Angela Natel On quarta-feira, 2 de novembro de 2011 At 06:27

Nesse dia 2 de novembro é respeitado no mundo todo o Dia de Finados..
Nesse dia, um incontável número de pessoas visita túmulos de entes que já partiram, para prestar homenagens..

Lembrando desse dia que está tão próximo, eu passei a pensar no tema "morte", que é algo que soa até assustador, e que sem dúvidas é um assunto importante citado na bíblia..

O termo "morte" aparece mais de 200 vezes no Novo Testamento e quase 600 no Velho Testamento, e se pesquisarmos o verbo "morrer", encontraremos mais de 300 citações em toda a bíblia..

Nota-se que logo no Éden, Deus informa a Adão que o resultado de seu pecado seria..... a morte:

E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente,
Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. (Gênesis 2:16-17)

Essa morte não representa uma morte física, mas espiritual, que veio a contaminar toda a descendência de Adão:

Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos) (Efésios 2:5)

A morte espiritual não tem solução.. Pelo menos não alguma que parta de nós mesmos..
Somente a ação direta de Deus para nos vivificar e restaurar como novas criaturas. É realmente um novo nascimento, como Jesus bem disse a Nicodemos:

Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. (João 3:3)


De qualquer forma, voltando à seqüência citada em Gênesis, logo no 4º capítulo já nos deparamos com a "morte física":

E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou. (Gênesis 4:8)

Sim, esse é o relato da primeira morte física da história da humanidade.. A "saga" de Abel chegava ao fim..


Para onde foi? Onde está agora? Ainda existe ou deixou de existir? Voltará à vida???

Surgem muitas perguntas cujas respostas são vagas, sendo que muitas delas são bastante variadas entre os próprios estudiosos bíblicos..

Entre os cristãos, há quem diga que a morte faz com que a pessoa "desligue" até o momento do Juízo Final, outros crêem na existência de consciência em um estado intermediário até que haja o Juízo, e assim por diante, mas o que podemos tomar como certo é que no futuro haverá uma ressurreição geral (João 5:28-29), mas jamais haverá reencarnação ou contato entre os vivos e mortos antes do Juízo (Hebreus 9:27)..

Seja como for, é curioso pensar que independentemente da maneira como a morte alcança uma pessoa, é sua vida que define seu destino..

Sim, a fé acompanhada de seus frutos é que dará aos eleitos a Salvação, enquanto que os demais serão vítimas de uma segunda morte, a morte eterna. (Apocalipse 2:11, 20:10 e 21:8)

Sendo assim, se devemos nos preocupar com algo, que não seja com a morte, mas com nossas vidas.. Por isso mesmo a bíblia diz que devemos vigiar (Mateus 24:42, 25:13, 26:41, Marcos 13 : 33 -37, I Coríntios 15:34, I Pedro 4:7 e 5:8), ou seja, "cuidar bem de nossos passos". E além disso, Paulo diz que devemos verificar nossa condição:
"Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados." (II Coríntios 13 : 5)

Se estivermos prontos, creio que esse medo da morte se torna muito menos efetivo, e certamente será um momento de glória a nossa partida desse mundo para a vida celestial. Pois, como diz Paulo, somos os mais miseráveis de todos os homens se não crermos nessa nova vida (I Coríntios 15:19) e, não bastando isso, ele ainda deixa o seguinte relato, que demonstra alguém confiante em seu destino:
"Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho." (Filipenses 1 : 21)


E você?
Está pronto(a) para morrer??





0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.