Angela Natel On terça-feira, 24 de janeiro de 2012 At 05:34

Por Pr. Marcello Matias ► 


Possivelmente você já foi ou ouviu falar de alguma festa a fantasia. Num encontro desse tipo, o que caracteriza seus participantes da festa são suas roupas e aparências diversas. O objetivo é esconder quem se é de verdade através da fantasia. Pode ser com uma máscara só ou com todo um traje. Mas fato é que, numa festa a fantasia, fica difícil reconhecer quem está por debaixo da máscara. Por isso me reporto a Caim.

Havia algo de errado com ele. Sua relação com Deus não estava lá essas coisas. A princípio, ele e Abel haviam herdado dos pais o mesmo temor e amor por Deus, mas as atitudes de nosso personagem começam a nos mostrar o contrário. Havia algo de diferente no ar...

A primeira vista, não dá pra entender o porquê Deus aceitou a oferta de um e rejeitou a de outro. Só na continuação, na leitura completa do texto, as coisas parecem se esclarecem um pouco mais. Deus conhecia tanto Abel como Caim. O verso 7 deixa a entender que, embora Caim houvesse trazido uma oferta ao Senhor, seu testemunho não era tão agradável assim a Deus. Em contrapartida, Abel não foi sequer questionado por Deus, que aceitou prontamente seu sacrifício. Assim sendo, usando a mesma linha de raciocínio, concluímos que o testemunho que precedia a oferta oferecida por Abel agradava ao Senhor.

Não quero entrar no mérito das diferentes ofertas oferecidas, mas no que moveu os corações. Quais eram as reais motivações. O que levou tanto Abel como Caim a ofertarem.

Sabemos que Deus conhece nossos corações. Portanto não adianta usar máscara. Diante Dele, somos desnudos, estamos descobertos. Não há como ludibriar ao Senhor.
Os acontecimentos posteriores revelam claramente o estado em que se encontrava o coração de Abel. Na verdade, não era uma oferta voluntária e de amor. Era o cumprimento de um rito, uma obrigação. Parecia não ser espontâneo.

Quanta gente hoje, crente ou não, trata Deus e sua Palavra assim. Escondidos debaixo de uma fantasia religiosa, uma máscara de cristão, acham que apenas o cumprimento de ritos e coisas do tipo podem agradar ao Senhor.

Participam de todos os cultos (ou missas), levam seu dízimo, fazem parte de um coral, um conjunto, ministério de louvor... Porém tudo não passa de uma máscara. Contudo, agem como se isso bastasse. Como se o mesmo Senhor não conhecesse profundamente seus corações. Seja por hábito, tradição familiar, jogo de interesses (cura, prosperidade), fato é que muitos de nós estamos diante de Deus como Caim estava. Usando máscaras.

A verdade é que a máscara da religiosidade cai diante de Deus. Muitos se surpreenderão diante Dele. Afinal Ele não procura pessoas religiosas, e sim pessoas tementes e fiéis a Ele. Pessoas que não só sabem o que aconteceu na cruz, mas que conseguem entender Seu plano salvífico. Pessoas que reconhecem sua condição pecadora e arrependem-se de seus pecados. Pessoas que recebem a Jesus, como única esperança para livrá-los da morte eterna, o inferno. Pessoas que andam com Ele porque o amam simplesmente.

Você pode ser quem quiser diante dos outros, mas não diante do Pai. Diante dele, toda fantasia é transparente. Na presença Dele toda máscara cai.
Portanto, apresente-se como você está diante do Senhor. Mostre-se a Ele da maneira que você é. Deixe que Ele cuide de você e de suas imperfeições.

Mas que eu e você deixemos de usar MÁSCARAS diante DELE.

Que Ele nos perdoe e abençoe;

Glórias, pois, a Ele.

Autor: Pr. Marcello Matias. postado no Hospital da Alma.

Visite o site do Pastor Matias

http://www.hospitaldalma.com/2012/01/vivendo-sem-mascaras.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+hospitaldalma%2FWnFy+%28Hospital+da+Alma%29

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.