Angela Natel On sábado, 19 de novembro de 2011 At 06:41


A História da Bíblia é a História do povo de Deus. Também é a História da salvação. Deus tomou a iniciativa de salvar as pessoas. Portanto, a História da Bíblia é a história do Deus que salva o Seu povo.
            A Bíblia é dividida em dois períodos históricos: Antigo Testamento e Novo Testamento. São relatos, profecias, poesias a respeito de dois períodos específicos da História: antes e depois da vinda de Jesus Cristo.
            A palavra Bíblia significa ‘biblioteca’, porque nela estão 66 livros, como se vê na figura abaixo:

O Antigo Testamento foi escrito em hebraico e algumas partes em aramaico, e é dividido em quatro ‘temas’ e nem sempre está organizado em ordem cronológica:
- Lei
- História
- Poesia
- Profetas

·         Lei
Os cinco primeiros livros da Bíblia são também chamados Pentateuco (cinco) ou Torah (ensino, em hebraico). Os livros são: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.
Nesses livros aprendemos sobre o começo do mundo, como Deus criou todas as coisas, a decisão das pessoas pelo pecado, e o início do plano de Deus pela salvação dos seres humanos. Assim, vemos que Deus escolheu algumas pessoas para cumprir sua vontade e formar um povo que pudesse ser diferente dos outros povos e mostrar quem Deus é ao mundo.
O objetivo de Deus sempre foi o de que todas as pessoas pudessem conhecê-lO e ter amizade com Ele novamente. Assim, o Pentateuco mostra a vontade de Deus para as pessoas e como qualquer pessoa pode ser transformada por Ele.
# Vamos ler:                                                    
                        Gênesis 17:1
Também nessa parte da Bíblia conhecemos a origem do povo de Israel, que começou com um homem chamado ____________________________________________.
Aqui vemos que Deus falou para Abrão andar com Ele, em Seus caminhos, e esse é o sentido de perfeição na Bíblia.

·         História
Os livros Históricos do Antigo Testamento são: Josué, Juízes, Rute, 1ª e 2ª Samuel, 1ª e 2ª Reis, 1ª e 2ª Crônicas, Esdras, Neemias e Ester.
A partir do livro de Josué, vemos que o povo de Israel, formado pelos descendentes de Abrão, foram guiados para conquistar a terra que Deus tinha prometido para eles, conhecida pelo nome de Canaã (hoje, a parte de Israel, Palestina e outros territórios ao redor). Foram tempos difíceis, porque Israel se recusou a cumprir a vontade de Deus e não quiseram ser diferentes dos outros povos ao seu redor.
Os Juízes foram libertadores que Deus mandou para salvar Israel de outras nações que os oprimiam, mas mesmo assim Israel adorava deuses falsos e se misturava em práticas de pecados sexuais.
# Vamos ler:                                              
                        Juízes 21:25
Chegou ao ponto do povo pedir um rei que os governasse, para que não precisassem ser guiados por Deus: escolheram seguir pessoas em vez de seguir Deus.

# Vamos ler:                                              
                        1ª Samuel 8:6,7
Por isso inicia-se um período de monarquia em Israel, e os três primeiros reis de Israel foram: Saul, Davi e Salomão, que governaram, cada um 40 anos.
Saul desobedeceu várias vezes a Deus, Davi fez coisas muito más, porém se arrependeu e voltou-se para Deus, mas Salomão dividiu seu coração entre Deus e os falsos deuses de outros povos, buscando ajuda em religiões que não serviam o Deus verdadeiro. Por causa disso, Deus dividiu o reino de Israel em dois reinos: Israel e Judá.
Os livros de 1ª e 2ª Reis descrevem os diversos reis que reinaram nos reinos de Israel e de Judá após a morte de Salomão. A maioria não quis servir a Deus adorou falsos deuses, cometendo inúmeros pecados.
Como conseqüência dos constantes desvios do caminho que Deus tinha para eles, o reino do Norte foi espalhado e misturado com outros povos que adoravam falsos deuses. O reino de Judá, mais tarde, foi levado, em grande, parte para a Babilônia e ficou exilado lá por 70 anos.
Após o retorno do exílio, os judeus (os que sobraram do reino de Judá) tiveram que reconstruir sua vida em todos os sentidos, e esperavam um libertador político e conquistador.
·         Poesia
Os livros poéticos do Antigo Testamento são: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cânticos de Salomão.
A poesia hebraica é diferente da poesia brasileira, porque não possui rimas como nós conhecemos. Nesse tipo de poesia, podemos ver, muitas vezes, a primeira linha de um versículo, depois a segunda linha repetindo ou opondo a idéia da primeira com outras palavras. Isso nós chamamos de paralelismo (como idéias paralelas). O livro de provérbios, por exemplo, é cheio desses paralelismos.
# Vamos ler:                                              
                        Provérbios 13
Os provérbios são o entendimento popular de Israel, por isso precisamos ter cuidado para não usar os provérbios como leis ou promessas, porque refletem o pensamento de Israel e sua cultura. Muita coisa é boa, mas trata-se de sabedoria popular e o que acontece em geral, mas não é regra, como qualquer provérbio.
O livro de Jó é o mais antigo escrito da Bíblia, e provavelmente sua história aconteceu na época de Abrão.
Os Salmos são as músicas cantadas no culto de Israel para Deus. Falam de sentimentos e relacionamento com Deus.
Eclesiastes é a descrição do pensamento de Salomão na época em que estava afastado de Deus. No fim do livro, porém, assim como no fim de sua vida, Salomão reconhece que tudo o que fez  foi inútil, e que somente uma única coisa vale a pena na vida:
# Vamos ler:                                              
                        Eclesiastes 12:13,14
Cânticos de Salomão foram escritos para a mulher que ele mais amou, e mostram o amor e a sexualidade no casamento.
·         Profetas
Por causa da maldade das pessoas, e por causa do caminho errado que elas estavam seguindo, Deus enviou os profetas. Um profeta era uma pessoa que Deus escolhia para falar a Sua mensagem para as pessoas. Era como um Mensageiro, um porta-voz, que contava para as pessoas a vontade de Deus e os avisos que Ele tinha para dar.
# Vamos ler:                                              
            Jeremias 18:1-6

O profeta também podia representar uma situação como num teatro, para que as pessoas pudessem entender o que Deus queria dizer ou estava sentindo. Um exemplo disso é a história do profeta Oséias, que casou com uma prostituta, foi traído por ela e depois a comprou de volta como esposa para demonstrar o grande amor de Deus pelas pessoas, pois mesmo quando o traímos e buscamos outras coisas como mais importantes, Ele nos ama e nos quer de volta para Ele.
# Vamos ler:                                              
            Oséias 3:1-5
Os livros proféticos são divididos em profetas maiores e menores somente por razões de estudo, em que os maiores são os livros mais compridos e os menores os mais curtos.



Os livros dos profetas e os povos para quem cada um pregou seguem abaixo:
Isaías - Judá
Jeremias/Lamentações - Judá
Ezequiel – judeus na Babilônia
Daniel – judeus na Babilônia
Oséias - Israel
Joel - Judá
Amós - Israel
Obadias - Edom
Jonas – Nínive (capital da Assíria)
Miquéias - Judá
Naum – Nínive (capital da Assíria)
Habacuque - Judá
Sofonias - Judá
Ageu - Jerusalém
Zacarias - Jerusalém
Malaquias - Jerusalém

Para entender melhor a Bíblia é importante respeitar seu significado na época em que ela foi escrita. Por isso, depois de escolher o texto que você vai ler, há três dicas para estudo da Bíblia:
a)      Observação
Quem? Procure identificar os personagens que estão no texto, quem aparece.
Quando? Observe o tempo em que aconteceu o que está lendo. Dica: Veja o que vem antes e o que vem depois.
O quê? O que fizeram, o que falaram, ações e reações.
Por quê? Razões das perguntas e ações.
Como? Como procederam, como as orientações dadas devem ser seguidas.

b)      Interpretação
Palavras chaves – que precisam de explicação. Busque no dicionário e tente explicar com suas palavras.
Procure perguntas e como elas foram respondidas.
Procure ações e reações de pessoas chaves.
Busque outro versículo ou texto paralelo (veja notas de rodapé na Bíblia), que esteja relacionando com este texto.
O que o texto quis dizer na época em que ele foi escrito para as pessoas daquela época?
c)      Aplicação
Que situação da minha vida é parecida com as pessoas daquela época?
O que o texto quer dizer para mim hoje?

Se fizermos este exercício exatamente nesta ordem, encontraremos um melhor entendimento do que a mensagem da Bíblia quer nos dizer hoje. Não adianta querermos entender a Bíblia interpretando-a pela cultura brasileira, porque nos levaria para um caminho diferente do que Deus realmente quer nos levar.


0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.