Angela Natel On sábado, 31 de dezembro de 2011 At 05:47


Por Carlos Ferolla
Membro da IBR Atibaia
 
Hoje em dia, ouvimos muitas “novidades” nas pregações da Bíblia. Porém, grande parte dessas pregações, apesar de conter a Palavra de Deus, não lhe é totalmente fiel. Algumas até contêm sutis acréscimos, distorções e mentiras (2Jo 9; 2Pe 2.1).

Por que pessoas mal-intencionadas insistem em distorcer a Palavra de Deus? Não seria mais fácil simplesmente divulgarem suas próprias ideias sem envolver a Bíblia? A resposta é: NÃO! Não é tão fácil difundir ideias ou opiniões pessoais. É mais fácil distorcer a Palavra de Deus. Por quê? Porque ela tem autoridade e tais pessoas pretendem dar às suas próprias ideias a autoridade e a credibilidade que só a Bíblia tem. Desse modo, muitos se aproveitam das dificuldades naturais da interpretação de certos textos para lhes deturpar o significado (2Pe 3.16).

Como a própria Bíblia prevê, não só iam surgir pregadores que deturpariam a Palavra de Deus, mas também muitos ouvintes se deixariam enganar (2Tm 4.3,4). O principal motivo de tantas pessoas se deixarem levar pelas heresias é o desconhecimento das Escrituras. Infelizmente, essas pessoas se entretêm com vários tipos de ocupação — assistir à tevê e navegar na Internet, por exemplo. Podemos, sim, nos envolver com tais atividades, mas, quando elas ocupam todo o nosso dia e não nos sobra tempo para ler a Bíblia e, às vezes, nem mesmo para orar, aí é hora de reorganizar nossa agenda e dar o devido peso a cada atividade de acordo com sua importância.

Muita gente quer compensar a falta de estudo bíblico com leituras de livros cristãos. O hábito de ler é muito importante e existem ótimos livros. Entretanto, a leitura desses livros não substitui o estudo da Bíblia. Conheço muitos crentes que já leram diversos livros “evangélicos” e foi justamente por meio desses livros que passaram a crer em heresias e praticá-las. Certamente, se tivessem se dedicado mais ao estudo da Bíblia, assim como se dedicaram aos livros, não seriam levados por esses enganos.

A igreja é fundamental para auxiliar os leitores da Bíblia a compreendê-la. Nesse sentido, a escola bíblica dominical (EBD) exerce um papel insubstituível. Infelizmente, já ouvi todo tipo de desculpas de crentes para não frequentarem a EBD: “Tenho de preparar o almoço”; “é o único dia em que posso dormir até mais tarde”; “tenho de jogar futebol”, entre outras.

A única maneira de discernir entre a verdade da Palavra de Deus e as mentiras e distorções pregadas atualmente é conhecer plenamente a essência da Palavra de Deus (Ef 4.13,14). O apóstolo Paulo elogia os crentes de Bereia não só por o ouvirem com “toda a avidez”, mas principalmente por confrontarem seus ensinos com as Escrituras (At 17.11). A Bíblia nos ensina a ser estudiosos e a meditar nos preceitos do Senhor dia e noite (Sl 1.2; Sl 119.15,16).

Você tem sido aplicado no estudo da Bíblia? Tem reservado um tempo diário para a leitura da Palavra de Deus? Tem frequentado a EBD? Está preparado para discernir biblicamente o que lê e o que ouve? Não? Cuidado, você pode ser enganado!

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.