Angela Natel On sábado, 14 de abril de 2012 At 09:09



"7. Dizia, pois, João à multidão que saía para ser batizada por ele: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir?
8 Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, e não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai; porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão.
9 E também já está posto o machado à raiz das árvores; toda a árvore, pois, que não dá bom fruto, corta-se e lança-se no fogo.

10 E a multidão o interrogava, dizendo: Que faremos, pois?
11 E, respondendo ele, disse-lhes: Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos, faça da mesma maneira.
12 E chegaram também uns publicanos, para serem batizados, e disseram-lhe: Mestre, que devemos fazer?
13 E ele lhes disse: Não peçais mais do que o que vos está ordenado.
14 E uns soldados o interrogaram também, dizendo: E nós que faremos? E ele lhes disse: A ninguém trateis mal nem defraudeis, e contentai-vos com o vosso soldo". 
Lucas 3:7-14





Por Marcello Comuna


Frutos Dignos de Arrependimento


Nos dias de hoje a expressão "dar frutos" ou simplesmente "frutos", transformou-se em mais um substantivo usado para ostentação e até mesmo contra argumentação de muitos homens que não aceitam serem confrontados pela sã doutrina das Escrituras Sagradas. Hoje, temos os hereges famosos com muitos seguidores. Para esses, seus seguidores são os seus frutos, logo, suas obras e doutrinas são irrefutáveis e, qualquer um que os critique é filho do diabo ou um invejoso infrutífero. 

Porém, João deixa claro que o fruto tratado nas Escrituras são os frutos dignos de arrependimento. Os frutos são as atitudes dignas de uma pessoa arrependida de suas más obras, o fruto é a transformação do caráter. As consequências de uma pessoa transformada genuinamente por Cristo são as suas boas obras, mas a evidencia número um de um produtor de frutos dignos de arrependimento é sua transformação moral. E essa transformação passa pela compreensão do que foi feito na cruz. Nasce um constrangimento natural em ser útil para sociedade e viver corretamente. Pois, passa-se entender que na cruz foi feita a mais completa e perfeita reconciliação de toda história. Uma humanidade pecadora, imoral e cruel sendo reconciliada com um Deus santo, moral e bondoso. São coisas antagônicas e impossíveis de conceber dentro de uma razão lógica. Imagine dois seres humanos; um cruel, imoral e cretino. O outro bondoso, moralista e intelectual. Pense se poderia haver um convivência harmoniosa entre esses dois. Evidente que não! Para o homem é impossível ter paz com Deus, porém, o que foi impossível para os homens foi possível ao Eterno. Lc. 18:27.

Contudo, isso não deve ser motivo de vanglória. Deus suscita filhos das pedras. Há tempos as pedras estão clamando. Pessoas que não são cristãs muitas vezes tem dado um testemunho mais fiel do evangelho do que os próprios crentes. Paulo nos orienta sobre isso quando diz que judeu é aquele que tem as leis gravadas no seu coração. Romanos 2:29

Machado à raiz.

A irrelevância custará um preço muito maior do que já custa hoje. A indiferença dos bons, dos politicamente corretos, dos que fogem do conflito com medo de magoar o irmão, dos que sempre ficam em cima do muro, tem sido as rodas do trem da perversidade. Para que o mal triunfe basta que os bons não façam nada (Edmund Broke). Fé sem obras é mortas. 

Cristo é o único caminho para o céu e não há salvação fora d'Ele, assim cremos. Dizemos que temos Cristo, mas somos inúteis e egoístas sobre a face da terra. Tudo que fazemos é pensando nos nossos interesses. Olhamos para pessoas de outras religiões, para os materialistas, socialistas e pacifistas, e afirmamos que eles estão indo para o inferno porque negam Deus como salvador e baseiam sua evolução e salvação em avanço racional e melhorias humanas. Em certo ponto estamos corretos e isso deveria nos constranger ainda mais. Homens que estão indo para o inferno têm sido mais relevantes e amáveis com os mais fracos do que nós que estamos indo para o céu!

Eu prefiro estar no meio de um bando de revolucionários idealistas ateus praticando o bem, a caridade, o voluntariado, estando convicto da minha fé, me esforçando em oração e exemplos para converter seus equívocos teologicos e potencializar ainda mais os valores do Reino que já foram cravados pelo Criador em seus corações, do que estar entre um bando de "irmãos" irrelevantes, que só se juntam com virilidade para comerem pizza, jogarem paint boll, futebol, irem ao cinema ou fazer qualquer outra coisa que não lhe custem nada. 

Afinal, quem luta por justiça e pratica o bem está aplicando o evangelho do Reino de Deus.

Somos chamados para fazer muito mais do que colaborar com algum serviço no prédio da igreja. Pare de acreditar nessa mentira diabólica que te acomoda nessa zona de conforto satânica! O nosso Supremo Comandante falou sobre carregarmos a nossa cruz, sobre sermos ultrajados, cuspidos, mortos, e achamos que arrastar umas cadeiras, tocar na banda, servir a ceia ou qualquer outra atividade que façamos na igreja é por a mão no arado? Se pensamos assim, conhecemos um evangelho água com açúcar. O evangelho real é feito de carne, vinagre e sangue.

Dentro do prédio é o nosso descanso, o lazer, a comunhão com os irmãos, o parque de diversão. Nossa missão é lá fora! A sua missão é entre os endemoninhados, desesperançados, doente e miseráveis.

Que faremos pois? O mundo quer respostas.

O mundo quer respostas. Toda a humanidade espera a manifestação dos filhos de Deus. Eles esperam ver luz através de mim e de você. A luz que mais brilha é a luz do Amor. Seja amoroso. Ore a Deus todos os dias para que ele te inunde com seu amor. A igreja tem que trazer a Verdade como resposta, não simplesmente um conjunto de regras morais. Moralidade a maioria das religiões pregam. O evangelho não é uma religião. O evangelho é subversão. O evangelho é um vislumbre de um sistema perfeito que está para se instalado sobre a terra, onde não haverá mais lágrimas de dor. 

A resposta número 1 é o evangelho do Reino. A resposta número 2 é o evangelho da salvação. Reparta o bolo. Lembre-se que não foi o crime que aprisionou os ricos nos seus condomínios fechados, nos seus carros blindados e filmados. Foi o egoísmo.
Seja honesto. Cumpra seus compromissos. Honre sua palavra. Chegue no horário. Respeite o próximo e seja gentil.

Raça de víboras. Não há para onde fugir.

Precisamos colocar em prática o radicalismo do evangelho. Resgatar a essência que permeava os corações dos reformadores, dos profetas, de João e de Jesus. Submissão ao evangelho puro e simples, inconformismo, atitude, relevância e serviço. 

Não há como fugir da ira vindoura. Deus irá acertar as contas com todos nós. É bom que aqueles que andaram professando serem seus seguidores tenham muitas marcas em suas mãos pelo excesso de obras.

Ele está observando todos nós. 

No Pai. Paz.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.