Angela Natel On sábado, 6 de outubro de 2012 At 08:50



Prá que construir um prédio
E dar-lhe o nome de Igreja
Se igreja são pessoas de carne e osso
Que tem o direito de ir e vir?

Como construir um prédio
Capaz de acolher todas as pessoas do mundo
Se o Reino de Deus é para todos
Se Cristo morreu por todos?

Prá quê defender a idéia
De ser a ”maior igreja da região”
Se igreja, segundo a Bíblia, é um organismo vivo
Não é uma instituição?

Prá onde estamos caminhando
Repetindo os modelos medievais
Esquecendo a raiz do que somos e temos de fazer
Colocando números em rol de membros como nossos ideais?

Com quem realmente nos importamos
Quando colocamos um mendigo prá fora
Prá não perturbar a programação
Quando não sabemos tratar bem quem já foi embora?

Como ainda nos isolamos
Com medo de nos contaminarmos com o ‘mundo’
Se na Bíblia aprendemos que ‘todos pecaram’
Todos já somos contaminados.

De onde vem a idéia de que o culto e a liturgia
De que os sacramentos e nossas programações
Podem, de uma forma ou de outra
Fazer de nós melhores cristãos?

Será que é possível que nos arrependamos
Que evangelizemos a Igreja
E nos relacionemos  saudavelmente
Com Deus e com o mundo?

Será que os prédios, os números de discípulos,
Os cultos à (e não de) oração e ao (e não de) louvor
Os esquemas, a doutrina e a tradição, os dogmas e o isolamento
Não são suficientes para aliviar a consciência, pelo menos por enquanto?

(Angela Natel – 06/10/2012)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.