Angela Natel On domingo, 19 de agosto de 2012 At 07:10

"A igreja se tornou um supermercado distribuindo alimento espiritual insignificante para os que nela entram. O sermão do pastor é uma pequena ‘promoção da semana’ oferecida aos clientes com um mínimo de compromisso”. (Jon Johnston - especialista em igreja e negócios)

A igreja tem se preocupado em dar às pessoas o que elas querem, e não o que elas necessitam. O interesse maior é de ter muitos membros satisfeitos por não terem de se comprometer e que garantam uma boa arrecadação todos os meses.

Mas a igreja não deve ser um supermercado! Não deve apresentar promoções ou ofertas especiais! A igreja é formada por homens e mulheres que foram lavados no sangue do Cordeiro e que tiveram suas vestes branqueadas para se tornarem luz do mundo e sal da terra. A igreja não existe para impor sua vontade e interesses, mas para submeter-se à vontade do Senhor e para representá-Lo em santidade e fidelidade entre os moradores da terra.

Aqueles que passam pela igreja (e a igreja somos nós) estão ansiosos por verem algo diferente. Estão cansados de mentiras, de orgulho, de vaidade, de mesquinhez, de escárnio e de egoísmo. Já experimentaram quase todas essas coisas e de nada lhes adiantou. Não querem ver isso na igreja, no povo chamado eleitos do Senhor, no dia a dia dos filhos de Deus.

Vamos fechar o supermercado! Vamos apresentar Jesus Cristo, Senhor dos senhores e Rei dos reis. O mundo não precisa de um Evangelho de banca de ofertas e sim de vidas transformadas que sejam capazes de adorar ao Senhor em espírito e em verdade.

"Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem" (João 4.23).


Fonte: Assem-BERÉIA de Deus


http://libertosdoopressor.blogspot.com.br/2012/08/a-igreja-virou-um-supermercado-e-o.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.