Angela Natel On terça-feira, 20 de março de 2012 At 06:00


“Não julgueis para que não sejais julgados”.[Mateus 7:1-5]

Tese: Para prevenir contra a possibilidade de julgar os outros indevidamente.

Introdução:

1. Mateus 7:1- Uma das escrituras mais citada. Infelizmente, é também uma das mais mal aplicadas (usada para ensinar contra todas as críticas, a prática da disciplina na igreja ou a exposição do erro).

2. Considere Mateus 7:1-5 e sua advertência contra o mal de julgar os outros.

I. Julgamos indevidamente quando julgamos sem misericórdia e amor - Versículo 1-2.

A. Jesus ensinou que o juízo com que julgarmos, seremos julgados.

B. Dizem que os índios Sioux têm uma oração: “Ó Grande Espírito, permita-me não julgar o outro até que eu tenha usado seus mocassins uma lua ou duas.”

C. Observe Tiago 2:12-13, Gálatas 6:7. O princípio “bumerangue”.

D. Ao considerar nosso julgamento dos outros, devemos julgar os outros da mesma maneira que nós queremos ser julgados – misericordiosamente, amorosamente.

II. Julgamos mal quando julgamos sem auto-exame. Versículo 3-4.

A. Jesus comparou o homem que não analisou a si próprio como um homem ignorando a trave no seu próprio olho ao tentar remover o argueiro do olho do seu irmão.

B. Muitas vezes é mais fácil ver as falhas dos outros, do que ver a nossa. Nós às vezes nos enganamos sobre as nossas próprias falhas (Vaidade – auto-respeito, presunção – fazendo a maioria dos ativos, suscetibilidade – a sensibilidade, a preocupação – inquietação).

C. Observe as palavras de Paulo em II Coríntios 13:5. Também Gálatas 6:1.

D. Antes de julgar os outros, devemos examinar a nós mesmos.

III.  Julgamos mal quando julgamos sem autodisciplina. Versículo 5

A. Jesus ensinou que a pessoa que deixa de primeiro corrigir suas próprias falhas é um hipócrita. (dissimulador).

B. Considere os problemas que esta atitude causa no seio das famílias (ex: marido, esposa ou esposo falha, por não levar a sério as responsabilidades, o marido critica a companheira por não perceber o valor de um Real, mesmo que ele tenha acabado de gastar um maço de dinheiro com seus próprios desejos, etc.).

C. Observe as palavras de Paulo em Romanos 2:21-23. Também em Tiago 1:22-25.

D. Antes de julgar os outros e os seus defeitos, uma pessoa deve primeiro corrigir suas próprias falhas (colocar sua própria casa em ordem).

CONCLUSÃO:

1. Embora seja necessário usar o bom senso, devemos ter cuidado para não julgar indevidamente.

Pr. Aldenir Araújo

Fonte: Esboços de Sermões / Gospel Prime

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.