Angela Natel On sexta-feira, 1 de junho de 2012 At 07:14




Por Marcello Vieira

O quê é escandalizar?

Sempre tentei compreender o dogma do escândalo. Desde que me aventurei a conviver entre os evangélicos, fui bombardeado com um novo idioma - um novo dialeto. Dentro desse universo passei a ouvir constantemente a expressão - escândalo e escandalizar. Os alertas eram muitos para não escandalizar ninguém, principalmente os irmãos. Em muitas situações, me parecia que o simples fato de desagradar alguém com algum comportamento seria um escândalo. Usando Lucas 17.1, me mostravam como Jesus reprovava os escândalos e como a pena é severa para esse delito – afogar-se no mar com uma pedra amarrada no pescoço!  Jesus é amor, mas às vezes ele é meio intolerante – pensava eu.

As afirmações e interpretações a respeito do escândalo são tantas que tenho a impressão que para muitas pessoas, essa palavra tem vários significados e pode até mesmo passar por uma metamorfose em certas circunstâncias. Dentro da nossa cultura ocidental, segundo o dicionário da língua portuguesa, escândalo é:

Coisa indecorosa, contrária aos bons costumes.
Estado de perplexa indignação suscitado por palavra ou ato reprovável: com grande escândalo do auditório.
Procedimento desabrido que causa vexame ou constrangimento; altercação, querela; algazarra, tumulto: dar escândalo em público.
 Dicionário Online de Português

Porém, sabemos que devemos ler as Escrituras Sagradas sob a luz da hermenêutica e da exegese.

Então, levando em consideração que Lucas foi escrito em grego e levando em consideração as circunstâncias em que Jesus pronunciou essas palavras, a interpretação contemporânea não traduz o significado de escândalo na pronuncia de Jesus. E se isso é verdade, todo o dogma criado em cima do conceito popular evangélico sobre escândalo está equivocado.
Partindo do significado original grego de que escândalo (skandalon) é um obstáculo, é de se pensar que o ato de escandalizar tem muito mais haver com um ensino do que com ato, comportamento ou cultura de alguém.

Ou seja, escândalo é uma coisa, chocar o seu preconceito é outra totalmente diferente. Pare de usar Jesus para corroborar o seu desejo por singularidade e sua incapacidade de viver em pluralidade.

Quando Jesus disse que os escândalos seriam inevitáveis e que coitados seriam aqueles por quais esses escândalos viessem, penso que ele estava se referindo muito mais a ensinos que obstruiriam as pessoas de chegarem até Deus do que de comportamentos. Principalmente quando vemos que antes dessa afirmativa, o Messias vinha fazendo uma dura crítica aos fariseus, que eram os mestres de ensino da época.

Lembro-me do bispo Walter Maclister falando sobre a banalização do sacramento. Acredito que essa banalização foi aplicada ao escândalo, o quê é de fato, extremamente nocivo às pessoas. Penso que isso seja fruto da arrogância das pessoas que sempre tentam usar a bíblia para corroborar seus achismos e ponto de vista.

Com isso, vemos as pessoas usando a expressão escandalizar para imputar sobre os outros suas normas de comportamento e gostos pessoais, tornando-se comum ouvir irmão exortando outro irmão sobre vestimentas, culturas, gostos musicais e hábitos culturais sob o juízo do escândalo.

Será que os jovens tatuados na igreja, de brinco e piercing são um obstáculo para que os anciãos alcancem a salvação?  

E os irmãos mais contextualizados culturalmente, também seriam um entrave para a salvação dos mais tradicionais? E vice versa?

É óbvio que não! O quê eles são, no máximo, é um choque cultural! Um abalo sísmico no preconceito e nas predefinições.

No Antigo Testamento, Deus sempre se referiu ao escândalo como um obstáculo para se chegar até a Ele. O próprio Cristo foi chamado de Rocha de escândalo, pois ele foi um obstáculo para a salvação dos judeus.

Paulo afirma: Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. 1º Co 1.23

O próprio Jesus adjetivou Satanás como um escândalo, um obstáculo, quando usou a boca de Pedro para tentar impedi-lo na conclusão de sua obra.

“Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens”.  Mateus 16:23

Existe muita gente sendo defraudada em sua liberdade em Cristo por conta de uma compreensão errada sobre que o quê é escandalizar alguém. É impossível agradar a todos. Chocar preconceitos não é escandalizar.

Viva sua liberdade em Cristo trazendo na sua mente a seguinte consideração quanto as suas atitudes e ensinos: "Será isso um obstáculo para a salvação de alguém ou apenas um tremor inevitável do convívio entre seres humanos diferentes e plurais"?

Pense melhor em continuar banalizando esse vocábulo que carrega em si uma grande responsabilidade. Penso ser essa a lente correta para ler-se escândalo nas Escrituras.

Deus abençoe!

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.