Angela Natel On terça-feira, 27 de dezembro de 2011 At 04:25


 

Escrito por Ivonildo Texeira

Estamos diante da corrida que mais recebe inscritos no planeta Terra, a busca desenfreada pelo dinheiro, o sexo em todas as suas formas mais inescrupulosas, possíveis e o desejo de galgar o poder a todo custo - e isso, diga-se de passagem, é um fato terrivelmente lamentável. 

Uma das figuras que marcou a História por suas grandes conquistas, e sendo ainda tão jovem, foi Alexandre "o Grande", que, certamente, enveredou por todo esse tripé, alucinadamente perseguido pela maioria das pessoas. Ao chegar ao topo de cada faceta desse tripé, fica uma lição para se refletir, se vale ou não atingir "tal conquista". 

Pare, pense e reflita: Havia um sábio e bom rei que já se encontrava no fim da vida. Pressentindo a chegada da morte, chamou seu único filho, tirou do dedo um anel e deu ao filho dizendo: "Meu filho, quando fores rei, leva sempre contigo este anel. Nele há uma inscrição. Quando estiveres vivendo situações extremas, de glória ou de dor, tira-o e lê o que há nele". 

O rei morreu e seu filho passou a reinar usando sempre o anel que o Pai lhe deu. Passado algum tempo, surgiram conflitos com um reino vizinho que acabaram culminando em uma terrível guerra. À frente de seus soldados, o jovem rei partiu para enfrentar o inimigo. No auge da batalha, seus companheiros lutavam bravamente, mas havia muitos mortos, feridos, tristeza, dor... O rei, quase em desespero, lembrou-se do anel, tirou-o e leu a inscrição: "Isto também passará!". E ele continuou a luta, perdeu batalhas, venceu outras, mas ao final saiu vitorioso. Retornou ao seu reino e, coberto de glória, entrou em triunfo na cidade. O povo aclamou ardorosamente o rei, o herói; foi um momento de orgulho e honra. Nesse momento, ele se lembrou de seu velho e sábio pai, tirou o anel e leu: "Isto também passará!". 

Todas as coisas na Terra passam. Os dias de dificuldades passarão, os dias de triunfo e de glória igualmente passarão. 

Alexandre "o Grande" também entendeu isso. À beira da morte, convocou seus generais para que cumprissem seus três últimos desejos: 1) que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos mais importantes médicos da época; 2) que fossem espalhados no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistados (ouro, prata, pedras preciosas), e 3) que suas duas mãos fossem deixadas fora do caixão, à vista de todos. 

Um dos generais, admirado com desejos tão estranhos, perguntou a Alexandre quais as razões. E ele explicou: 1) quero que os importantes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles não tiveram poder de cura perante a morte. Por mais inteligente e importante que seja um homem ele é limitado; 2) quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui permanecem, e 3) quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.

A Bíblia descreve a vida de Salomão, a quem Deus concedeu riquezas e glórias que nenhum mortal conseguiu conquistar até hoje. Uma rainha, ao visitá-lo, exclamou: "Metade não me contaram" (2ª Cr 9.6). Ele conheceu muito bem essa estrada do dinheiro, do poder e do sexo. Atente-se para os conselhos deixados por ele: "Tudo quanto desejaram os meus olhos, não lhes neguei, nem privei o coração de alegria alguma..." (Pv. 2.10). 

"Tudo quanto desejaram os meus olhos, não lhes neguei, nem privei o coração de alegria alguma..." (Pv 2.10); "Afasta o teu caminho da mulher adúltera... Para que teus bens não se fartem os estranhos, e o fruto do teu trabalho não entre em casa alheia, e gemas no fim da tua vida..." (Pv 5.11). Veja mais exemplos em Ec 4.10, 12-13 e Ec 12.8,13. 

Que tal ouvir a voz da sabedoria?

http://www.comunhao.com.br/index.php?option=com_k2&view=item&id=6326:o-trip%C3%A9-da-cobi%C3%A7a-dinheiro-sexo-e-poder&Itemid=111
http://klerida.blogspot.com/2011/12/o-tripe-da-cobica-dinheiro-sexo-e-poder.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+Abraoolho+%28%21+ABRAOOLHO+%21%29

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.