Angela Natel On quinta-feira, 23 de agosto de 2012 At 08:53

Por André Sanchez
Dentre as expressões importantes que a Bíblia nos ensina, creio ser muito importante que aprendamos o profundo significado da palavra blasfêmia. Isso porque em uma sociedade totalmente imoral quanto a nossa, creio que cada vez mais as pessoas têm perdido o referencial de respeito e de temor a Deus, dizendo e fazendo coisas extremamente graves e que se enquadram no que chamamos de blasfêmia.
O que significa blasfêmia?
Blasfêmia significa, principalmente, ofender de alguma forma a Deus, a Jesus Cristo e ou ao Espírito Santo, seja através de pensamentos, de palavras ou de alguma atitude. A maioria dos usos de “blasfêmia” na Bíblia é nesse sentido. Veja um exemplo:
“Isaías lhes disse: Dizei isto a vosso senhor: Assim diz o SENHOR: Não temas por causa das palavras que ouviste, com as quais os servos do rei da Assíria blasfemaram de mim.” (2Rs 19. 6)
Essa palavra também pode ser usada no sentido de desrespeitar coisas que são sagradas e também quando alguém diz ter poderes ou direitos que pertencem a Deus. Observe que em muitos momentos Jesus é acusado de ser um blasfemador porque atribuía a si mesmo atributos que pertenciam somente a Deus. É claro que aqueles que o acusavam o faziam erroneamente, pois Jesus é Deus e não estava blasfemando. Veja esse exemplo:
“Por que fala ele [Jesus] deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode perdoar pecados, senão um, que é Deus?” (Mc 2. 7)
As blasfêmias podem ser perdoadas por Deus mediante o arrependimento, porém, a Bíblia nos revela que há um tipo de blasfêmia que é imperdoável, o que alguns chamam de o pecado imperdoável.
“Por isso, vos declaro: todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada.” (Mt 12. 31)
O dicionário da Bíblia de Almeida explica a respeito desse pecado imperdoável: “O pecado que não tem perdão. É a recusa de aceitar como divino o poder que Jesus tinha de curar. Em outras palavras, é a incredulidade (Mt 12.31; Mc 3.29).”. Parece ser exatamente aquilo que está descrito em Apocalipse 16. 11, onde vemos que Deus foi blasfemado sem arrependimento por parte dos blasfemos:
“e blasfemaram o Deus do céu por causa das angústias e das úlceras que sofriam; e não se arrependeram de suas obras.”
Assim, concluímos que a blasfêmia somente pode vir de um coração sem Deus, totalmente tomado pelo pecado. Aquele que reconhece quem é Deus não tem coragem de blasfemar, pois sabe que isso é errado perante o Todo Poderoso, o Criador e Sustentador de todo o universo.


Leia mais no blog do autor: http://www.esbocandoideias.com/2012/08/o-que-significa-blasfemia.html#ixzz22sO99hKR
[Nossos textos podem ser usados à vontade, porém, pra usá-los legalmente, coloque o nome do autor e um link para o blog Esboçando Ideias (pode ser o link acima). Obrigado] 

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.