Angela Natel On quinta-feira, 13 de outubro de 2011 At 06:23
O Centro Americano pela Lei e pela Justiça (American Center for Law and Justice -- ACLL), que está acompanhando o destino do pastor Youcef Nadarkhani informou, nesta segunda-feira (10/10/2011), que supõe que ele ainda esteja livre.
O Tribunal Estadual de Gilan, que recentemente exigiu que o pastor Christian Youcef Nadarkhani negasse sua fé ou fosse enforcado, adiou sua decisão formal. Os juízes remeteram o caso para o líder supremo do Irã, o aiatolá Khamenei. Segundo o advogado de Youcef, Mohammad Ali Dadkhah, "o tribunal decidiu pedir a opinião do Sr. (Ali) Khamenei." Khamenei é um jurista islâmico e o árbitro final nas questões da "sharia", a lei religiosa do país. No Irã, ele é visto como um guardião protetor.
Ainda segundo o ACLL, o incomum envolvimento do líder mais poderoso da nação neste caso demonstra que o Irã está sentindo a pressão. "Podemos estar certos que, se as mentiras espalhadas pelo Irã fossem verdadeiras -- que Youcef foi condenado por estupro, extorsão e sionismo -- o Tribunal não iria pedir o conselho do aiatolá supremo. Agora que o líder supremo do Irã está tratando do caso, é imperativo que a nossa principal diplomata, a secretária de Estado Hilary Clinton, peça a libertação incondicional do Pastor Youcef".
O Centro Americano orienta, pensando no público americano, mas que se aplica também ao brasileiro: "Continue a pressionar o Irã. Compartilhe este caso. Ligue para o seu representante no Congresso e se junte aos mais de 125.000 que assinaram a petição. Vamos fazer tudo o que pudermos para que o Pastor Youcef seja libertada".
http://prazerdapalavra.com.br/typography/the-news/4918-tribunal-adia-execucao-do-pastor-youcef-nadarkhani.html

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.