Angela Natel On sexta-feira, 17 de agosto de 2012 At 06:41


O texto a seguir é de autoria de Elben César, redator da revista Ultimato. “Não vou ter medo” foi publicado na última edição da revista, n° 337, na sessão “De Hoje em Diante”. O assinante pode ler esta edição na íntegra aqui em nosso site.
 
 
Já chega de medo! O medo não me deixa ir para frente. Obriga-me a retroceder. Leva-me a enxergar a terra e não o céu, os gigantes de Canaã e não a abertura do mar Vermelho, as minhocas e não as aves do céu. Atravanca a minha vontade, os meus projetos, os meus sonhos. Coloca-me numa prisão. Faz-me desperdiçar o tempo, a energia, as oportunidades. O medo me torna indeciso e vacilante o tempo todo. Não vou mais mentir para mim: eu sou medroso, eu sou viciado no medo. Não posso continuar assim. De hoje em diante, com a ajuda de Deus, proclamarei e viverei a minha independência do medo. Vou parar de fingir coragem. O lugar do lixo é o lixo, o lugar do medo é o inferno!
 
Quando digo “sou cauteloso”, deveria dizer “sou medroso”. Tenho usado a palavra cautela para esconder a palavra medo. As duas nunca foram sinônimas. Farei a necessária distinção entre uma e outra.
 
Não sei por que sou medroso, se a Bíblia que eu leio todos os dias repudia o medo. A todo momento encontro o mandamento para não ter medo. O anjo disse a Maria: “Não tenha medo” (Lc 1.30) e aos estupefatos pastores de Belém: “Não tenham medo” (Lc 2.10). Jesus disse ao pai da menina de 12 anos que estava entre a vida e a morte: “Não tenha medo” (Lc 8.50); aos discípulos que estavam tremendo de medo da tempestade marítima: “Não tenham medo” (Mt 14.27); aos três apóstolos que estavam com ele no monte da transfiguração: “Não tenham medo” (Mt 17.7); e às mulheres da Galileia no jardim de José de Arimateia: “Não tenham medo” (Mt 28.10). Pelo menos duas vezes, Deus fala com Paulo: “Não tenha medo” (At 18.9; 27.24). Deus disse a João na ilha de Patmos: “Não tenha medo” (Ap 1.17).
 
Porém a passagem que mais me implica está na Primeira Epístola de João. É um sermão e tanto: “No amor não há medo; o amor que é totalmente verdadeiro afasta o medo” (1Jo 4.18). Chego à conclusão de que se eu sinto medo não tenho no coração o amor totalmente verdadeiro. Verifico que eu tenho uma coisa que não deveria ter — medo — e não tenho a outra que deveria ter — amor. Mas Deus há de arrancar o medo de dentro de mim!
 
É algo incrível. Seu eu vou para o Antigo Testamento, a exortação continua. Ao povo de Israel, ainda na travessia do deserto, frente aos possíveis inimigos, Moisés disse: “Não se assustem, não se apavorem, não fiquem com medo, pois o Senhor, nosso Deus, está com vocês para lutar ao seu lado e salvá-los do inimigo” (Dt 20.3-4).
Para livrar-me para sempre do medo, pretendo ligá-lo à oração, isto é, em vez de me amedrontar com coisas reais ou não, me colocarei de joelhos para superar o medo e pedir o socorro do Senhor, como fez o rei Josafá (2Cr 20.3).

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.