Angela Natel On quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 At 05:59


O título deste post deve doer na maioria dos tímpanos "santos e imaculados" de uma parcela realmente grande de auto-denominados evangélicos. Colocar a prova uma pregação? Como isso é possível? Como levantar a mão contra o ungido de deus?

Esse é o entendimento de um povo que têm sido acostumado a não ter a Palavra do Senhor como guia para suas vidas, mas sim, a interpretação que seu líder dispõe.

O apóstolo Paulo assim que saiu de Filipos foi para Beréia, lá encontrou uma comunidade cristã que o recebeu, e como o próprio apóstolo julgou, de forma muito mais nobre que os habitantes de Tessalônica. Vale lembrar que o acontecimento que antecedeu a chegada de Paulo e Silas a Beréia foi o grande agir de Deus que rompeu com as grades da prisão e conduziu o carcereiro e sua família aos pés de Cristo (algo certamente muito mais milagroso que o próprio terremoto).

O que Paulo havia considerado de tão nobre? As ofertas recebidas? A requintada casa de campo onde ficou hospedado? O magnifico templo contruído com mármore importado de península itálica? O cavalo de fina linhagem que lhe foi colocado a disposição para trafegar nas ruas de Beréia?

"Ora, estes foram mais nobres que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia na Escrituras se estas coisas eram assim." (Atos 17.11)

São essas as instruções que os pastores têm dado as suas ovelhas? Têm os pastores dito as suas ovelhas: confirmem se o que eu digo procede ou não da Palavra? Eles têm ensinado isto?

A falta de leitura da Palavra de Deus tem tornado a igreja progressivamente raquítica. Conheço pastores que nunca leram todo o texto sagrado, conheço líderes que aconselham liderados com Joyce Meyer ou Mike Murdock entre os dedos (não muda muito se você só estiver com John Piper ou Charles Spurgeon). Conheço ministros de louvores que citam letras de músicas como se elas fossem tão infalíveis quanto a Santa Palavra.

Essa cultura de ignorar a Palavra de Deus tem sido a grande brecha deixada pela igreja brasileira para a inserção das mais variadas heresias e desatinos na comunidade cristã. A idéia de uma vida conduzida pelo Espírito Santo, mas sem o conhecer, é ridícula, burra e louca.

Como você pode ler no texto bíblico (Atos capítulos 16 e 17), apesar de tudo que aconteceu com Paulo e Silas, ele não viu nenhuma agressividade, nenhuma presunção ou mesmo rebeldia na igreja de Beréia por estarem buscando nas escrituras se aquilo que diziam era verdadeiro ou não... ora, Paulo poderia ter dito: Não souberam do que aconteceu em Filipos? Não chegou a vossos ouvidos que as cadeias se rouperam? Não souberam que os magistrados temeram por terem açoitado cidadãos romanos? Quem vocês pensam que são para levantar a mão contra um apóstolo do Deus vivo?

Mas Paulo só diria isso se ele fosse um pastor ou apóstolo(?) contemporâneo. Se ele fosse como as centenas de homens e mulheres mal formados e informados, temerosos por seus cargos e sua liderança, medrosos por suas posições... sim, apenas se Paulo fosse um desses teria considerado o comportamento dos bereianos inconveniente e indesejado.

Assim, sempre que ouvires um pregação faça anotações, e o mais breve possível, verifique por si só na Palavra de nosso Senhor se aquilo é de fato tal qual foi pregado. Busque no Senhor, tenho certeza que o mesmo Espírito Santo que você muitas vezes espera que trabalhe no vazio, muito mais trabalhará em um coração disposto a conhecer mais de Sua Presença e Vontade.

Não questione a autoridade de seu pastor... questione a veracidade daquilo dito pelo homem.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.