Angela Natel On quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012 At 11:03
Angela Natel On terça-feira, 28 de fevereiro de 2012 At 08:04


Ele se veste de uma túnica branca. Traz um estranho sotaque internacional denominado “neo-aramaico”. Seu nome é Álvaro Thais. Intitula-se a si mesmo Cristo, por isso o novo nome, “Inri Cristo”.
Mas, como ele, já vieram muitos: John Nichols Thom; Arnold Potter; Ahn Sahng-hong; Baha Ullah; Joseph C. Dylkes; Mirza Ghulam Ahmad; Cyrus Teed; Haile Selassie; Georges-Ernest Roux; Ernest Norman, Krishna Venta; Yahweh ben Yahweh; Ariffin Mohamed; Jung Myung Scok; Jose Luis De Jesus Miranda; David Koresh; Sergei Torop; Grigory Petrovich Grabovoy; Hogen Fukunaga; Maria Devi Christos; Michael Travesser; Apollo Quiboloy; David Shayler; Sergei Torop…

Acima temos 26 nomes (de muitos outros) que disseram ser Jesus ou mesmo Deus. A própria quantidade torna-se um bom argumento quanto à pretensão deste grupo, nos lembrando daqueles filmes onde os personagens clonados dizem “eu ou o verdadeiro!”, “não, sou eu!”.

O que essas pessoas se esquecem é que o Jesus bíblico, verdadeiro e único Filho de Deus, previu ao mundo a respeito dos falsos cristos em Mateus 24. Uma rápida meditação nos mostra algumas características dos falsos cristos.

1) Eles se autoproclamam Cristo (Mt 24.23). Afinal, como estes meros mortais atrairão para si a atenção? Se do céu não vem a voz do Pai para confirmar a filiação divina (Mt 3.17), é necessário então usar de muito marketing. E isso eles fazem muito bem com programas de rádio, televisão, vídeos no Youtube, etc.

2) Eles virão de uma forma comum e ordinária (Mt 24.24). Eles estão por aí, andando, participando de cultos com os seus discípulos, mas tudo ordinariamente humano. E mesmo que Inri Cristo tenha afirmado em um debate que “veio de avião pelas nuvens”, muitos humanos estão indo e vindo neste mesmo meio de transporte, por entre as nuvens. Os falsos cristos são pessoas comuns. No surgimento deles não aconteceram sinais titânicos ou globais. Eles estão aí e o velho mundão continua sua jornada. Os anjos não tocaram as trombetas, os escolhidos não foram reunidos. Os mortos não foram ressuscitados, os justos não foram separados.

3) Eles podem enganar com sinais e prodígios (Mt 24.24). Ressuscitaram eles os mortos, curam doentes, fazem milagres diante das câmeras? Os atuais falsos cristos são mesmo incompetentes. Mas e quando surgir um que ressuscite os mortos e faça sinais extraordinários? Mesmo assim, se não acompanhar os sinais corretos, globais e derradeiros para a humanidade, não será o verdadeiro Cristo. Lembre-se que o iníquo virá sob a “eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais e prodígios da mentira…” (2 Ts 2.9)

4) Os falsos cristos distorcem a Bíblia. Porque como toda seita e igreja falsa, não há como pregar uma mentira sem interpretar desonestamente a Palavra de Deus. Para usar a Bíblia a fim de embasar mentiras é necessário rasgar algumas páginas do livro sagrado, descontruir a mensagem do evangelho, metaforizar o que é literal e adaptar a mensagem com muita criatividade. E isso os falsos cristos fazem como ninguém!

5) Os falsos cristos não pertencem ao Reino de Deus. Apesar de a maioria estar envolvida com ações humanitárias e pregar uma mensagem de paz, estas pessoas estão propagando a mentira e desviando o povo da verdadeira salvação em Jesus. Fazendo isso eles se colocam como anticristos. São poderosos e sutis instrumentos do engano e da mentira. A série advertência das Escrituras (2 Pedro 2.9) não é destinado apenas aos falsos profetas e cristos mas também ao povo que confia nas suas obras para a salvação.

Diante de tantos desvios e falsos cristos, sejamos fiéis à Bíblia. Aguardemos firmes e perseverantes o verdadeiro Cristo, que de maneira inconfundível virá para nos salvar.

Quando Ele voltar haverá um evento cósmico inconfundível. Será uma vinda pessoal (At 1.11), física (Ap 1.7), visível (Mt 24.30), repentina (Ap 3.3), gloriosa e triunfal. As nuvens do céu serão sua gloriosa carruagem (Mt 24.30), os santos de Deus serão sua gloriosa procissão (1Ts 3.13). Virá como Rei dos Reis, Senhor dos Senhores, vencedor e triunfante sobre todas as forças do mal, pois colocou-as debaixo dos seus pés. (1 Co 15.25)

É a este Cristo que servimos, é a este Cristo que esperamos, o Autor e Consumador da nossa fé (Hb 12.2). Deposite nele sua esperança e sua salvação!

Autor: Pr Andrei de Almeida Barros
Fonte: Gospel Prime
Postado por Gospel Home Blog

Angela Natel On At 07:50
Angela Natel On At 05:26





Muitas vozes têm se levantado – e com razão – para dizer que uma crise de interpretação bíblica está em curso. Embora a Bíblia Sagrada seja o livro de maior circulação no mundo e os cristãos, estimados em mais de 2,3 bilhões de pessoas, sejam o maior grupo religioso do planeta, é preciso salientar que tal crise não envolve exatamente o declínio do número de leitores que reconhecem a autoridade das Sagradas Escrituras como Palavra de Deus. O problema é de outra natureza, bem mais sutil – e preocupante. Acontece que muitos que leem e interpretam o livro sagrado da fé instituída por Jesus não o fazem, necessariamente, do ponto de vista cristão.

Em tempos de pragmatismo exacerbado em praticamente todas as áreas de atividade humana e de uma crescente importância ao chamado bem estar do indivíduo, mais e mais pessoas têm enxergado a Bíblia como uma espécie de panaceia para todos os males e angústias. Textos e princípios da Palavra de Deus são empregados ao arrepio da boa hermenêutica, no objetivo de estimular, e até mesmo justificar, mesmo as práticas mais mesquinhas. Livros, pregações e palestras de cunho cristão prometem soluções bíblicas para se ter sucesso nas finanças, boa saúde, relacionamentos amorosos bem sucedidos – vitória, enfim, em todas as áreas. 

Assim, cada crente é incentivado a ver aplicações práticas de sua fé em vários aspectos da vida, com se a Bíblia fosse um “livro-resposta” para toda a sorte de necessidades e problemas.
Entretanto, esse tipo de mensagem, centrada no indivíduo e em suas preferências, carece de uma interpretação da Bíblia como um livro que questiona as necessidades essenciais do ser humano ou que aponta para muito além delas. E não são apenas os escritores e preletores bem-intencionados que falham em oferecer uma abordagem bíblica realmente cristã. Vários estudiosos interpretam as Escrituras como parte da História antiga, utilizando-a somente como mais um elemento para responder a questões arqueológicas e sociológicas sobre a Antiguidade. 

Outros tentam reconstruir o pensamento de um livro ou de um autor específico à luz da modernidade. Há quem seja capaz de escrever profundos ensaios sobre a teologia de Paulo sem considerar, em momento algum, que Deus esteja falando às pessoas de seu tempo por meio dos textos antigos do apóstolo – sem falar naqueles que procuram fazer uma correlação entre o contexto histórico de uma passagem com o mundo atual, mas, inadvertidamente, sugerem que muitos cristãos não são capazes de entender a Palavra de Deus por não terem a necessária formação acadêmica.

Em parte, devido a inadequações tanto na leitura popular quanto acadêmica da Bíblia, um número crescente de estudiosos passou a defender o que chamam de “interpretação teológica das Escrituras”. Eles incentivam uma leitura do texto bíblico como instrumento de autorrevelação divina e de salvação do homem por meio de Jesus, enredo central de toda a narrativa do Antigo e do Novo Testamento. Esta escola de interpretação inclui uma grande variedade de práticas, mas todas elas visam a promover o conhecimento do Deus Trino e o discipulado cristão por meio das Escrituras.

Quando se examina a interpretação bíblica, é preciso prestar atenção à chamada teologia funcional, ou seja, o fato de que a maneira como se usa a Bíblia reflete as convicções que se têm a respeito dela. Existem, basicamente, duas abordagens comuns para a utilização das Escrituras. Alguns leitores se voltam para a Bíblia como se tivessem em mãos o projeto de construção de um prédio. Em seguida, passam a tentar encaixar passagens isoladas como se fossem os tijolos. Tal prática parte do princípio de que já se sabe o sentido maior das Escrituras – portanto, a tarefa de interpretação bíblica se torna uma questão apenas de descobrir onde determinada passagem se encaixa no sistema teológico defendido por cada um.

Outros preferem uma abordagem do tipo self-service. Nesta ótica, muito empregada hoje em dia, a Palavra de Deus é como um enorme buffet de comida a quilo – cada um escolhe o que vai consumir à vontade, de acordo com suas preferências teológicas e interesses. Em ambas os casos, tanto o do projeto de construção quanto o do self-service, as Escrituras são usadas no sentido de atender a um propósito pessoal. Quem está no controle é o usuário; ele pode até reconhecer a autoridade bíblica, desde que ela confirme suas ideias preconcebidas ou o abasteça com conselhos divinos acerca de suas necessidades. Os leitores que trazem consigo seu próprio projeto pré-concebido acreditam que não se pode ler as Sagradas Escrituras sem trazer à tona algum entendimento. Já os do tipo self-service acreditam que a Bíblia é um livro pelo qual Deus fala diretamente com eles.
 
 
“REGRA DE FÉ”

Uma leitura teológica das Escrituras faz uso das duas suposições, embora de uma forma muito mais profunda e completa. É como se, em vez de fornecer ao leitor um projeto detalhado, a análise teológica da Bíblia trouxesse uma espécie de mapa de viagem. Tal mapa, entretanto, não nos oferece todas as respostas sobre qualquer texto em particular. Em vez disso, a leitura é o começo de uma jornada na qual Deus, através de sua Palavra, vai ao encontro do indivíduo repetidas vezes, trazendo reconfortantes sinais de sua presença e surpresas que podem até confundir, mas também descortinam novas perspectivas. 

A leitura bíblica, portanto, não tem a ver com a montagem de um quebra-cabeças, mas com a resolução de um mistério. Através das Escrituras, encontramos nada menos que o misterioso Deus Trino, em pessoa.
Os primeiros cristãos também ensinavam que os seguidores de Jesus deveriam aproximar-se das Escrituras com uma espécie de mapa teológico básico em mãos. Por volta do segundo século, Irineu falou sobre a “regra de fé”, como forma de entender os princípios básicos com os quais os crentes ortodoxos (em oposição aos gnósticos) deveriam aproximar-se da Palavra de Deus. Essa regra de fé não foi criação de algum estudioso em particular, mas provinha do Evangelho e da identidade cristã, fundamentada no batismo: quem lia as Escrituras o fazia como seguidor de Jesus, batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. 

Assim, os primeiros credos batismais, ou declarações de fé, tinham um caráter trinitário – como o Credo Apostólico, por exemplo – e forneceram o conteúdo básico da regra de fé.
Mas por que isso foi e é necessário? A Bíblia é um livro extenso, e mesmo os leitores mais cuidadosos podem interpretá-la de muitas e diferentes maneiras. Contudo, nem todas essas formas de interpretação são, de fato, cristãs, na plena acepção da palavra. Por exemplo, uma pessoa pode ler a Bíblia de modo que veja o Deus de Israel apenas como um juiz, ou seja, uma antítese do Pai gracioso apresentado nos evangelhos. 

Mas esta não é a leitura cristã nem do Antigo nem do Novo Testamento. Nos primeiros séculos do cristianismo, a regra de fé ajudou a assegurar que os cristãos mantivessem a conexão entre as duas partes das Escrituras, uma visão ampla na qual o Deus da Criação e da Aliança, revelado aos patriarcas e à nação de Israel, é também o Deus revelado em Jesus Cristo.

A regra de fé, baseada na crença no Deus Trino, tem sido um elemento crítico para a leitura da Bíblia desde a Igreja Primitiva, passando pela Idade Média e pela Reforma Protestante. Os reformadores enfatizaram que a Escritura (e não a tradição da Igreja) era a única e definitiva regra de fé. Lutero, Calvino e outros confirmaram isso, de forma clara e entusiástica, ao defender uma abordagem das Escrituras com base na Trindade. Ao interpretar o Velho Testamento assim como o Novo, os reformadores buscavam ler as 

Escrituras à luz de Cristo, como o cumprimento das promessas de Deus na Criação e na Aliança, aplicando esse princípio à Igreja e aos discípulos de Jesus. Segundo muitos estudiosos contemporâneos, essa regra de fé trinitária básica estabelece as bases apropriadas para a interpretação da Bíblia como o livro-texto do cristianismo.

A regra de fé, neste sentido, é o que nos dá a percepção do que é central e do que é periférico em termos de interpretação bíblica. Ele não define com antecedência o significado de determinadas passagens; em vez disso, fornece ao leitor uma melhor percepção da esfera em que se dá a jornada da leitura da Bíblia, forjando um caminho para uma comunhão mais profunda com o divino. 

O novo mundo em que Deus nos coloca por meio das Escrituras é vasto e amplo, mas também tem um caráter específico. É uma jornada pelo caminho de Jesus Cristo, pelo poder do Espírito, uma antecipação do clímax da comunhão final com o Deus Trino.

Mas e a questão da necessidade de conhecimento especializado para a correta interpretação teológica das Escrituras? Ao mesmo tempo que alguns adeptos do movimento da interpretação teológica nos encorajam a um envolvimento maior com comentaristas pré-modernos e com a moderna crítica bíblica, eles também têm grande confiança na capacidade das congregações comuns de se aproximarem das Escrituras como sendo a Palavra de Deus. 

Duas dinâmicas são, muitas vezes, ignoradas nas interpretações bíblicas contemporâneas, especialmente, aquelas baseadas em suposições histórico-críticas. A primeira é a obra do Espírito de trazer luz à Escritura; a segunda, a interpretação bíblica “em Cristo”.

Congregações cristãs em todo o mundo cultivam uma percepção dessas duas realidades quando oram pela iluminação do Espírito, quando adoram a Deus ou quando aplicam as Escrituras na vida da comunidade em forma de discipulado e testemunho. É claro que essas práticas não são garantia de uma hermenêutica fiel, porém são dinâmicas indispensáveis para interpretar a Bíblia como, de fato, Escritura Sagrada. Isso porque a presença do Espírito em uma comunidade cristã, estabelecida em Jesus, tem a capacidade única de equipar esse grupo para interpretar a Bíblia como Palavra de Deus.
 
IDENTIDADE EM CRISTO

Acontece que aproximar-se da Bíblia com tais pressupostos teológicos é considerado anátema para muitos teólogos da atualidade. Eles supõem que as convicções teológicas opõem-se à fiel interpretação bíblica, ao invés de ser sua potencial aliada. Há uma preocupação genuína por trás dessa objeção: a de que a teologia deve ser extraída da Bíblia, e não imposta ao texto escriturístico. 

Aqueles que fazem esse tipo de objeção, normalmente, partem do pressuposto de que não somos capazes de ser imparciais em nossa interpretação, mas sim, que a Bíblia é que deve dar uma espécie de suporte a nossas conjecturas teológicas.

Embora seja correto procurar extrair da Bíblia a nossa teologia (e não o contrário), outros estudiosos observam que as convicções teológicas e as práticas religiosas, como a adoração, tornam a leitura bíblica mais frutífera. Como afirma R.R. Reno, no seu prefácio ao Comentário Brazos, a doutrina teológica “é um aspecto crucial da pegagogia divina, um agente de esclarecimento para nossas mentes turvadas pelos enganos”. 

Naturalmente, uma leitura teológica da Escritura pode conter também armadilhas. Mas a solução, definitivamente, não é deixar o estudo da Bíblia somente para os especialistas acadêmicos. Pelo contrário – é recuperar a perspectiva do lugar das Escrituras em meio à obra de redenção divina e abraçar a tarefa de ler o texto bíblico com abertura suficiente para que Deus possa reformar e remodelar nossa caminhada. 

Assim, faremos morrer o velho homem e dar espaço a uma nova identidade em Cristo.
Devemos também evitar o outro extremo: interpretar a Bíblia sozinhos, sem qualquer ajuda. Em nossos dias, muitos acreditam que o indivíduo pode ser um intérprete “todo-poderoso” do texto sagrado – não haveria necessidade de consultar o que dizem os comentaristas nem tampouco estar integrado a uma comunidade de fé. 
Apenas o indivíduo, a Bíblia e o Espírito Santo bastariam. Embora, por vezes, o dito reformado Sola Scriptura seja usado para justificar tal procedimento, ele é, na verdade, uma grave distorção desse princípio protestante. Os principais exegetas da Reforma consultaram o que outros escreveram através dos tempos, bem como aprimoraram seus conhecimentos das línguas bíblicas e se aperfeiçoaram em outras habilidades necessárias à correta hermenêutica.

O movimento da interpretação teológica das Escrituras busca reunir o que a modernidade dividiu: o discipulado e o estudo bíblico crítico. Agostinho, em sua obra intitulada Sobre o ensino cristão, afirma que Jesus Cristo, como o Deus-humano encarnado, é a “estrada” para nossa pátria celestial. Assim, toda interpretação da Escritura deve ser necessariamente feita à luz de Jesus Cristo – e conduzir ao nosso crescimento no amor a Deus e ao próximo. Paralelamente, Agostinho destaca que ter conhecimento do grego e do hebraico é muito importante para a interpretação das Escrituras. 

Em pleno século 5, Le já dizia que a leitura bíblica agrupa as disciplinas da história, da retórica, da lógica e do que modernamente chamaríamos de antropologia cultural.

Assim como Agostinho, o movimento da interpretação teológica tem buscado aproximar o discipulado cristão do estudo acadêmico das Escrituras. Desta maneira, mesmo narrativas extremamente ligadas ao contexto cultural e religioso no qual foram escritas ganham novos contornos. As passagens dos evangelhos que se referem aos fariseus, por exemplo. 

À primeira vista, as repreensões de Jesus àquele grupo não dizem respeito ao leitor moderno. Mas o estudo histórico tem mostrado que os fariseus não eram apenas legalistas estereotipados – eles buscavam de fato uma renovação na obediência à Lei da Aliança, a partir das promessas de Deus para Israel. É verdade que pensavam diferente de Jesus e dos primeiros cristãos, mas também é certo que havia aspectos comuns entre eles.

Assim, quando pensamos estar livres de quaisquer implicações das duras palavras de Jesus aos fariseus, o raciocínio em perspectiva histórica nos ajuda a, mais uma vez, a aplicar em nossas vidas a mensagem (sempre tão pungente) da Palavra de Deus. Em termos mais gerais, pode-se dizer que o estudo crítico ajuda os leitores a evitarem erros que atrapalhem uma leitura bíblica frutífera. 

Tais equívocos podem ser mal-entendidos quanto aos tipos bíblicos ou equívocos de interpretação de natureza linguística ou cultural. Daí a importância do conhecimento das línguas originais e de crítica textual. Embora tais elementos não sejam imprescindíveis à apropriação dos conteúdos espirituais da Palavra de Deus, eles fornecem caminhos seguros para uma hermenêutica mais fundamentada. Como Agostinho sugeriu, vários métodos interpretativos são válidos. Entretanto, eles precisam conduzir a uma compreensão da Bíblia como a poderosa Palavra de Deus e a um entendimento da Igreja como uma comunidade de discípulos, que cresce à imagem de Cristo.
 
VIVER PELA PALAVRA

Uma característica fundamental de muitos trabalhos na área da interpretação teológica tem sido o renascimento de formas de interpretação bíblica essencialmente simbólica. Sob esse ponto de vista, o Antigo Testamento não tem apenas um sentido histórico – como querem muitas correntes –, mas também espiritual, que se estende a Jesus e à sua Igreja nos dias de hoje, na forma de alegorias ou tipologias essenciais à vida cristã. 

Ao longo dos últimos dois mil anos de cristianismo, raramente os exegetas deixaram a figura de Jesus fora de sua leitura do Antigo Testamento. Assim, a narrativa da primeira parte da Bíblia Sagrada continuou a ter integridade, mesmo quando significados “espirituais” referentes a Cristo foram sobrepostos a ela.
Esta abordagem do Velho Testamento está baseada no próprio Novo Testamento, que nos dá bons exemplos dela. 

Para os escritores neotestamentários, não é apenas um salmo ou profecia messiânica ocasional que se aplica a Cristo – eles leem todas as Escrituras de Israel sob a perspectiva do advento e da obra salvadora do Filho de Deus. Por exemplo, o livro de Hebreus começa com sete citações de textos do Antigo Testamento a partir de diversos contextos (Salmos, Deuteronômio e II Samuel); no entanto, é inegável que todas elas se aplicam a Cristo. 

Isso não se deve à hermenêutica particular do autor da epístola, mas a seu entendimento de quem é Cristo no plano de salvação de Deus: “Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo. 

O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser” (Hebreus 1.1-3, na Nova Versão Internacional).
O Filho foi o cumprimento de diferentes passagens do Antigo Testamento. Embora, nas palavras do escritor, ele não tenha sido reconhecido como verdadeiro Messias em seus dias, o Filho é o Criador e também é o “herdeiro de todas as coisas” – e, em Jesus Cristo, deu-se a conhecer na história humana. Isso significa que uma leitura espiritual do Antigo Testamento não pode aniquilar a sua narrativa em si. 

Quando o Jesus ressurreto abriu o entendimento de seus companheiros no caminho de Emaús “para entender as Escrituras”, ele não disse que a lei de Moisés, os escritos dos profetas e os Salmos tinham sido descartados, mas sim, que estavam se cumprindo nele (Lucas 24.44-45).

Como observa John Webster, teólogo da Universidade de Aberdeen, na Escócia, e um dos maiores defensores da interpretação teológica, a “leitura das Escrituras é um episódio na história do pecado e de sua superação; e vencer o pecado é a obra única obra de Cristo e do Espírito”. Assim, de acordo com esse raciocínio, a leitura bíblica está inevitavelmente ligado à regeneração.  

Como tal, lemos a Bíblia esperando receber uma palavra divina – tanto de conforto, quanto de confronto. A Palavra de Deus nos renova, ao mesmo tempo em que confronta nossos ídolos pessoais e culturais, traz luz ao nosso caminho e nos equipa para nosso serviço neste mundo.

Assim, ver a Bíblia como a Palavra de Deus envolve deleitar-se nela, memorizá-la e viver por ela. Quando Jesus foi tentado por Satanás, respondeu com passagens bíblicas que tinha na memória. Paulo, em sua Epístola aos Colossenses, adverte os crentes a deixarem a palavra de Cristo “habitar” abundantemente em si.  Já o evangelho de João mostra a dinâmica trinitária do viver pela palavra do Filho de Deus, quando diz que o Espírito, enviado aos crentes, glorificará Cristo. 

Deleitar-se e viver pela Palavra de Deus é algo extremamente prático e tem a ver com nossas finanças, família e até mesmo nossos corpos. No entanto, não se deve entrar por tal caminho em busca de sucesso neste mundo, mas, sim, da mortificação de nossa velha criatura e para a nova vida realizada pelo Espírito Santo.

Desta forma, podemos ler a Bíblia confiantemente, sabendo que Deus age de forma poderosa através de sua Palavra, por meio da adoração comunitária, em meio à oração, à memorização, ao ensino e ao testemunho. Não temos, necessariamente, que dominar plenamente a Bíblia para, então, torná-la relevante em nossas vidas. Pelo contrário: através das Escrituras, o Senhor nos abre um novo lugar de habitação – um local de comunhão com Cristo em um caminho que conduz ao amor a Deus e ao próximo.

Nossa jornada rumo à santificação não termina nesta vida; assim, também, não é neste mundo que finda nossa jornada de meditação nas Escrituras. Lutamos contra elas, muitas vezes, quando nos diz o que não queremos ouvir. Mas elas também confirmam e edificam nossa nova identidade em Cristo. 

Em tudo isso, o valor da Palavra de Deus é inesgotável, porque o Espírito usa a Escritura para testificar de Cristo, que é o Verbo enviado pelo Pai. Quando lemos a Bíblia como Escritura divinamente inspirada, não somos os dominadores, mas os dominados – e, por meio dela, recebemos do Deus Trino o seu fôlego de vida.  (Tradução: Élidi Miranda)
        
 
J. Todd Billings é professor de teologia reformada do Seminário Teológico Ocidental em Holland, Michiga (EUA)


Fonte: http://cristianismohoje.com.br/materia.php?k=835

Angela Natel On segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012 At 04:02


Queridos amigos,
Estamos em estado de URGÊNCIA pedindo a todos que preencham o abaixo-assinado para o EMBAIXADOR DO IRÃ em favor do nosso irmão YOUSEF.
Atenção para as orientacoes de como fazer:
1) vc deve abrir nesse link:
2) preencha os espaços requeridos com seus dados pessoais: nome, sobrenome, endereço, Cidade, CEP e email.
3) no espaço onde está escrito ADD YOUR MESSAGE HERE, copie e cole o email abaixo (favor, nao acrescentar nada alem do que já está escrito)
Your Excellency, the Ambassador of Iran
Dear Sir,
Along with many other people around the world, I have been following with great concern the case of Pastor Yousef Nadarkhani, who is being tried by a court in Rasht due to his religious beliefs.
I am writing to express my concern and hope that the court will drop all charges against Pastor Yousef, in accordance with international law and especially Iranian law and constitution, which clearly allows freedom for Christians to maintain their religious beliefs and practices.
I am also requesting Your Excellency to pass on my appeal and that of many others to the Iranian government, as a matter of great urgency in this case, so that an innocent person may not be condemned and the constitution of Iran may not be violated.
I am very grateful for your attention to this request.
Respectfully and sincerely,
4) Quando preencher todas as linhas, envie seu email ( send YOUR email)

Juntando-nos ao blog Familia de Paz nesta causa. Divulgação: Pulpito Cristão e Guardiã da Verdade.

Angela Natel On domingo, 26 de fevereiro de 2012 At 06:30


Outro dia assisti a um culto duma grande igreja pela Internet. Para minha surpresa, o pastor, que eu admiro muito, falou sobre Malaquias, e como seus pares, fez apologia ao dízimo. Me decepcionei, pois esperava uma abordagem mais inteligente, mas isso era de se esperar mesmo. Penso que a maioria dos pastores, até os de melhor formação, como o nosso amigo da Internet, têm a correta noção das coisas, mas preferem deixar como está, para não mexer nas grossas engrenagens que mantêm o sistema funcionando.
Eles tentam nos empurrar que “o Novo Testamento também cita o dízimo”, que “Jesus incentivou o dízimo”que “a igreja primitiva fazia assim”, e que “o dízimo é anterior à Lei e não foi abolido pela Graça”, como se pode ver nos textos que usam para defender seu ponto de vista (como nesses em marrom, retirados desites favoráveis ao dízimo, tipo este aqui).
Sustentam que Jesus não veio ab-rogar a lei (Mateus 5:17), e que Ele não apenas reconheceu o dízimo, mas o recomendou (Mateus 23:23). Dizem: “a prática do dízimo não está restrita ao Antigo Testamento. Ela também é incentivada pelos apóstolos em o Novo Testamento”O propósito dos dízimos no Novo Testamento seria  
“a promoção do Reino de Deus e ajuda aos necessitados (I Coríntios 9:9-14; Colossences 2:10)”. Engraçado, é raro ver dízimo hoje em dia sendo dado para necessitados... E completam: “dizimar é um grande privilégio. Deus não precisa do nosso dinheiro. Ele é o dono da prata e do ouro. Temos de contribuir impulsionados pelo amor abnegado e desinteresseiro. Deus não está preocupado com a quantia que entregamos, mas com o nível de desprendimento, sacrifício e fé. Que sejamos mordomos fiéis do Senhor, sabendo que Ele é fiel para suprir todas as nossas necessidades”Ora, vê-se claramente nesse arrazoado várias contradições.
Primeira – se, como pregam, “Deus não está preocupado com a quantia que entregamos, mas com o nível de desprendimento, sacrifício e fé”, então por que devemos nos ater aos 10%?
Segunda – se, como ensinam, “o dízimo foi ordenado pelo Senhor, cf. Levítico 27:30-32 e Malaquias 3:10”, e se “o dízimo de Israel era entregue para o sustento dos levitas”, o que nós, que nem judeus somos, temos a ver com sacerdotes e levitas? Onde estão esses personagens na Igreja cristã? A Igreja primitiva, de Atos, a qual somos instados a imitar, tinha levitas e sacerdotes?
Terceira – Se Jesus já cumpriu toda a Lei, por que devemos nós cumpri-la de novo? Quando Jesus diz que não veio ab-rogar a Lei, mas cumpri-la, Ele quer dizer que cumpriu toda a exigência de que o pecado requer um sacrifício, e Ele foi o sacrifício propiciatório para o nosso pecado, “pois o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê” (Romanos 10:4). Por meio Dele, somos justificados perante Deus: isso significa que a Lei foi totalmente satisfeita, e por isso a Lei mosaica, com suas ordenanças e preceitos, não tem mais efeito para nós, gentios, hoje.  Jesus mesmo disse que “a lei e os profetas vigoraram até João” (Lucas 16:16). A Lei que Jesus cumpriu totalmente, e da qual nenhum jota ou til pode ser retirado ou modificado, é a propiciação pelos pecados.
Doutra forma, se a Lei ainda está vigente para nós, aí sim o dízimo ainda vigora, mas também vigoram a circuncisão, os animais puros e impuros, o sábado, o levirato, o nazireado, o apedrejamento, a purificação da mulher, e um monte de outras coisas. Pergunto aos arautos do dízimo se cumprem essas ordenanças, já que para eles elas não foram revogadas.
Tiago diz que “qualquer que guardar toda a lei, mas tropeçar em um só ponto, torna-se culpado de todos”(2:10). E Paulo também avisa que voltar à prática da Lei, observando de novo seus mandamentos, como por exemplo a circuncisão, obriga a pessoa a cumprir toda a Lei: “E de novo testifico a todo homem que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei” (Gálatas 5: 3). Jugo desnecessário, pois “toda a lei se cumpre numa só palavra, a saber: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (v. 14). De mais a mais, “todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados” (Romanos 2:12). Você quer mesmo se submeter aos 613 mandamentos da Lei? Cuidado quando cumprimentar uma irmã na igreja, ela pode estar “impura”. Também pode cancelar a feijoada de sábado, porque tem carne de porco nela.
Quarta – quando Jesus diz aos fariseus que “devíeis fazer estas coisas, sem omitir aquelas” (Mateus 23:23 e Lucas 11: 42) é no sentido de que eles “dizimavam” até a última merreca, mas não praticavam a misericórdia. Ele de novo afirma que os judeus (veja bem, os judeus) deviam cumprir toda a Lei, e não apenas parte dela. E mais: Jesus está falando aos fariseus, judeus da gema, e não à Igreja. É unanimidade universal, de conhecimento até do reino vegetal, que a Igreja foi estabelecida em Atos 2, e portanto em Mateus 23 ela ainda não existia, era ainda um mistério não revelado aos homens. É óbvio que Jesus está se dirigindo a Israel, aos judeus!
“Fazer estas coisas sem omitir aquelas”, isto é, dar o dízimo + praticar a misericórdia, é mandamento para os judeus e especificamente aos fariseus, pois havia judeus que faziam mais do que isso. A viúva que ofertou tudo o que tinha é o exemplo: ela é alguém que foi além do dízimo –ofertou, não dizimou, pois deu tudo, e não apenas 10%. E mais, ofertou dinheiro, e o dízimo era sempre em bens agro-pastoris (farinha, ovelhas etc.). Quando Jesus advertiu os judeus que a Lei dizia “não matarás”, mas odiar alguém era o mesmo que matar, e que a Lei dizia “não adulterarás”, mas desejar alguém equivalia ao adultério físico, Ele anunciava que era preciso ir além da Lei: se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus (Mateus 5:20). E foi isso que aquela viúva fez, e é isso que a Igreja precisa fazer, não ficar rateando entre a Graça e a Lei. Decidam-se, “porque a lei foi dada por meio de Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo” (João 1:17).
Quinta – dizem que o dízimo é uma forma de adoração, com base em Provérbios 3:9,10. Mas essa é uma grande forçação de barra, porque não há nada que comprove essa “adoração” nas Epístolas. Lemos sobre louvar a Deus com salmos, hinos e cânticos espirituais, mas nada de dinheiro para adorar. Os crentes davam dinheiro? Davam, lógico, como Barnabé (Atos 4:36, 37) – mas era voluntário, e ele deu tudo, não 10% da venda de sua propriedade. Ninguém disse que ele tinha que “dar 10% para a igreja como forma de adoração”. O texto de Provérbios está no contexto do dízimo mosaico, e “as primícias” dizem respeito ao que os judeus guardavam para comemorar suas festas, conf. Deuteronômio 14:28. Por isso os celeiros e lagares ficavam cheios. E veja que este é “um dízimo” especial, a cada três anos. Alguém pratica isso hoje em dia?
Sexta – “Digno é o obreiro do seu salário” e “Não atarás a boca ao boi que debulha”. Usam esses versos para justificar que o pastor ou obreiro tem direito a salário, que pode e deve“meter o garfo na marmita”, como o sacerdote da Antiga Aliança. Mas esquecem espertamente que o pastor do Novo Testamento é substancialmente diferente do sacerdote do Velho Testamento, pois o pastor não é sacerdote – sacerdote é todo crente, cf. I Pedro 2:9. O ministério pastoral refere-se ao ensino e acompanhamento das ovelhas, não à intermediação entre Deus e os homens. Paulo quando escreveu sobre o boi e o salário do obreiro, disse que até podia catar parte da arrecadação, mas não o fez. O que esses bois de boca grande omitem malandramente é que Paulo tirava o sustento não das ofertas, mas do próprio trabalho secular: “quando estava presente convosco, e tinha necessidade, a ninguém fui pesado”“pela terceira vez estou pronto a ir ter convosco, e não vos serei pesado, porque não busco o que é vosso, mas sim a vós”“Porque vos lembrais, irmãos, do nosso labor e fadiga; pois, trabalhando noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós, vos pregamos o evangelho de Deus” (II Coríntios 11:9; 12:14; I Tessalonicenses 2:9; e também Atos 18:1-3, para saber como é que Paulo trabalhava “noite e dia”). Qual pastor aí pode dizer isto? Paulo diz a vocês que o imitem, e sei que vocês conhecem a passagem.
Sétima – quando dizem que II Coríntios 9:7 é um incentivo ao dízimo, passam atestado de analfabetismo, pois a passagem é clara:“Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama ao que dá com alegria” (notem o grifo: segundo propôs, não os 10% obrigatórios!). E a coisa piora quando tentam associar essa passagem a Êxodo 25:1,2, para dizer que devemos ser generosos, e que dinheiro também era aceito; mas o verso fala deoferta voluntária, mais uma vez, não de dízimo! Uma coleta que ocorreu apenas uma vez, não todos os meses! Não se repetiu jamais, como o dízimo de Abraão.
Oitava contradição – a batida teoria da provisão, multiplicação e restituição, com base - como sempre - em passagens do Velho Testamento endereçadas a Israel, como Malaquias 3:10,11 (específica aos sacerdotes, como vimos aqui, mas que insistem em jogar nas nossas costas), e Joel 2:25 (onde confundem o gafanhoto literal com uma figura alegórica, simbólica, à maneira dos católicos; Deus está dizendo a Israel que irá restaurar a terra prometida a Seu povo, dando-lhe prosperidade e livrando-a tanto do inimigo militar como dos predadores naturais da lavoura). Note que no cap. 1:6 Deus fala sobre “a minha terra” (Israel), e em 2:18-20 promete o livramento para... Israel. Sem alegorias ou adaptações para a Igreja. Aliás, nesse trecho de Joel não há referência a uma eventual “proteção contra falência” ou restituição do que foi perdido “por não ofertar”, como sugere este pessoal aqui, que associa cada tipo de gafanhoto a um demônio específico. Leia o resumo do livro de Joel aqui, e veja se tem algo a ver com dízimo; mesmo que se busque uma analogia com uma situação de dificuldade pela qual passemos um dia, sua posterior restauração nada tem a ver com dízimos, mas sim com arrependimento (2:12,13).
De uma vez por todas, é preciso entender que “ janelas do céu” não são símbolos para a prosperidade financeira, nem o dízimo é seguro contra falência. “As janelas do céu” e“o devorador” são literais, como emDeuteronômio 28:12Salmos 104 e147, e Joel 2:25. Trata-se da bênção em forma de chuva para o bom rendimento da lavoura e da pecuária, com o que o povo separava uma parte do fruto para sustento dos levitas, sacerdotes, pobres e para as festas de Israel, nada mais. Devorador, migrador etc., são pragas naturais, e só. Como Deus controla a natureza, Ele guarda e faz prosperar Israel, como fora prometido aos patriarcas.
Assim podemos concluir, mais uma vez, que o dízimo é uma prática da Velha Aliança, aquela mesma que foi extinta quando o véu do Templo se rasgou, conf. Hebreus 8:13 – “Novo pacto, ele tornou antiquado o primeiro. E o que se torna antiquado e envelhece, perto está de desaparecer”.
E para aqueles que dizem que o dízimo é anterior à Lei e, portanto, superior a ela, digo que a circuncisão, o sacrifício de animais, o sábado, a separação entre animais puros e impuros, tudo isto também é anterior à Lei. Por que vocês não praticam
mais essas coisas? Porque só praticam o que lhes interessa, doa a quem doer. É muito fácil o pastor, na “hora da oferta”, ir até o gazofilácio e colocar ali o seu dízimo, para todo mundo ver como ele é “abnegado e desinteresseiro”Esse dízimo que ele acaba de depositar vai para a coluna de “entradas” na contabilidade da igreja, e dali retornará ao seu bolso na forma de salário! Ele “ofertou” para si mesmo!!!
Querer trazer para a Igreja práticas de Israel, como o dízimo, equivale à opinião dos saduceus, que em Atos 15:5 “levantaram-se dizendo que era necessário circuncidá-los [os cristãos gentios, ou seja, nós] e mandar-lhes observar a lei de Moisés”. Essa opinião foi rechaçada, quando os Apóstolos ensinaram que aos crentes gentios (isto é, nós) não se deveria impor nada, exceto “que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue” (Atos 15:20 e 21:25). Doutra forma, Felipe teria dito ao eunuco que precisaria seguir a Lei para ser salvo (Atos 8:36-38), e Pedro teria dado ao povo uma resposta muito mais longa do que a que está em Atos 2:38, 39. Felipe não pediu o dízimo do eunuco (e olha que devia ser um dízimo bem gordo, afinal o cara era Ministro de Estado).
Impondo leis aos crentes, a igreja evangélica aproxima-se perigosamente da católica, com suas leis canônicas, ordenanças, catecismos, regulamentos e exigências, que dificultam o caminho das pessoas. “Ai de vós também, doutores da lei! porque carregais os homens com fardos difíceis de suportar”(Lucas 11:46).  

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.