Angela Natel On terça-feira, 22 de maio de 2012 At 08:29
respeitoaoateu
   Não sou de discutir com os ateus — é um direito deles que se recusem a crer em qualquer coisa que se relacione ao Senhor Deus e, uma vez avisados, que assumam as consequências por suas opções (pois seu sangue não clamará em minhas mãos) — acho muito ruim quando uma pessoa (tentando ser “cristã”) fica funhenhando a paciência de alguém (não apenas os ateus!), querendo enfiar sua fé goela abaixo de quem quer que seja!
   A própria Bíblia ensina:
   “Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o, Sabendo que esse tal está pervertido, e peca, estando já em si mesmo condenado.” (Tito 3:10-11)
   Até pouco tempo atrás, costumava ficar muito indignado quando um ateu (ou qualquer um com outra crença… ou descrença…) vinha com aquele papinho acusativo sobre os cristãos e as cruzadas, os horrores da inquisição… sempre via nisso uma tentativa de se fazerem de vítimas…
   Caramba! Esses episódios foram causados por conta de homens corruptos e gananciosos, baseados em interpretações errôneas e deturpadas de passagens bíblicas: é altamente improvável que nos dias de hoje apareça algum ser tapado que não compreenda os fatores cronológicos e específicos inseridos no texto bíblico… ou não?
   Mantenho firme meu propósito de não me repetir, ou seja, não creio ser necessário criar uma postagem apologética a cada “passinho do endemoniado” ou “dízimo e oferta” que apareçam (vindas do inferno, por inspiração de Mamom!): já escrevi “Possessões”, já publiquei um estudo exaustivo sobre os dízimos!!! Não quero agir como um conhecido satanista que, para aumentar sua própria audiência, dá destaque a esse tipo de material…
   Estou calado por esses dias e ando me arriscando apenas a comentar e postar notinhas lá pelos domínios do facebook (já curtiram minha página??)… e foi justamente por lá que eu levei um verdadeiro susto: lembrando que é fundamental compreender a cronologia bíblica, vou proteger a identidade dos participantes e inserir alguns comentários entre as imagens, pois creio que só mostrando o que aconteceu vou conseguir me fazer entender.
   Tudo começou quando uma pessoa postou a seguinte imagem:
578988_169024363222968_134954679963270_235709_1162615123_n
   Eu, que tenho por hábito sempre consultar a Bíblia para comprovar se as coisas são mesmo como querem que engulamos (culpa de Atos 17:11…), descobri a propagação de um engano através disso e tentei advertir acerca da deturpação, seguindo-se o seguinte diálogo:
discuss01
   Notem que a autora, sem razão aparente, adicionou a questão “Autoridades” a partir de seu segundo comentário, ou seja, além do perceptível incômodo por ser admoestada, começou a criar o que chamo de “bolo doido”, citando diversos chavões (frases de impacto, extraídas da Bíblia, mas sem preservar seu contexto) sem observar se estariam adequadamente encaixados na ideia apresentada.
   Por exemplo, “feliz é a nação cujo Deus é o Senhor” (e não “quando Deus”, conforme escrito por ela), dentro de seu contexto original é:
   “Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual escolheu para sua herança.” (Salmos 33:12)
   Ora, esse é um dos chavões mais citados pelos evangeligóspeis através dos tempos, mas é uma passagem definitivamente restritiva, pois a ÚNICA nação cujo Deus FOI o Senhor… é Israel, assim como “o povo ao qual escolheu para sua herança” — sendo essa uma passagem em Salmos, a referência de “herança” é uma promessa acerca de Jesus Cristo — obrigatória e exclusivamente o povo judeu!
   Se mesmo na época da Lei haviam os desvios em Israel, fica meio óbvio que, no sentido geopolítico, nenhuma outra nação do mundo teve PLENAMENTE o Senhor como Deus… e a cada dia essa rebelião vai apenas se intensificar (vejamSalmos 2)!
   Na intenção de esclarecer com rapidez o assunto acrescentado (autoridades), cometi a idiotice de indicar um link a ele relacionado, pensando que “discernimento” é coisa comum a quem lê a Bíblia… o diálogo a seguir prova que não:
discuss02
   A começar pelo absurdo de querer culpar a “falta de oração” pelo atual estado decadente do mundo — na verdade tudo o que estamos testemunhando é cumprimento profético, ou seja, a realização da vontade de Deus e, por acaso, registrada na Bíblia — a mulher ainda foi capaz de me acusar por estar “criando confusão” e, para piorar, diz que meu questionamento — que classificou como “julgamento carnal” — estaria “criando incredulidade”!!!
   Por favor, prestem bastante atenção em como ela se utiliza de termos bíblicos, proféticos e (aparentemente) cristãos — termos que eu próprio emprego regularmente — para negar tudo o que a Bíblia verdadeiramente registra… e faz isso em nome de um suposto “amor”, que (segundo subentendi) estaria faltando em mim…
   Acerca de julgamento e liderança, lembrando sempre que a medida perfeita de julgamento é a própria Palavra de Deus, há uma passagem que se encaixaria especialmente bem após esse episódio:
   “Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados. Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos deitarão no regaço; porque com a mesma medida com que medis, vos medirão a vós. E propôs-lhes também uma parábola: Pode porventura um cego guiar outro cego? não cairão ambos no barranco?” (Lucas 6:37-39)
   É assombroso testemunhar que, diante de um questionamento bíblico, surja uma acusação de “julgamento carnal”… quem é o cego nessa história?
   E foi nesse ponto que apareceu alguém (destacado em verde) que registrou um comentário importante acerca de como devemos interpretar a Palavra de Deus:
   O cristianismo não começou ontem e, sem dúvida alguma, tem toda uma história ao redor de sua evolução: a Lei apresentou os tipos do que viria a ser estabelecido na Graça, tendo sido a primeira cumprida em Jesus Cristo e, por isso, TODOS os seus preceitos com referência jurídica ou ritual não têm mais absolutamente nada a ver com os gentios que, por sinal, somos nós! Se alguém quer retornar à Lei, não pode selecionar apenas a parte dela que lhe convier… ou segue tudo ou saberá que está vivendo um grande engano (como é o caso dos dizimistas e dos sabatistas, por exemplo…).
   E ainda que conseguissem cumprir todas as exigências da Lei, tenho a árdua tarefa de informar que:
   “Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus. Porque, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, que são pela lei, operavam em nossos membros para darem fruto para a morte. Mas agora temos sido libertados da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da letra.” (Romanos 7:4-6)
   Se alguém não sabe discernir entre Lei e Graça, entre judeu e gentio… entre mandamento e pretexto… esse alguém não pode ser considerado um legítimo cristão, mas apenas um arremedo vergonhoso que finge pregar o evangelho, mas não passa de um recalcitrante à Bíblia!
   É sobre esses que versa a profecia acerca dos que “têm aparência de piedade, mas negam o verdadeiro poder de Deus”…
   Prossigamos observando o desenrolar da conversa:
discuss03
   Desculpem a provável indelicadeza, mas uma pessoa que é incapaz de reconhecer um desvio textual tão óbvio mal deve ter sido instruída em interpretação de texto e, pior, promove um testemunho ignorante e capaz de afugentar qualquer mente com um mínimo de raciocínio lógico!
   Um evangelho ignorante e teimoso como esse só vai convencer outros ignorantes a se tornarem teimosos, porém — pelo que pude perceber através dessa discussão — pessoas como essas podem passar a vida inteira com a Bíblia arreganhada diante de suas fuças e, ainda assim, nunca vão compreender o que ali está escrito!
   O mais incrível é que ainda foi mencionado o discernimento sobrenatural dado pelo Espírito Santo como se esse fosse o “fator emburrecedor” a ser obedecido, como se essa fosse a desculpa para o “cala a boca e não questiona” que ela vem, desde o início, tentando me impor: notem que absolutamente todas as acusações pessoais partem dela, diante da incapacidade de responder objetivamente a uma questão simples!
   É dessa forma que um cristão deve tratar a qualquer um que chegue para questionar sua fé? É a Bíblia um livro libertador ou, pelo contrário, promulgador do “cala a boca e obedece”?!?
   Vendo que a argumentação seria inútil, tentei partir para uma “terapia de choque” e mandei, conforme a imagem, o grito expositor da incompatibilidade entre o “público alvo” da passagem e ela que, obviamente, não foi transportada em cativeiro para sua atual cidade.
   A resposta a seguir é uma mostra de puro escapismo delirante e revela toda a inconsistência e invencionice às quais está submetido o chamado “evangelho moderno”:
discuss04
   Ao menos uma verdade dita por ela: não há deturpação na Palavra!
   Quem deturpa a Palavra são pessoas como ela, que tiram o texto de seu contexto original para criar pretextos para movimentos “bonitinhos” e “bem intencionados”, mas que, no final das contas, são completamente vazios de verdadeiro significado cristão.
   A inconsistência do discurso é tão absurda que os cativos — segundo a interpretação dela para os nossos dias: “os que não tem liberdade em Cristo Jesus” e que, portanto, NÃO ENTENDEM E NÃO CRÊEM na Palavra! — são convocados a orar por suas cidades, pois (segundo ela) “quem entende vai orar sim”…
   Ora bolas!!! Ou se é cativo ou não! Ou os cativos são os ímpios (que não entendem, por não ter fé), aos quais está destinada a seguinte advertência (que invalida qualquer oração proveniente deles):
   “Mas ao ímpio diz Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, e em tomar a minha aliança na tua boca? Visto que odeias a correção, e lanças as minhas palavras para detrás de ti.” (Salmos 50:16-17)
   Ou os cativos em questão são os judeus que, conforme explicitado na passagem, foram conduzidos em cativeiro até a Babilônia… não existe a mínima possibilidade de que tais cativos sejam genuínos cristãos gentios!!!
   Diante de tal lógica absurdamente óbvia, resta a ela se assumir então apenas como mais uma dentre a infinidade de gente que se acha cristã e, infelizmente, vive nas trevas… é para tais que foi escrito:
   “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.” (Mateus 7:21-23)
   Para piorar o atestado de cegueira espiritual, ela ainda foi capaz de criticar o ato de julgar, postura que é OBRIGATÓRIA PARA QUALQUER CRISTÃO!!! Mas, já quase convencido de que seria mais vantajoso estar falando para uma parede do que com aquela mente cauterizada, ainda fiz uma última tentativa antes de desistir completamente:
discuss05
   Me apiedo um pouco do comentarista que chegou por último (marcações em azul) e sentiu-se confuso, porém se fosse menos preguiçoso mentalmente (clicar na frase “Ver mais”, que aparece em azul sempre que algum comentário é mais extenso, seria útil, não é mesmo?) também seria capaz de compreender… mas eu já estava desgastado demais para tentar explicar mais alguma coisa a esse “confuso” de última hora: sim, me cansei!!!
   Lembrei da passagem que citei logo no início dessa postagem e decidi parar de falar, pois a exortação branda e lógica foi, para ela, como uma ofensiva discussão.
   Exponho a íntegra do diálogo a todos, pois aos que têm discernimento ficará óbvia a lição de como uma pessoa intelectualmente possessa é capaz de agir: criando confusão, deturpando a Palavra, inventando acusações, culpando quem está correto pelos erros que ela própria comete, considerando tudo o que não lhe agrada como “isso é opinião sua”…
   “Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.” (2 Pedro 1:20-21)
   A menção constante de uma suposta “fé sobrenatural” não encontra amparo bíblico para justificar uma “fé ignorante”: é gente como ela que assume um comportamento triunfalista, que participa das satânicas “marchas para gezuz”, que lota as empresas eclesiásticas de rituais místicos e de expectativas que, simplesmente, não vão se cumprir!!!
   É gente como ela que, dependendo da forma que for manipulada, vai abastecer seus líderes com trízimos; usar “óleos de unção”; cair com o “ventinho do Malafaia”; ouvir lixo musical gospel e ainda por cima dizer que “é benção”; apoiar os absurdos da apostasia ecumênica e depois dizer “importa que o ‘evangelho’ seja pregado”… iniciar uma guerra civil em nome de um mal interpretado “reino de deus” nessa terra e até praticar atos análogos aos que ocorreram na inquisição!
   É gente como ela que está preparada e ansiosa para entregar gente como eu aos tribunais e sinédrios…
   Depois disso posso dizer que compreendo, em parte, os ateus: se essa fosse a primeira vez que eu estivesse ouvindo algo acerca da Bíblia… provavelmente eu nunca iria aceitar o deus dessa mulher: se é gente como ela que se mete a discutir com ateus, só vai conseguir (pela imposição de sua latente ignorância) afastá-los de uma visão real e lógica do evangelho, dando a eles, no final das contas, a impressão de que todos os cristãos são uma gigantesca massa anencéfala!
   Senhor meu Deus… que vergonha!!!
   Dia desses vi um grande “pensador” cristão da atualidade querendo, através de sua retórica, qualificar qualquer um que prefira se denominar apenas como cristão de “anencéfalo”: pelo gosto e vontade dele — como se os termos “evangélico” e “protestante” estivessem registrados na Bíblia e “cristão” não — todos somos “evangélicos” e ponto final!
   Se gente como ela é azul, não quero ser azul. Se gente como ela é partidária, eu saio do partido! Se gente como ela é evangélica…  não posso negar ao Senhor Deus, mas, por favor… não quero ser encaixado nas mesmas denominações que ela!!!
   Não posso negar que ele tenha alguns bons textos publicados, mas se, por querer ser identificado apenas como cristão, alguém — que por alguns momentos se permitiu ser convencido pelo próprio umbigo — vai passar a me taxar como anencéfalo, prefiro então ser qualificado como “jumentinha de Balaão”!!!
   Fica aqui registrado meu protesto a favor da liberdade: seja cristão, seja protestante, seja evangélico… só não seja ignorante e manipulador da Palavra como o exemplo apresentado nessa postagem!
   O texto bíblico que me leva a tentar viver bem com todos não está no Antigo Testamento, mas é esse aqui:
   “Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.” (Romanos 12:18)
   Notem que está bem claro e logo no início: SE FOR POSSÍVEL!!!
   Se não for… escrevo uma postagem!
   Se ela tivesse apenas me ofendido, me ameaçado de morte, me chamado de feio ou ridículo — qualquer uma dessas coisas às quais já estou até acostumado — provavelmente até teria relevado, mas como ela concluiu a discussão convencida de que sua deturpação e seu comportamento trazem algum bem ao verdadeiro evangelho, aí tive que me preocupar: o engano dela pode levar ainda outros pelas mesmas veredas de ignorância e deturpação!!!
   Nada tenho pessoalmente contra essa pessoa e sinceramente considero esse episódio lamentável, mas a ordem é clara:
   “Todo aquele que vai além do ensino de Cristo e não permanece nele, não tem a Deus; quem permanece neste ensino, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz este ensino, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis.” (2 João 1:9-10)
   Resta alguma dúvida?
   Depois de toda essa decepção, no dia seguinte acabei indo parar numa cerimônia de crisma… na igreja católica!!!
   Mas isso é assunto para uma próxima postagem.
   “Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho, o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema. Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.” (Gálatas 1:6-9)
   Que o Senhor Deus preserve aqueles que O amam em espírito e em verdade dos males que se agigantam nesse mundo e seduzem os incautos.


Extraído de: Ponto Para Os Ateus! http://blog.teophilo.info/2012/05/ponto-para-os-ateus.html#ixzz1uZjo4mRh
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives


http://blog.teophilo.info/2012/05/ponto-para-os-ateus.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+teophilo+%28Este+Mundo+Jaz+no+Maligno%29#axzz1uZjOXqbw

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.