Angela Natel On terça-feira, 4 de setembro de 2012 At 07:41


Caio Fábio D'Araujo Filho


A experiência com Jesus é Presença.

É o conhecimento da única Presença real.

Quando você é tocado em seus sentidos por todas as coisas que aos sentidos tocam, sempre haverá graça divina em todas as coisas. Outra coisa, todavia, é quando você experimenta todas as graças de Deus em todas as coisas, tendo seu próprio ser possuído pela Presença, e que interpreta tudo o que vem de fora e de dentro—e o que vem do fundo e do alto—e faz com que cada coisa passe a significar muito mais que a coisa em si para você.

“Assim, habite Cristo ricamente em vossos corações pela fé!”

Esse é um estado de permanência do ser na Presença que é! E esse estado é fruto do conhecimento de Deus como Presença e Confiança!

Ora, isso gera Contentamento, mesmo quando dói!

Mas nem sempre dói. Há muitas brisas de prazer e muitos aromas de amor. Há muitas águas geladas e tépidas. E há muitos dias diferentes. E cada um deles tem o seu próprio cheiro, cara e sabor. E quando se experimenta cada dia na Presença, e quando essa Presença não é apenas um arrepio que evoca o que está fora de nós, mas sempre um-ser-em-si-Nele, então, acaba essa relação com Deus que o projeta para fora de nós, e se estabelece a relação com Deus em nós. Isto significa “Cristo vive em mim”. Isto significa “...eu e meu Pai viremos, e faremos nele morada”. Isto significa “Cristo em vós, a esperança da Glória”.

Como eu não sou dispensacionalista, não creio na “teoria da habitação de Deus no homem apenas depois do dia de Pentecoste”.

Deus sempre fez o que quis. Ou alguém acha que não? Dele é o domínio e a glória! Portanto, digo que era a essa Presença que Moisés fazia referencia, quando disse que nem com o Anjo do Senhor indo adiante de Israel fazendo proezas e destruindo inimigos, ele, Moisés, se atreveria a sair de onde estava, e nem iria com Israel, à menos que a Presença fosse com ele. E Presença é. Portanto, seu conhecimento acontece na existência.

Não dá para conhecer a Deus se não nos entregarmos com fé, coragem, confiança e amor à vida em Deus.

Mas nós ainda estamos na era anterior à conversão da mulher Samaritana. Ela é quem desejava saber “onde era o lugar onde se deveria adorar”. Se era em Jerusalém ou em Samaria. Jesus estava oferecendo a experiência de Deus dentro. A mulher via tal relação como algo a ela exterior.

A religião cria uma visão de Deus fora de nós--em algum lugar. Mas Jesus nos chama para encontrar o reino de Deus, e o próprio Pai, dentro, no coração. “Deus é espírito”, foi o que disse Jesus. E acrescentou: “Importa que Seus adoradores o adorem em espírito e verdade”. Espírito é Presença. E sem Verdade não há Presença, pois sem Verdade tudo é ausência. Por isto, sem espírito nada é Presença.

Ora, digo isto não como deletantismo, mas como confissão de fé. Eu creio que o verdadeiro entendimento espiritual tem que nos levar ao conhecimento de Deus como Presença em nós.

E creio que isso não nos serve como “compreensão”, mas tão somente como experiência real, pela fé e no coração. E seu último ponto de instalação é o intelecto.

O mergulho nessa dimensão muda todo o nosso discernimento do mundo, e nos deixa num estado de percepção muito diferente, pois é como se tudo fosse possível, embora você tenha prazer apenas em fazer aquilo que gera paz para o coração. Os medos também acabam. E aparece uma imensa vontade de se conhecer, pois, quanto mais a pessoa se conhece, mais ela mesma conhece a Deus como Graça e Presença—visto que muito dessa auto-revelação seria insuportável se o olhar do próprio indivíduo que está se vendo, não acontecesse na Graça. A infância da fé propõe a realidade de um Deus que existe. Mas a maturidade da fé nos chama para a experiência de Deus como Presença.

Isto é Emanuel.
Isto é Deus conosco.
Isto é Deus em nós.
Isto é Presença!








Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2012/08/sem-tua-presenca-eu-nao-vou.html#ixzz23iip3eXO
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.