Angela Natel On quinta-feira, 7 de junho de 2012 At 08:18
Macumba Evangélica
Em Hebreus 11:1 está escrito: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem”. Como podemos ver no versículo anteriormente citado, ter fé não significa crermos em algo que possamos ver; pelo contrário, fé é sabermos que Deus existe, mesmo sem podermos vê-Lo. Quem tem fé, não necessita ver a Deus para crer Nele. Com base em tudo isto, podemos chegar a seguinte conclusão: NÃO NECESSITAMOS DE ALGO MATERIAL E PALPÁVEL PARA TERMOS FÉ, POIS, FÉ É CRERMOS EM ALGO INVISÍVEL AOS NOSSOS OLHOS – NÃO VEMOS A DEUS, MAS CREMOS QUE ELE EXISTE.
Em Romanos 10:17 está escrito: “Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo”. Este versículo demonstra qual é o instrumento utilizado por Deus para despertar no coração humano: as Escrituras Sagradas, pois, a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. Com base nisso, chegamos à outra conclusão: A PALAVRA DE DEUS É PODEROSA O SUFICIENTE PARA DESPERTAR A FÉ NO CORAÇÃO HUMANO. NÃO NECESSITAMOS DE “OBJETOS UNGIDOS” PARA QUE A FÉ DE ALGUÉM POSSA SER DESPERTADA.
Em Isaías 42:8 está escrito: “Eu sou o Senhor; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não a darei, nem o meu louvor às imagens esculpidas”. Observem, irmãos em Cristo, Deus não divide a glória Dele com ninguém, pois, somente Ele é digno de ser glorificado. O homem pode ser honrado e exaltado, mas somente Deus é digno de ser glorificado: Ele é o Senhor. Deus não admite que o louvor, que deve ser dado somente a Ele, seja direcionado a objetos ou a imagens esculpidas. Daí, atribuir glória a um objeto, seja ele qual for, está errado, pois, todo poder e glória pertencem somente a Deus. NÃO EXISTE ESTE NEGÓCIO DE AMULETOS, TALISMÃS OU “OBJETOS UNGIDOS” QUE SOLUCIONAM PROBLEMAS ALHEIOS; ISTO É UM ÊNGODO, PARA NÃO DIZER UM GRANDE PECADO.
Em Atos 19:11-12 está escrito: “Deus fazia milagres extraordinários por meio de Paulo, tanto que as pessoas pegavam lenços e aventais e os levavam para os doentes tocarem” (NTLH). O versículo acima nos permite, ao menos, chegar a cinco conclusões:
1 – Quem fazia os milagres era Deus e não os lenços e aventais usados por Paulo “…Deus fazia milagres extraordinários…”
2 – Paulo não distribuiu os seus próprios lenços e aventais, foram às pessoas que pegaram estes lenços e aventais. O apóstolo Paulo nunca fez apologia aos chamados “objetos ungidos”.
3 – O apóstolo Paulo não cobrava pelos lenços e aventais, nem tampouco pelos milagres realizados por Deus através dele.
4 – Paulo não atribuiu poderes miraculosos aos seus lenços e aventais; era Deus quem operava os milagres.
5 – este fato não constitui uma doutrina a ser seguida; Deus, através deste episódio, não está nos ensinando a buscarmos “objetos ungidos” sempre que tivermos um problema: A FÉ TEM QUE ESTAR VOLTADA A DEUS E NÃO A UM OBJETO QUALQUER.
Infelizmente, amados irmãos, a realidade de grande parte das igrejas evangélicas brasileiras é muito preocupante. Falsos pastores estão se apoiando em textos bíblicos isolados, fora de contexto, para “justificarem” o comércio de uma grande lista de bugigangas, que a meu ver, não passam de MACUMBA EVANGÉLICA, tais como: água ungida, cajado ungido, caneta ungida para passar em concursos públicos, lenço ungido, martelos, meias, chaves ungidas, água do rio Jordão, azeite ungido e etc, etc, etc… Todas as supostas facilidades obtidas através destes “objetos ungidos” está levando a igreja para longe da presença de Deus, pois, permite:
- a exploração financeira, obtida através do desespero de quem necessita de uma cura, libertação ou uma benção da parte de Deus, pois, toda esta macumbaria sai caro: recentemente, um líder de uma das igrejas evangélicas no Brasil, ofereceu uma “água ungida”, que segundo ele, um só pingo desta água resolveria todos os problemas da vida de uma pessoa. O detalhe mais importante a respeito disto é que se alguém quisesse adquirir esta “água ungida”, ela teria de desembolsar o valor de mil reais. QUE EXPLORAÇÃO DESCABIDA DO DESESPERO HUMANO…QUE ABSURDO.
- Analfabetismo espiritual, pois, os cristãos estão aprendendo a honrar mais a criatura (cajados, lenços, etc) do que o Criador.
O engraçado em tudo isto é que o apóstolo Paulo nunca cobrou pelos seus lenços e aventais, nem tão pouco pelos milagres realizados através dele; já os “ungidos do Senhor” (pastores, bispos, apóstolos) cobram e cobram caro pelos seus “objetos ungidos e abençoados”.
Tudo isto é uma vergonha. O pior de tudo isto é o seguinte: criticamos com tanta avidez os católicos por causa dos seus crucifixos, mas, na realidade, estamos fazendo muito pior do que eles. Eu não tenho nada contra os católicos, que isto fique bem claro…eu somente quero salientar a HIPOCRISIA de muitas igrejas evangélicas, que criticam o crucifixo dos católicos, mas acabam adotando objetos muito piores, como meias ungidas…é isso mesmo, meias ungidas.
Será que o povo evangélico no Brasil não consegue enxergar ou não enxergam por que não querem? Será que a igreja evangélica brasileira (ao menos grande parte delas) escolheu honrar mais o homem (pastor, bispo, apóstolo) do que a Deus?
Esta macumbaria evangélica dentro da igreja tem que acabar… Até quando este “tristemunho” vai continuar? Desperta igreja… Chega de tanta passividade… Está na hora de darmos um bom testemunho, exigindo a pureza doutrinária por parte de nossos pastores. Ou eles mudam de atitude ou teremos de escolher de pastores… do jeito que tá não dá para continuar…
Pensem em tudo que eu escrevi neste estudo e tire as suas próprias conclusões… Que Deus os abençoe e até o próximo estudo.


0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.