Angela Natel On terça-feira, 22 de novembro de 2011 At 05:38
Ele fez um grande milagre: Multiplicou cinco pães e dois peixes e alimentou uma multidão de mais de 5 mil pessoas. Com toda certeza, Jesus chamou a atenção de muitas pessoas com este milagre intenso e grandioso… 
Após este milagre, a quantidade de pessoas que procuravam por Jesus aumentou muito. Jesus se tornou muito requisitado e procurado. “Quando, pois, viu a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, tomaram os barcos e partiram para Cafarnaum à sua procura.” (Jo 6. 24) 
Talvez você pense que isto era algo maravilhoso, pois as pessoas queriam estar com Jesus, queriam segui-lo, buscavam encontrá-lo de qualquer maneira. Mas Jesus logo esclarece que não é este tipo de discípulo que Ele quer:
“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes.” (Jo 6. 26)
Infelizmente, isto é o que vem acontecendo com muitas pessoas.  Procuram por um Jesus que possa fazer algo acontecer, que possa fazer seus desejos se realizarem,  que possa solucionar todos os seus problemas.
É um “tipo de Jesus” do jeitinho que sonhavam. O foco é o benefício, o ganho, a vantagem, o interesse particular. Na verdade as pessoas buscam um Jesus que as sirva.
Porém, o Jesus verdadeiro repreende os que o buscam apenas com segundas intenções, aqueles que querem apenas tentar usá-lo, sugá-lo, fazer Dele um servo com a desculpa de que o estão buscando.
Após Jesus ter repreendido aqueles que o buscavam de forma interesseira, olhe o que ocorreu: “À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele.” (Jo 6. 66)
Por que você busca a Jesus?
Se for por interesse, você deve mudar o seu pensamento ou é convidado pelo próprio Jesus a retirar-se!
“Então, perguntou Jesus aos doze: Porventura, quereis também vós outros retirar-vos?” (Jo 6. 67)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.