Angela Natel On domingo, 22 de janeiro de 2012 At 05:03


Balaão era um falso profeta mesopotâmico que fora contratado pelo rei Balaque de Moabe para profetizar contra a nação de Israel, que vinha do Egito para conquistar a terra de Canaã. Sua história é relatada no livro de Números, nos capítulos 22 até o 24 e volta a ser citado no capítulo 31. Sua vida de profecias falsas e ganância o levaram a ser comparado com os falsos profetas que operavam na igreja de Pérgamo (Apocalipse 2.14). 

Talvez pra muitos que não lêem corretamente a história de Balaão acreditam que ele era um profeta do Senhor, uma pessoa que buscava a santidade e viver segundo a vontade do Pai. Ledo engano. Balaão é um típico ecumênico, um sincretista que acha que "todos os caminhos levam a Deus". Ou ao dinheiro. Sim, porque é visível que o verdadeiro deus desse profeta era Mamom, as riquezas.

E quantos de nós fazemos como ele? Perguntamos a vontade de Deus para tomarmos uma atitude (Nm 22.8-12) e mesmo ouvindo a negativa dele queremos ouvir uma segunda opinião (22.19), demonstramos falsa piedade (22.18), mas no fundo no fundo nosso coração é outro. Aí Deus permite que façamos o que queremos (22.20) só pra ver aonde nossas intenções estão. Deus não enviaria um anjo da morte para tentar deter Balaão se o mesmo não tivesse querendo mudar de opinião logo que chegasse diante de Balaque e fizesse o que ele queria e não a vontade de Deus. Prova disso é que depois o mesmo incitaria os midianitas a levar o povo de Israel na prostituição (31.16). E ele pagaria caro por isso (31.8).

E nós? Até quando iremos querer forçar o Senhor a nos permitir fazer coisas que não são da vontade d'Ele? Até quando a palavra "esperar" e "confiar" permanecerá sem sentido para nós? Até quando permaneceremos pedindo mal, apenas pros nossos deleites? Que reflitamos nisso em nossas vidas.



http://grindlie.blogspot.com/2012/01/balaao-e-nossas-intencoes-perversas.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.