode julgar meus sentimentos
E prever os acontecimentos?

Você consegue realizar o impossível?
Calar diante da dor alheia
Sem colocar mais dor
Nem reclamar de barriga cheia?

Você consegue perdoar o imperdoável?
Quem te feriu, te contradisse,
quem agiu por impulso
sem que ninguém visse?

Você consegue dizer o indizível?
A verdade, somente a verdade,
Sem achismos, sem preconceitos,
Com amor, mas sinceridade?

Você consegue amar os odiáveis?
Os ladrões, traíras, assassinos,
Grosseiros, feios, fofoqueiros,
Que pelas ruas entoam hinos?

Consegue, por um minuto, sair dessa caixinha
Se surpreender ao entrar na minha
E não mais ver o abismo entre nós?

Consegue libertar-se da estrutura
Deixar de lado a amargura
E desatar todos os nós?

Não é o ano que se vê mais novo
É a alma que renasce sem estorvo
Olha ao lado pro irmão em seu pesar.

Prá conseguir amar sem preconceito
É preciso ter respeito
É preciso perdoar.

(Angela Natel – 27/12/2013.)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.