Angela Natel On quinta-feira, 16 de agosto de 2012 At 04:39

Existem pastores que utilizam de argumentos para persuadir os evangélicos a darem o dízimo; usam de artifícios para persuadir mas, aos que confiam e tem temor a Deus, é certo “levar” (persuadir) alguém a acreditar ou executar alguma coisa??

Não!! A Palavra de Deus (contida na Bíblia) não é instrumento para "induzir" pessoas a alguma coisa que não contenha nEla, pois a Palavra de Deus é viva e eficaz que penetra até a divisão da alma, porquanto, não é necessário argumentos persuasivos, mas, sim é necessário a expressão da verdade para que alguém tome alguma iniciativa com relação a Deus.

O que sabemos sobre a igreja instituição (igreja física), está no código Civil, é regida pelas normas que se aplicam a associações, significando, portanto, que todo membro é um administrador dos bens da “igreja” então, deve ser usada uma iniciativa para se pedir contribuições financeiras para manutenção da organização e sustento de seus dirigentes, que não argumentos bíblicos fora de contexto, como é o caso dos "dízimos"...

... a igreja instituição (igreja física) regida por normas do Código Civil foge aos preceitos de Deus, já não é divina, é humana, porquanto, não se pode confundir as coisas santas com as terrenas; tenho certeza que há pessoas fieis a Deus na igreja instituição (as igrejas físicas, igrejas evangélicas, outras), sim há, entretanto, entregar dinheiro em forma de contribuições dizendo ser “dízimos” ou “ofertas” na igreja instituição não justifica fidelidade a Deus.

Dentre tantos, meu embate:

- que homens, como “lideres” da igreja instituição (de suas igrejas físicas, igrejas evangélicas e outras) querendo manter suas organizações religiosas, não usem de desvios dos argumentos bíblicos;
- que não façam sufrágio da Verdade para justificar a necessidade de se manter suas organizações religiosas e para tanto desvirtuam passagens bíblicas em proveito de se persuadir;
- que não usem da mentira em afirmar que a igreja instituição (igrejas físicas) regida pelo Código Civil é obra de Deus ou casa de Deus.
Não vejo nenhum problema em se reunir na igreja instituição (igrejas físicas), entretanto, usar-se de mentira em afirmar que estes lugares são santos, que estes lugares são obra de Deus, que estes lugares é a casa de Deus, extrapola a verdade da Palavra de Deus (contida na Bíblia)!!

Assim, quando se defendem os dízimos e as ofertas para a igreja instituição, favorecer-se-á tão somente aos mercenários religiosos, charlatões da fé que, obcecados, estão se enriquecendo dia após dia de pessoas humildes, dos menos favorecidos de entendimento, infelizmente há intelectuais, pessoas esclarecidas sendo cegas de entendimento [2Coríntios 4.4] e por não suportarem a sã doutrina, tendo comichão nos ouvidos, amontoaram para si doutores conforme as suas próprias concupiscências, desviando os ouvidos da verdade, voltando as fábulas, favorecendo a estes mercenários.

Sejamos, então, honestos para com Deus em Sua infinita misericórdia, convocando as pessoas cristãs a que se desviem do ensino dos dízimos e ofertas para a igreja instituição (igrejas físicas, igrejas evangélicas e outras), e se sentirem o desejo de contribuir para uma organização religiosa, uma entidade que sem dúvidas ajude aos pobres e necessitados e é dirigida por umcrente que em temor a Deus vive para apascentar o rebanho de Deus, não por torpe ganância, mas voluntariamente, que façam suas contribuições “segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria”.

Devemos viver em santidade, e a santidade afirma que não devemos persuadir mentiras, por que não existem referências bíblicas aos dízimos e ofertas para a igreja instituição (igrejas evangélicas e outras), não há referências bíblicas dos dízimos e ofertas para a igreja gentílica, mas sim, coleta de ofertas na igreja gentílica aos pobres e necessitados, retendo “firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina, como para convencer os contradizentes” [Tito 1].

Verdade incontestável:

- quem defende os dízimos para recebê-los, quer viver do suor alheio!
- quem defende os dízimos para entregar na igreja instituição, quer negociar com Deus!

Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses da Igreja que Cristo edificou.



Fonte: Jesus o Maior Amor

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.