Angela Natel On sexta-feira, 7 de outubro de 2011 At 08:00


A Portas Abertas convoca os brasileiros a pedir que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), envie uma carta ao governo do Irã, apelando pela vida do pastor Yousef Nadarkhani, em nome do Senado Federal.

No último dia 29, o caso do pastor que corre risco de ser executado por ter se convertido do islamismo para o cristianismo no Irã foi exposto pelo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ). Os senadores Ana Amélia (PP-RS), Aloysio Nunes (PSDB-SP), Jayme Campos (DEM-MT), Paulo Paim (PT-RS) e Geovani Borges (PMDB-AP) se solidarizaram com a causa revelada por Crivella.

Envie a carta pelos Correios:
Senado Federal
Praça dos Três Poderes
Anexo I, 6º andar
Brasília - DF
CEP 70165-900

Por email: sarney@senador.gov.br

Ou mande mensagem pelo Twitter: @SenadoresBrasil

O modelo de carta está no site do portas abertas. Você pode complementar com suas próprias palavras.

Que Deus nos abençoe. 
Fonte: Portas Abertas 

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.