Angela Natel On quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012 At 08:26


Há uma falsa idéia que o cristianismo a semelhança de outras inumeráveis religiões possa ser algo visivelmente constituído e perfeito. Direi de outra forma: uma igreja instituída que tenha, na medida do possível um belo templo, um líder sobrehumano, irreprensível, inerrante, uma liturgia perfeita, símbolos e sacramentos únicos, e uma cosmovisão ( teologia ) que tenha resposta sobre todas as questões, e uma comunidade de pessoas perfeitas em todos os sentidos e que tenham o mais perfeito conhecimento e respostas a todas as questões.

É assim que vemos as igrejas, é assim que ansiamos ver os cristãos e crentes. E quero dizer que tudo isso já foi tentado, ainda é feito, e mesmo os crentes evangélicos mais autênticos têm essa esperança inconscientes. Vamos descontruir essa idéia agora mesmo e não se trata de minha opinião, mas algo encontrável na Bíblia, nas Escrituras.

Normalmente, tendemos conforme a conveniência do debate ou do discurso entre "servos inúteis" e "perfeitos imitadores de Cristo", embora seja verdade que a segunda opção seja mais agradável a nossa inconsciente vaidade. Se é verdade que cristão signifique originalmente cristos menores, eu não consigo ver em ninguém a semelhança nem física e nem espiritual, mesmo nos, digamos , melhores crentes. é verdade que o crente quando testemunha, ora, prega, faz o que tem de ser feito sob a ótica de Deus, constitue-se nos braços, nos pés e na boca do Senhor nesse mundo, mas passando desse momento é um Zé ou Maria das quantas como qualquer um e se há algo extremamente frustrante é quando debatendo com alguem profundamente incrédulo por várias razões, ou em um debate em que se discuta ideias e conhecimento, o crente quase sempre naufraga em questões que naturalmente, por educação, formação e conhecimento mesmo, se mostra patético. e aí o seu "testemunho" cai por terra.

Não sei mais sobre ciência que um cientista ateu proeminente, não sei mais sobre matemática que um matemático, e temerário saber mais sobre arte do que outro que tenha a mesma formação de professor de Arte e de historiador de Arte como eu. Em debates com irmão calvinistas, alguns mais radicais apelam e me chamam de ignorante sobre o calvinismo, tentando calar--me a boca...e eles têm razão, não sei tudo sobre o calvinismo, só que eles também não sabem... e não sabem disso...E a bem da verdade mesmo que eu tivesse a maior formação em calvinismo e tivesse livros e livros escritos sobre o assunto, eles não me ouviriam... logo é um debate inútil baseado em coisas inúteis.

O que eu quero dizer é que o cristianismo  não é uma instituição visível em que podemos ver e delinear seus contornos esteticamente perfeitos. Aos que andam tristes pela situação de igreja e de igrejas, de líderes e de líderes, de história de denominações e denominações e envergonhados ou incomodados...esqueçam disso!


Não testemunhamos de denominações, de pastores e padres, de igrejas e templos, de liturgias  e formas como os cultos são conduzidos, de como as pessoas se vestem ou deixam de vestir, mas de uma pessoa: Jesus Cristo Deus e Filho de Deus, e de uma salvação que não pode ser desperdiçada por nenhum ser humano com capacidade de pensar e avaliar o valor de sua alma, da qual ele tem de ser informado que a tem de fato, e de que pode perdê-la se não se encontrar de alguma maneira com o único Salvador, Jesus Cristo!

Mas por que as coisas são como são? Nós que tivemos a graça de conhecer a Palavra de Deus, onde a conhecemos de alguma maneira, cremos nela como tal em certa medida, experimentamos parte do sentimento de compreender o sentido de uma vida em que o Deus criador, o único Deus tem a importância que deva ter, construímos as tendas sugeridas por Pedro no monte da transfiguração: a igreja, a denominação visível, com todas as características que legitimamente ela passa a ter.

Eu ainda sou membro da Igreja Batista de Lagoinha, lá minha mãe conheceu a Jesus Cristo, o que  garantiu para ela a salvação eterna. Eu aos dezessete anos fiz o mesmo, depois meus filhos, a menina aos nove aceitou a Cristo e meu filho aos seis, a experiência deles com Deus transcorre por toda vida com aprendizado, erros, distanciamento e aproximações ( como todo mundo )... a IBL hoje é enorme ( o seu templo e suas multi-instalações e espaços ) mas adquiriu por força dessas mudanças um culto diferenciando do culto original quando só tinha um órgão e as domingos o coral atrás do púlpito, bastante semelhante a igreja batista tradicional da qual se originou. Embora o seu líder pregue do mesmo modo a décadas, não cantam mais os hinos do C.C. ( cantor cristão ) supondo-se que as novas gerações não aguentem tanta velharia, esse é uma das coisas realmente diferentes.


Está errado? Não. mas a prioridade é a ordem do culto e mesmo para uma igreja em que haja demônios a serem expulsos eventualmente, curas por imposissão de mãos e unção com óleo, e profecias, isso "estragaria" beleza das reuniões.

Não dará certamente para listar todos os casos, mas os tradicionais, os históricos, reformados ou arminianos, priorizam  outro tipo de reunião, com pregações apoiadas em temas bíblicos ricamente diversos ( como deve ser ) e os reformados em temas que circundem e reforcem a teologia calvinista. O objetivo é o mesmo nos dois casos: que seus ouvintes e membros saibam cada vez mais e sempre uniformemente sobre a sua fé ( legítimo também, coerente ). Então o que está errado nessa história?

O que esta errado é que quando todos nós ( tradicionais, reformados, renovados, pentecostais, neopentecostais, paraprotestantes ou católicos romanos ) lemos na Bíblia acerca do que é consenso, a igreja perfeita ( a igreja primitiva )  não vemos nada, NADA, do que somos hoje! Embora tenhamos elementos que supostamente eles tivessem e cultivassem. Isso é um desastre e não nos  damos conta disso.

Se não vejamos:

Não tinham a Bíblia toda como nós abençoadamente a temos hoje ( e não sabemos o que fazer com ela!

Por uma série de fatores, eram na sua imensaa maioria ignorantes (mesmos os ricos ) e analfabetos! Poucos eram como Saulo, os próprios Fariseus, Gamaliel e outros.

A sua fé se baseava porcamente no testemunho contundente que ouviam acerca de Deus e do salvador Jesus Cristo! ( não que esse testemunho não fosse mais que suficiente )

Não tinham belos hinos, hinários, cantores maravilhosos, dicografia, musicalidade contextualizada e moderna, gravadoras, jornais, rádios, tvs, twitters, orkuts, facebooks, sites, blogs ( como esse e outros e não que não devamos usar tudo isso )...!

Não tinham templos ( edifícios especialmente construídos para abrigar a comunidade e ser objeto visível de espaço de culto e reunião! ) confortáveis, atendendo a todas oupelo menos a maioria das necessidades temporias e legítimas como estacionamento ( gratuito ), berçários, salas para crianças, espaço para deficientes, rampas de acesso, segurança contra incêndio, saídas de emergência, telões, som exprẽndido, instrumentos afinados e profissionais, bons microfones... livrarias, lojas com bugigangas evangélicas... coisas boas e louváveis, legítimas repito...

Não conheciam tudo acerca da fé que tinham! alguns nem sabiam que havia Espírito Santo ( hoje também alguns não sabem )! Escritores, conferencistas, reitores de universidades teológicas, consultores para assunto diversos, porta-vozes de comunidades evangélicas, congressistas, relações públicas de determinada denominação, etc.

Mas sabiam que não tinham outra opção a não ser depositar a sua esperança ( total esperança )  na pessoa de um homem que havia dito ser Deus!

E as reuniões? Tinha de tudo o que não temos ou não queremos ter: línguas estranhas, profecias, mortes ( pela ocultação da oferta e mentira ao Espírito Santo ) a sombra de Paulo que curava as pessoas, expulsão de demônios e curas em publico diante de todas as pessoas, anjos intervindo visivelmente a favor dos crentes, ensinamento acerca de Deus, debates, discussões acirradas entre crentes, barulho, aglomerações...ceia com comilança e desperdício...barulho, muuto barulho, gente acotovelada e empurrando umas as outras... 

Bem poderia me alongar tentando descrever a igreja primitiva em contraponto a igreja que normalmente supomos que seja ou enha sido ou desejemos como ideal, mas o ponto aqui é a obra de Deus, aquilo que somos instados a fazer e deixamos de fazer por uma ou outra questão menor.

Há igrejas que não expulsam demônios porque crêem sinceramente e defendem isso por maracutaias teológicas que não há demônios a serem expulsos de pessoas! Quando são apertados na questão, se socorrem, pasmem, não da Bíblia, mas da psicologia! Há evangélicos que pensam e defendem a idéia que "unção com óleo" era apenas uma tradição antiga ou uma figura pelo fato de o óleo ser um mendicamento usado na antiguidade! Há outros que desdenhem de profecias, de línguas estranhas e de outras manifestações visíveis e audíveis por terem todas como embustes e falsidade ( a Bíblia sempre disse que há as falsas e os embustes mas nunca, em nenhum lugar negou as autênticas e reais )!

Claro que há muitas vezes uma incompetência em dizer, expor e ensinar as coisas da melhor maneira e que há excessos grotescos, mas a briga entre a validade ou não da chamada "teologia da prosperidade" é inócua e desastroza, pois se eu leio no Salmo primeiro que tudo o que o homem que teme ao Senhor fizer prosperará! Eu não-preciso de uma "teologia" para respaldar a Bíblia, mas ao contrário a prosperidade sempre esteve lá nas Escrituras! Aliás os calvinistas eram chamados de "pãos duros " justamente por crer de certa forma nela! As nações calvinistas, curiosamente, estão entre as mais ricas do mundo! Basta crer nessa verdade e não ocultá-la ao mendigo, ao sem terra, ao sem teto, etc, algo que históricamente as denominações tradicionais sempre esqueceram e ocultaram.

O problema não é se Deus dá ou não prosperidade, e em que medida dará a alguém, mas quem pode se enquadrar nesse caso, quem pode ser a pessoa em que essa promessa se cumprirá. Eu creio que posso dizer com toda a segurança a qualquer um: andando com Deus você prosperará sim, sendo fiel a Ele, Ele abrirá as janelas do céus sim... a benção material é algo que existe e é real biblicamente! Nenhum pobre é contra a teologia da prosperidade (  e nem acho que ela deva ser defendida como é exposta ) mas somente  pastores adcomodados, com seus ricos salários, filhos em escolas particulares, casa própria ou fornecida pela sua denominação, escritores, políticos eleitos por sua denominação ( poderia citar o nome de um ), enfim com o boi na sombra!

Tudo o que disse até aqui e para reafirmar o que digo agora:  cultuamos, projetamos uma igreja que não corresponde a igreja que realiza em tempo integral a verdadeira obra de Deus. Essa que admiramos ou tentamos reafirmar nos afasta do alvo e do que temos efetivamente de fazer. As denominações são legítimas com suas particularidades, mas devem elas, seus líderes e membros, terem a consciência de que quando reforçadas sua caracteríticas próprias mais restritas são as coisas que biblicamente realizamos. Passamos a exigir uma perfeição que jamais terão e passamos a realizar coisa em função delas mesmas e não de Cristo.

O cristianismo, não como religião institucional mas como realidade, é relacionamento do homem (cada individuo ou pessoa ) com Deus, e a itervenção de Deus na presente história da humanidade. Quando passa a ser um auto culto ( a si mesmo ao cristianismo como religião ) ele sucumbe fatalmente, como na Europa, na América do Norte e agora no Brasil.

No Brasil uma obra de Deus está sendo feita indenominaconalmente, como sempre foi, e espero continuar a sê-lo. Há um Deus a ser revelado e testemunhado as pessoas e há necessidades e intervenções espirituais e materiais a serem feitas, e o são , por uns e por outros diferente e pontuadamente.

Há pessoas que não basta-lhes dar uma nova crença e igreja, são endemoniadas e carecem de serem espiritualmente libertas; há pessoas que necessitam serem curadas, morrerão em suas doenças rápida e e inexoravelmente e alguém precisa dizer-lhes que o Deus da Bíblia as curará; há pessoas que podem ser ensinadas e levadas a uma compreensão de Deus e que essas podem após essa experiência ensinar a outros; há pessoa que conhecendo esse Deus poderão anunciar com contudência essa mesma verdade a outros tantos; há pessoas que com a sua visibilidade poderão testemunhar das grandes coisas feitas por Deus a elas onde outras pessoas não poderiam ir naturalmente e assim por diante.

Finalmente, a sua igreja pode ter muitos "furos" e erros, o mesmo líder, pastor, pastora, que lhe conduziu ao conhecimento de Deus e de Cristo, pode ter sucumbido a erros patéticos e ainda permaneça neles, lembre-se entretanto que os maiores personagens bíblicos incorreram em erros terríveis e desastrosos. Você e eu não temos uma denominação a defender ( e nem sempre obedecer, quando erram ) e a contragosto de muitos nem a combater, mas sermos executores do que Jesus afirmou e ordenou no  reconhecido "Ide"...e que a sua e a minha igreja pode biblicamente ( por vários motivos que ela ou o líder acha correto )  ser e estar inoperante.

Tradicionais são incompletos em suas ações como crentes, negando boa parte do que a Bíblia afirma ( não deixam de ser salvos e crentes por isso ), renovados, pentecostais e neopentecostais podem errar em outras tantas questões, e erram de fato. Quem se coloca na brecha para fazer da melhor forma a obra de Deus hoje? Com todas as contradições da igreja visível, pessoas estão sendo salvas, libertas, transformadas, e tendo um encontro real com Deus, havendo um divisor em suas vidas,, um antes e um depois, uma velha e uma nova história.

O Bom samaritano, nos lembra que muitas vezes o certo é feito pelo que aparantemente está mais errado no conceito geral. Poderia citar vários testemunhos reais de pessoas que hoje conhecem a Deus, mas que foram despertadas por pregadores, crentes, igrejas, aparantemente menos coerentes e supostamente mais corretos. aos que procuram exatidão aviso humilde e francamente lembrando-lhes as palavras do Senhor: "prostitutas e publicanos entrarão adiante de vós no Reino dos Céus, por que creram e vós não".

Não é o que a igreja visível é aos nossos olhos, mas o que ocultamente Deus opera através dela com seus erros e acertos é o que efetivamente importa. Hoje, nesse mesmo dia, nessa hora, o Senhor está alcançando alguém de uma forma estranha e maravilhosa e mais alguém poderá testemunhar que as misericórdias do Senhor não tem fim e se renovam a cada manhã, amém!

Por Helvécio S. Pereira

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.