Angela Natel On domingo, 26 de agosto de 2012 At 07:47

Por André Sanchez
O início da narrativa do livro de Jó aponta Jó como um homem estabilizado na vida, tanto material como espiritualmente, coisa que todos nós buscamos. Uma família abençoada, bens que garantiam uma sobrevivência tranquila e uma vida espiritual exemplar (Jó 1. 1-5). Talvez a vida de Jó seja bem parecida com a de muitos de nós, com algumas variações para mais ou para menos. Porém, o fato que quero abordar aqui é o que vem a seguir, quando nos é apresentado um diálogo entre Deus e Satanás e o desencadear desse diálogo:
E se você fosse escolhido para ser o próximo Jó?
“Disse então o Senhor a Satanás: Reparou em meu servo Jó? Não há ninguém na terra como ele, irrepreensível, íntegro, homem que teme a Deus e evita o mal. Será que Jó não tem razões para temer a Deus? Respondeu Satanás. Acaso não puseste uma cerca em volta dele, da família dele e de tudo o que ele possui? Tu mesmo tens abençoado tudo o que ele faz, de modo que todos os seus rebanhos estão espalhados por toda a terra. Mas estende a tua mão e fere tudo o que ele tem, e com certeza ele te amaldiçoará na tua face. O Senhor disse a Satanás: Pois bem, tudo o que ele possui está nas suas mãos; apenas não encoste um dedo nele” (Jó 1. 8-12 – NVI)
Na sequência do diálogo entre Deus e Satanás, tragédias despencam sobre a vida de Jó com a morte de vários de seus empregados (1.15), de ovelhas (1. 16), roubo de seus camelos (1. 17), a morte de seus filhos (1. 19). Apenas essa primeira fase da provação de Jó já me arrepia e me traz perguntas à mente: E se Deus resolvesse que eu seria provado como Jó? E se eu fosse escolhido para ter a fé provada nos mesmos termos que Jó? Seria a minha fé suficiente para não blasfemar contra Deus e abandoná-Lo?
Como Jó não blasfemou diante de Deus e nem abandonou o Senhor (Jó 1. 20-22), pelo contrário, O adorou, o Diabo resolveu solicitar a Deus permissão para aumentar a prova:
“Disse então o Senhor a Satanás: Reparou em meu servo Jó? Não há ninguém na terra como ele, irrepreensível, íntegro, homem que teme a Deus e evita o mal. Ele se mantém íntegro, apesar de você me haver instigado contra ele para arruiná-lo sem motivo. Pele por pele!, respondeu Satanás. Um homem dará tudo o que tem por sua vida. Estende a tua mão e fere a sua carne e os seus ossos, e com certeza ele te amaldiçoará na tua face. O Senhor disse a Satanás: Pois bem, ele está nas suas mãos; apenas poupe a vida dele. Saiu, pois, Satanás da presença do Senhor e afligiu Jó com feridas terríveis, da sola dos pés ao alto da cabeça. Então Jó apanhou um caco de louça com o qual se raspava, sentado entre as cinzas.” (Jó 2. 3-8 – NVI)
Na segunda sequência de provações, Jó perdeu sua saúde e qualidade de vida, além do apoio de sua esposa, que lhe sugeriu que amaldiçoasse a Deus e morresse (2. 9). Ele ficou praticamente na miséria material e física. E tudo isso com a permissão de Deus.
Essa segunda sequência de provações me arrepia ainda mais! E se Deus permitisse que minha fé fosse testada até esse nível? Se minha saúde fosse tirada sobraria alguma fé em meu coração? Se não restasse mais nada, nem o apoio dos entes queridos, eu permaneceria firmado e confiante em Deus?
Talvez cada um de nós que diz que ama a Deus, que tem fé Nele, que não O abandonaria por nada, precisássemos pensar melhor em como anda nossa fé e o nosso amor por Deus! Pode ser que alguns de nós sejamos escolhidos para ser Jó. Pode ser que você que está lendo esse artigo ou eu que o estou escrevendo, sejamos, com a permissão de Deus, provados.
Como será se você for escolhido para ser o próximo Jó?


Leia mais no blog do autor: http://www.esbocandoideias.com/2012/08/e-se-deus-te-escolhesse-para-ser-o-proximo-jo.html#ixzz233oZPh4k
[Nossos textos podem ser usados à vontade, porém, pra usá-los legalmente, coloque o nome do autor e um link para o blog Esboçando Ideias (pode ser o link acima). Obrigado] 

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.