Angela Natel On quarta-feira, 29 de agosto de 2012 At 11:29

Um estudioso judeu concluiu um projeto de 30 anos que o envolveu na correção do que ele diz que são centenas de erros gramaticais na Bíblia hebraica, ou Antigo Testamento, fazendo a primeira edição do texto em quase 500 anos.

O estudioso, Menachem Cohen, 84, revelou no início desta semana que ele havia corrigido cerca de 1.500 erros gramaticais na Bíblia hebraica. Seu trabalho está previsto para ser publicado no próximo ano.

"O povo de Israel tomou para si, pelo menos em teoria, uma versão da Bíblia, até a sua última carta," Cohen contou à Associated Press a partir de seu escritório na Universidade Bar-Ilan, perto de Tel Aviv.

"Foi surpreendente para mim que há 500 anos, as pessoas não perceberam os erros", acrescentou. "Eles simplesmente assumiram que estava tudo bem, mas na prática nem tudo estava bem."

A última versão corrigida foi publicada por Jacob Ben-Hayim em 1525, e chamou Gedolot Makroat, que reuniu textos diversos da religião e comentários.

Cohen não é o único estudioso judeu a observar e tentar corrigir os erros - atualmente, o Projeto da Bíblia da Universidade Hebraica em Jerusalém também está trabalhando em uma edição acadêmica da Bíblia Hebraica. O coordenador do projeto editorial, Rafael Zer, disse que ele acha a versão de Cohen "quase-científica" porque lhe falta um guia de como e por que os supostos erros foram corrigidos.

Ao dar crédito ao trabalho árduo de Cohen, Zer, disse que "vem em detrimento da precisão absoluta e uma edição científica absoluta."

Cohen, um ex-professor, salientou que ele quer que sua versão revista do Antigo Testamento vá online e seja disponibilizada para quantas pessoas for possível, incluindo estudantes. Como um ex-estudioso, ele disse que seu principal objetivo é "corrigir o passado e se preparar para o futuro."

"Eu quero que a Bíblia seja de fácil uso ao usuário", disse Cohen. "Hoje, podemos criar fontes de informação e pesquisas que lhe permitem obter uma resposta para tudo o que você está se perguntando."

O estudioso também esclareceu que não pretendia alterar o idioma nos pergaminhos da Torá sagrada, que são utilizados para ritos religiosos. De acordo com a lei judaica, se mesmo uma única letra estiver incorreta, o livro todo é nulo.

Cohen diz que seu trabalho não afeta o significado do conteúdo da Bíblia. Por exemplo, em alguns lugares, marcadores usados para denotar as vogais em hebraico estão incorretos, ou letras em algumas palavras podem ter sido digitadas erradas - mas o significado permanece o mesmo. Para ajudá-lo em seu trabalho, o professor usou principalmente o Codex Aleppo, o pergaminho de 1.000 anos de idade, que é considerado como a cópia mais exata da Bíblia hebraica.



Fonte: The Christian Post

http://libertosdoopressor.blogspot.com.br/2012/08/erros-de-biblia-hebraica-corrigidos.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.