Angela Natel On terça-feira, 11 de setembro de 2012 At 06:56


Um desenho demoníaco foi encontrado em um misterioso artefato religioso, tomado como despojo de guerra mais de quinhentos anos atrás.
Pelo valor de face, a história do Codex Gigassoa como um verdadeiro roteiro de Indiana Jones, mas por trás do brilho de mentiras e questões ingênuas, o que exatamente é este artefato? Será que um monge do mal teria feito um pacto com o diabo, como muitos acreditam? Ou foi apenas o trabalho de alguém querendo fazer “jogos mentais” com os leitores? Vamos descobrir o que fez o Codex Gigas tão misterioso e o que de verdade tem por trás de sua procedência.
A imagem de capa é do Codex Gigas, abrindo as portas de maior interesse na Biblioteca Nacional de Suécia.

O que é um códice?
Um códice é uma espécie de conjunto de páginas encadernadas, com um “toque sangrento”, que substitui os pergaminhos. Codex é muitas vezes traduzido do inglês como “código”, que pode ser parte da razão de um significado um pouco mais misterioso que os códices em geral.
No sentido acadêmico, um códice simplesmente refere-se a um livro escrito à mão, muitas vezes contendo ilustrações nas margens dos textos ou separados dele.

Por dentro do Codex Gigas
Dentro do códice, existe uma mistura de histórias bíblicas com histórias contemporâneas, um alfabeto comparativo, textos médicos, calendários e um toque de magia. Os escritos são separados em uma ordem incomum, com números colocados no meio dos textos “religiosos”, incluindo o histórico de Flavius Josephus e uma história da região Boêmica, com alguns relatos do primeiro povo judeu.
Gigas em Latin significa gigante, portanto, a tradução de Codex Gigas é “livro gigante”. Codex é um nome derivado de um texto de volume único sobre sobreviventes religiosos monges do século 13. O códice é pensado ser escrito em um mosteiro beneditino de Podlažice na moderna República Checa (chamado na época de Bohemia), mas o codex ganhou despojo e notoriedade através dos suecos no Exército após a Guerra dos Trinta Anos.
Cada uma de suas páginas é manuscrita, provavelmente por um único escriba que o fez por toda a sua vida. O codex é bastante grande, com cerca de 3 metros de largura estando aberto e estima-se que faltem apenas 10 páginas que foram arrancadas em algum momento do passado. Estudiosos acreditam que as páginas arrancadas continham algum tipo de regra sobre o mosteiro.

Seria este livro escrito por Satanás?
Segundo os contos, o livro foi escrito em apenas uma noite por um monge após ter quebrado algumas regras do mosteiro, sendo condenado à morte lenta, sendo emparedado em uma sala de tijolos. Durante a noite, antes de sua sentença ser executada, o monge teria decidido escrever seu último trabalho: um livro mal escrito usando peles de animais. Percebendo que não conseguiria terminar o livro devido à prisão, ele teria então feito um pacto faustiano com Lúcifer à meia-noite para terminar o livro, com o diabo assinando um documento em uma folha na página 290.
O canal de TV National Geographic calculou recentemente que uma pessoa levaria cerca de 5 anos consecutivos, 24h, para recriar o conteúdo do Codex Gigas, se não fizesse nenhuma desenho, apenas escrevendo. Uma obra deste calibre, provavelmente tenha teria sido finalizado após 30 anos de constantes organizações e escritas. A realidade contradiz a sabedoria.

Detalhes diabólicos?
Depois da página que exemplifica a imagem do diabo, existem citações para afastar os maus espíritos e doenças. Nestas páginas encontram-se conjurações e duas magias, provavelmente concebida como proteção contra o diabo e não uma invocação, devido à sua justaposição com a página anterior. Uma eliminação intencional, com supostas conexões místicas, é a imagem demoníaca da Cidade Celestialcolocada antes do demônio e dos feitiços.
A falta de conteúdo adicional faz parecer que a imagem do diabo está presente apenas como um símbolo e não como um objeto de decoração.

Onde está o Codex Gigas hoje?
Cada página do Codex Gigas está disponível em imagens de scanner pela internet e o códice original está alojado na BibliotecaNacional da Suéca. O códice não é exibido ao público pelo grande temor da biblioteca sobre algum dano nas páginas, buscado preservar a obra ao máximo.

Atribuições finais
As pessoas que gostariam que o livro fosse realmente algo demoníaco, talvez tenham uma grande decepção. O códice não parece ser um trabalho do diabo ou de nenhum adorador do demônio. O livro parece ser uma representação legítima da Vulgata Latina, com alguns textos úteis e adicionais. Este livro dá uma fascinante visão sobre um mundo onde uma pessoa estava sentada à mesa, cumprindo uma penitência e explorando seus pensamentos. As letras são colocadas com muita delicadeza, linha por linha, trazendo fascínio para os estudiosos.
Para visitar o site com as cópias digitalizadas, clique aqui!

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.