Angela Natel On sexta-feira, 22 de junho de 2012 At 06:47

Explicações – possessão
Influência satânica sobre os cristãos
            Lc.4:2; 2 Co. 12:7; Ef. 6:12; Tg.4:7; 1 Pe. 5:8
            ‘Daimonizomai’ (grego) – demonizado
Nenhum dos habitados por demônios poderiam ser considerados cristãos no sentido do NT – o Espírito Santo ainda não tinha descido como em Pentecostes.
No NT estamos lidando com demonização aguda e exorcismo. Ocorre conflitos de poderes, mas nunca de igual para igual.

Argumentos a favor:
- Romanos 6
- a tendência para o pecado continua dentro do cristão após a conversão
- Ef.4:27; 1 Tm.3:7; 2 Tm.2:26
- Imagem do Templo
- At. 10:38 – Judeus da Velha Aliança dominados por espíritos malignos.
- 2 Co.10:4 raciocínios de incrédulos contra o cristianismo.
- Impulsos pecaminosos.
- Cômodos diferentes de uma casa (Esp. Sto e demônios)

Argumentos contra:
- Mutuamente exclusivos – Esp. Sto e demônios;
- demônios de batalha espiritual são obras da carne, não demônios.
- não há casos na Bíblia.
- não se fala em libertação após a conversão do povo de Éfeso.
- a idéia da habitação de demônios em pessoas não vem da Bíblia, mas de experiências, levando à formulação de novas doutrinas.


Avaliação:
Demônios, mundo e carne querem nos controlar.
Há níveis de influência demoníaca. Todos sofremos tentações, mas nem todos abrem espaço, ou até convidam os demônios para fazer parte da sua vida.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.