Angela Natel On quarta-feira, 22 de agosto de 2012 At 06:00


“Eu os batizo com água para mostrar que vocês se arrependeram dos seus pecados, mas aquele que virá depois de mim os batizará com o Espírito Santo e fogo...”Mateus 3:11 [NTLH] 

Há um certo abuso na interpretação desse texto por parte dos pentecostais. Eles associam dois elementos do texto que são completamente opostos. Demonstração de uma ingenuidade e carência de um estudo exegético mais cuidadoso das Escrituras. 

Um amigo, recém-convertido, estava em dúvida se permanecia conosco na denominação batista onde se convertera ou se congregava numa igreja pentecostal. Na época, visitava as duas igrejas para verificar onde realmente deveria congregar após “experimentar” os dois lados. 
.
Certo dia, após a EBD, ele me abordou com a seguinte pergunta: – André, quando João Batista diz que Jesus batizaria com o Espírito Santo e com fogo ele estava falando de fogo literalmente ou era no sentido figurado? O motivo de sua pergunta era entender porque o irmãozinho lá da igreja pentecostal disse que a denominação batista não era uma boa igreja por não ter fogo. Por mais que os batistas alegassem ter o Espírito Santo, a falta de fogo demonstrava uma “ineficiência” desse batismo do Espírito Santo dos batistas. 

Confesso que não tive uma boa resposta para dar e como hoje tive acesso a mais literatura sobre o assunto, acredito estar melhor preparado para oferecer uma boa explicação. Como ele é filiado ao blog Teologia Et Cetera, tomará conhecimento da resposta, agora, melhor elaborada. E certamente será de valia para outros leitores que esbarrarem com o texto na internet. Espero apenas que os irmãos pentecostais não se ofendam, mas aprendam com a análise mais cuidadosa do texto. Afinal, faz parte de nossa caminhada na vida cristã aprender sempre. 

João Batista está fazendo uma comparação do trabalho que Cristo veio realizar com o trabalho típico de quem cultivava trigo. O trigo era colhido e exposto ao sol para secar. Depois, o trigo era jogado para cima com uma ferramenta parecida com uma pá. Esse procedimento é chamado de joeirar ou padejar. Ao jogar os grãos de trigo com a palha para o alto o vento leva a palha, e cai ao chão somente o grão de trigo sem a palha. É a forma mais eficiente de tratar manualmente a separação do trigo e palha. O trigo, então, era depositado no celeiro, e a palha era queimada por não servir para mais nada. 

Esse processo é bem parecido com o que fazemos no trato de alpiste que sobra na gaiola. O passarinho come as sementes de alpiste retirando a palha, e quem cuida de passarinho sabe que depois de algum tempo, antes de repor o pote com novas sementes, precisamos soprar o pote com o resto de alpiste para que a palha seja levada com o vento e sobre no pote apenas as sementes que ainda não foram separadas de suas cascas. 

A mesma comparação foi usada pelo profeta Isaías: “Eu farei de ti um debulhador novo e afiado, com lâminas que cortam; trilharás os montes e os moerás; reduzirás as colinas a palha. Tu irás peneirá-los; o vento os levará e o redemoinho os espalhará; e tu te alegrarás no SENHOR e te gloriarás no Santo de Israel.” Isaías 41:15-16 [AS21] 

Observe, agora, que João utiliza os mesmos elementos necessários para o serviço de joeirar: a pá, trigo, palha, vento e fogo. 

“Eu os batizo com água para mostrar que vocês se arrependeram dos seus pecados, mas aquele que virá depois de mim os batizará com o Espírito Santo e fogo... Com a pá que tem na mão ele vai separar o trigo da palha. Guardará o trigo no seu depósito, mas queimará a palha no fogo que nunca se apaga.” Mateus 3:11-12 [NTLH] 

Devemos nos lembrar que a palavra grega para “espírito” também significa “vento”. Jesus faz um trocadilho com essas duas acepções da palavra em sua conversa com Nicodemos: Nascer da água e do espírito... por que ovento sopra onde quer... Portanto, há novamente um trocadilho aqui feito por João com a palavra Espírito Santo como sendo o vento que separará a palha do trigo. 

Jesus mesmo afirmou que veio trazer julgamento, julgamento no sentido de julgar algo para distinguir, separar. “Jesus então prosseguiu: Eu vim a este mundo para julgamento, a fim de que os que não veem vejam, e para que os que veem se tornem cegos.” João 9:39 [AS21] 

Todos nós usamos os termos trigo e joio para designar o crente e o falso crente. Não são poucas as vezes que a Bíblia utiliza o termo palha para referir-se ao incrédulo. O Salmo 1 é um bom exemplo. Encontramos também Jesus dizendo que havia um lugar onde o “fogo não se apaga”. Não há a descrição de outro lugar senão do inferno como o lugar de fogo que nunca se apaga: “E se a tua mão te fizer tropeçar, corta-a; pois é melhor entrares na vida defeituoso do que, tendo duas mãos, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga.” João 9:43 [AS21] 

Considerando todas essas analogias entendemos que Jesus separará o trigo (crentes) da palha (não crentes) através do joeirar. Ele tem a pá na mão e batizará sua colheita com o Espírito Santo, o vento que separará o trigo da palha. O trigo, ele recolherá em seu celeiro, mas a palha, que para nada serve, ele jogará no fogo onde há dor e ranger de dentes. 

Concluímos que o fogo deste texto nada tem que ver com o fogo mencionado no pentecostes. Nós, os batistas, somos batizados com o Espírito Santo e damos graças a Deus por isso. Não falamos em línguas, é verdade; mas o Reino não é feito apenas do falar em línguas. Há melhores dons do Espírito como Paulo mesmo disse... E que o fogo mesmo fique só para queimar a palha, que não alcançou a misericórdia de Deus por meio da fé naquele que tem a pá na mão e está pronto para joeirar o seu trigo: Cristo Jesus. 

Autor: André R. Fonseca
www.andreRfonseca.com
Twitter: @andreRfonseca
Fonte da imagem: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Madurai_Dalit_village_2.jpg

DMCA.com 

Bibliografia de consulta 
A Bíblia à luz da história - Guia de exegese histórico-crítica. Odette Mainville / Edições Paulinas 
Dicionário da Bíblia Almeida / Sociedade Bíblica Brasileira – 2ª Edição 
NTLH – Nova Tradução na Linguagem de Hoje 
AS21 – Almeida Século 21 


0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.