Angela Natel On quinta-feira, 4 de julho de 2013 At 12:27
E se eu tivesse um vislumbre do futuro
E visse as águas agitarem sobre mim
E se eu visse cair por terra o grande muro
Para que tudo em todo o tempo eu compreenda, enfim?

E se eu julgar que toda verdade vem de Deus
Seja em Marx, Freud, Sócrates, Maquiavel
Se eu entender que todos os planos são seus
E que até o diabo nisso tudo tem o seu papel?

E se eu converter tudo ao serviço do Senhor
ainda que provenha do diabo
Se eu buscar a filosofia que for
Para manter a fé sempre ao meu lado?

E se eu descobrisse que sou fábrica de deuses
Que multiplica os sentidos de todo texto
Se as metáforas se transformam em teses
Para que eu faça argumentação com o resto?

E se eu não captar o sentido teológico
Do que realmente diz o texto lido
Se eu não conseguir ver o sentido exegético
Nem ter um olhar histórico-crítico?

E se eu tivesse um vislumbre do presente
Sob uma ótica límpida e elevada
Se eu enxergasse o mundo sob a luz de outra lente
Experimentaria uma teologia atualizada?


(Angela Natel – 25/06/2013)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.