Angela Natel On sábado, 2 de junho de 2012 At 09:12

Inicialmente temos que esclarecer o que se entende por salvação pela fé, ou salvação pela fé somente. A "fé" até pode ser entendida quase como "obras". Alguém poderia afirmar: "Eu tenho muita fé e por causa da minha muita fé eu sou salvo". Outra pessoa, contrapondo poderia afirmar: "Você tem apenas fé, mas eu tenho fé e obras".

Temos que deixar claro que a fé não salva ninguém, apesar de todos nós (eu também) falarmos que somos salvos pela fé.

Vamos usar de um exemplo. Imaginemos uma sala completamente escura. Do lado de fora há uma energia tremenda, mas as lâmpadas dentro estão apagadas e frias. Então alguém clica no interruptor e a sala se ilumina. As lâmpadas se ascendem, transmitem luz e calor. O que foi que ascendeu as lâmpadas? O clicar do interruptor? Não! Foi a energia elétrica que estava lá fora nos fios que, agora, chegou às lâmpadas. Todavia o meio da energia chegar às lâmpadas foi o clicar da chave do interruptor.

Aplicando à fé e à salvação: o que salva uma pessoa? É a fé? Não! A fé é apenas o clicar da chave que nos une ao Salvador. Quem salva é Jesus, mas a maneira de experimentarmos a salvação de Jesus é pelo "clicar da chave" da fé. Quando cremos em Jesus, quando entregamos nossa vida a Jesus, ele entra em nossas vidas, sua vida torna-se nossa vida, seu Espírito passa a habitar em nós. De pessoas frias, mortas, sem luz, sem calor, passamos a ter a vida de Deus em nós.

Portanto, quando falamos da salvação unicamente pela fé, com o entendimento correto, estamos dizendo que somos salvos unicamente pelo Senhor Jesus. Que ele é o único que nos salva da perdição, que ele é o único que nos dá a vida eterna. Veja, se alguém afirma que uma pessoa é salva pela fé com o acréscimo das obras pessoais, esta pessoa está dizendo que Jesus salva a pessoa apenas parcialmente, não totalmente. Jesus salva em parte, mas para ser totalmente salvo é preciso de sua parte praticar boas obras. Se uma pessoa crer em Jesus como seu Salvador ela ainda não está realmente salvo. Ela ainda tem que fazer a parte dela. Se não fizer a sua parte em boas obras, ela, mesmo tendo entregue sua vida a Jesus, vai acabar indo para o inferno.

Como esta concepção surge uma situação de completa insegurança. Vamos só imaginar, que você creia assim. Você aceitou Jesus como seu Salvador pessoal, mas você ainda crê que para ser salvo definitivamente, você precisa praticar boas obras. Quantas? Todos os dias? Que quantidade de boas obras? Quais boas obras? E se hoje você não praticou boa obra nenhuma e você morrer irá para o inferno? Você pode imaginar o estado de intranquilidade de uma pessoa que crê que, para ser salva, precisa acrescentar suas próprias obras à obra de Cristo feita na cruz?

Mas, graças a Deus, não é assim. Jesus nos salva completamente. Crendo em Jesus somos salvos pela graça sem a necessidade do acréscimo de nenhuma obra de nossa parte. No céu ninguém, jamais, irá dizer: "Eu estou aqui porque além do sacrifício de Jesus para minha salvação, eu fiz muitas boas obras que me fizeram digno de ser salvo". Jamais! A glória será toda de Jesus. Todos os que um dia estiverem no céu irão dizer: "Eu não merecia estar aqui, mas fui salvo pela graça, apenas pela graça de Jesus!" Eu coloco aqui uma música de Asaph Borba que expressa isto de forma maravilhosa.

Quando terminar esta vida e lá no céu eu chegar
Haverá uma multidão de irmãos
Esperando prá me abraçar, e perguntarão a uma voz
Voltados para mim, Oh conta-nos como você irmão
Venceu e chegou aqui.

E falarei, e cantarei de Jesus que me salvou
Que por este pecador a si mesmo se entregou
Foi graça, graça, super abundante graça
Graça, graça, preciosa e doce graça
Foi graça irmão, Graça irmão, Eu vos digo que foi assim
Foi só pela graça de Jesus Que eu venci e cheguei aqui.

Mas, agora, onde entram as boas obras? Elas entram como resultado da fé, isto é, como resultado na experiência salvadora com Jesus Cristo. Veja, quando a lâmpada apagada e fria é perpassada pela energia elétrica ela se ilumina, transmite luz e calor. Se continuasse apagada e fria o que diríamos? Que algo de errado está acontecendo com a chave, pois a lâmpada continua "morta", apagada, sem luz e sem calor. Da mesma forma se uma pessoa diz que tem fé (que clicou a chave), mas continua apagado, sem vida, sem luz, sem calor, sem nada que mostre uma nova vida em Jesus o que devemos dizer? Algo está errado com a fé desta pessoa, pois nada resultou na sua vida.

É isto que Tiago diz. Veja: "A fé, se não tiver obras, por si só está morta" (2.17), "Assim como o corpo sem espírito é morto, assim também a fé sem obras é morta" (2.26). A fé que de alguma fora não se manifesta em obras é "morta", isto é, não existe, não é real. A fé real em Jesus, a experiência real de conversão a Jesus, sempre se manifesta de alguma maneira. Tiago citou o exemplo de Abraão que ofereceu Isaque, de Raabe que acolheu aos espias, do irmão que manda embora o necessitado com boas palavras, mas com mãos vazias. As obras são a demonstração de que a fé é real. Tiago afirma: "Eu, com as obras, te mostrarei a minha fé" (2.18). Foi o que você também colocou: "A fé não tem que ser demonstrada pelas obras, assim como fala Tiago". Mas insisto em afirmar que fé, neste sentido, é a experiência salvadora real com Jesus, não fé entendida como confiança em Deus nas circunstâncias da vida.

Portanto as obras são o resultado da experiência salvadora com Jesus e não o caminho para sermos salvos.

Lembro-me de uma experiência anos atrás numa igreja que pastoreei. Um pregador convidado afirmou que um rico não seria salvo se não usasse seus bens para ajudar aos pobres. Num certo momento falei com ele e lembrei o texto de Paulo aos Gálatas que afirmou que se alguém pregasse outro evangelho, seria anátema, maldito. Perguntei qual era aquele outro evangelho? Era o ensino de que para a salvação havia a necessidade de se crer em Jesus, mais a circuncisão. Jesus e mais alguma coisa. Ele estava ensinado que a salvação vem por Jesus mais dar bens aos carentes. Depois, na sequência das palestras, ele arranhou uma explicação melhor. Veja, se ele tivesse dito que não criar na salvação de um rico até que repartisse bens com os pobres, a afirmação poderia ser aceita, pois a dádiva aos carentes seria resultado da salvação e não meio e caminho para ser salvo. A salvação é apenas por Jesus e não Jesus mais alguma coisa, as obras, por exemplo.

Esta é a colocação de Tiago na sua carta. A fé real se mostra de alguma maneira, caso contrário, se não muda nada, se não provoca nada na vida de quem diz que tem fé, ela é morta.

Foi um pouco longo, mas espero que tenha ajudado. Qualquer pergunta a mais, tenha a liberdade de fazê-la.


Fred Bornschein

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.