Angela Natel On domingo, 10 de junho de 2012 At 07:10


Esses são dias onde os títulos são mais valorizados pelas pessoas do que o seu realvalor enquanto pessoas. É a velha sentença "TER > SER". Existem pessoas que ao serem perguntados por seus nomes, empostam a voz para dizerem que são o doutorvereador,desembargadordelgado ou pastor, Fulano de Tals.

Nos grupos religiosos cristãos, especificamente oriundos do evangelicalismo brasileiro, isso é algo bem comum. Muitos são os pastores, reverendos, bispos, mestres, apóstolos, patriarcas e em breve, antevejo, semi-deus. E não ouse chamar um bispo de pastor ou será repreendido por não respeitar a hierarquia eclesial blábláblá.

Não preciso dizer que tais títulos são apenas um modo de intimidar as pessoas mediante a uma unção. É como alguém que é parado em uma blitz de trânsito e apresenta sua identificação governamental para ser liberado. É claro que muitos dos líderes religiosos cristãos são bons homens que não impõe respeito pela sua titulação, antes são bons homens seguidores de Cristo. Mas não poucos são os que usam de títulos para demonstrarem aos seus ouvintes o quão importantes, entenda-se ungidos, são.

Num mundo onde os títulos são mais importantes do que nosso real valor diante de Deus, o cristão é chamado a abrir mão de todo e qualquer título que lhe credencie comoautoridade sobre os demais. Pois assim serão mais parecidos com Jesus que nunca usou de sua autoridade para obter vantagens ou intimidar alguém, fosse este o Diabo, ou os soldados romanos ou Pilatos (Mt 4; 26; Jo 19).

Brennan Manning em seu livro O Impostor Que Vive Em Mim, faz a seguinte afirmação: "Se fizéssemos a seguinte pergunta a João: Qual a sua identidade primordial, sua percepção mais corrente a respeito de si?, ele não responderia: Sou discípulo, apóstolo, evangelista, mas: Sou aquele a quem Jesus ama". No Evangelho de João a sentença "a quem Jesus amava", aparece se referindo a João. Essa era a sua identidade. Esse era o modo o qual ele queria ser conhecido pelo mundo.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.