Angela Natel On segunda-feira, 16 de julho de 2012 At 09:02







Há muito tempo permiti que a vida acendesse em mim a centelha da justiça. Com isso, passei então há observar o que estava de errado para que eu pudesse ser um denunciante das coisas erradas (Jr 51:20). Fazer isso por muito tempo preencheu meu tempo, minha espiritualidade e meu senso de justiça. Com o passar do tempo me tornei um verdadeiro juiz do mundo, e me tornei alguém que o mundo geralmente tem aversão: um perverso juiz.

Mas como eu poderia me calar quando pessoas são enganadas por Malafaias, Macedos e Santiagos? Como eu poderia silenciar quando as ovelhas do Senhor vão sendo alimentadas com pastagem danosa á suas vidas? O mundo precisa de profetas como Jeremias que á porta do Templo pronunciou o oráculo de Javé sem temer uma represália de seus compatriotas (Jr 7) - dizia eu segurando o meu Anel do Poder¹. Assim eu me enxergava.

No entanto, percebi que desde o início da Igreja, sempre houveram desvios de conduta bíblica, distorção de textos para justificar doutrinas, engessamento teológico e grupos que fizeram uso das Escrituras para justificar suas práticas e, acredite, obter lucros. Os negros e índios que foram denominados como pessoas sem alma que o digam, quando o mercado escravagista encheu os cofres ingleses, que eram... cristãos! Sempre houveram escândalos.

Preocupado com os pequenos, com o pequeno Jacó ², Jesus diz que todos aqueles que fazem pequeninos errar, iriam prestar contas com o próprio Deus. Antes anunciar isso, Ele diz que aos pequenos deveríamos acolher e que "o que recebe em meu nome a um menino como este, é a mim que recebe" (Mt 18:5). Ele pede que cuidemos de suas ovelhas e dar atenção especial para as menores, ou seja, os mais novos na fé.

Ai do mundo por causa dos escândalos! Eles são inevitáveis, mas ai do homem que os causa! Mateus 18:7

Em momento algum Jesus pede que fiquemos gritando contra as loucuras dos loucos. A nós é dada a tarefa do amparo, do direcionamento espiritual daqueles que não conseguem se defender. É uma tarefa nobre e acredito que deve ser feita por pessoas vocacionadas e não pelas que aparentam serem mais capacitadas. Conheço muita gente capacitada que não suporta o cheiro de ovelha. Uma pena isso.

Não estou dizendo que devemos nos calar diante as pessoas que julgamos estarem agindo de má-Fé. Bem disse Edmund Burke: "Para que o mal triunfe basta que os bons fiquem de braços cruzados". O que motivou-me a parar com essa síndrome de Justiceiro, que até mesmo nos quadrinhos³ é tido como um anti-herói, foi a ausência de amor em meus atos.

Tal síndrome nada tem haver com o Movimento Profético. O Movimento Profético denunciava os erros do povo, mas sempre (sempre!) havia amor em suas palavras. Jeremias foi repreendido pelo Senhor pois clamou por misericórdia pelos pecadores. E muito que vejo nas denúncias dos profetas modernos são deboches sem limite e sem amor pela causa. Diferentemente do Movimento, os novos profetas não chamam os errantes ao arrependimento, antes gastam tempo, tempo este que melhor seria usado no cuidado de pessoas, com rixas que não freiam os erros dos que eles atacam. "Sem amor de nada valem essas coisas"...

Eu já fiz isso muito. Talvez tenha algo no histórico do meu blog que demonstre isso. Agora eu pergunto: qual tele-evangelista ou falso-pastor deixou de cometer seus erros mediante as nossas ofensivas? Nenhum...

O meu sangue ferve ao ver políticos usando o tempo de serviço que deveriam nos prestar, escutando cantores gospel na Câmara dos Deputados ou uma boçalidade gospel ser motivo de zombaria⁴. Mas decidi investir meu tempo em cuidar de pessoas. Pela Fé sei um dia iremos prestar contas á Deus. Nossos atos bons e maus, até mesmo nossos atos de justiça: "todas as nossas justiças como trapo da imundícia" (Is 64:6). É o velho e conhecido versículo "quem pensa estar de pé veja que não caia" (1 Co 10:12).

O que devemos fazer então? Devemos instruí-los! "Ensina à criança o caminho que ela deve seguir; mesmo quando envelhecer, dele não se há de afastar" (Pv 22:6). Paulo Freire é um dos exponentes da Teologia da Libertação. Ele é considerando um dos poucos que realmente conseguiram implantar os ideais da TL. E o fez pela via do ensino. Se ensinarmos as ovelhas do Senhor a pensar, não precisaremos denunciar os loucos que seguram microfones trajados de terno. Elas mesmas saberão se defender. Foi por falta de conhecimento⁵, disse o Senhor, que o povo sofreu nos dias do profeta Oséias. E o culpado eram os sacerdotes, aqueles que deveriam orientar o povo.

"Se a educação sozinha não pode tranformar a sociedade, tampouco sem ela a sociedade muda." Paulo Freire

Nossa esperança é de que "a misericórdia e a verdade se encontrarão; a justiça e a paz se beijarão" (Sl 85:10)

¹ - O Anel de Sauron, ou Anel do Poder (como também é referido) é um dos 20 anéis descritos nas obras de J. R. R. Tolkien, O Senhor dos Anéis, O Hobbit e O Silmarillion.
² - O profeta Amós faz alusão aos pobres que não poderiam sobreviver á ira do Senhor, dizendo: "Como poderá resistir Jacó, sendo ele tão pequeno".
³ - http://pt.wikipedia.org/wiki/Punisher
⁴ - Refiro-me a faixa que, provavelmente, foi pendurada do lado de fora de uma igreja e divulgado pelo site Kibeloco.
⁵ - Oséias 4:6

Publicado em http://www.merocristianismo.com/2012/03/sindrome-de-justiceiro.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.