Angela Natel On domingo, 2 de outubro de 2011 At 06:33


Traz uma grande preocupação ver como os cristãos são regularmente atacados na cidade de Karnataka por nacionalistas hindus, enquanto as autoridades “fazem ‘vista grossa’, porque a sua sobrevivência política depende desses grupos”, denuncia Sajan Geroge, presidente do Conselho Global de Cristãos Indianos (GCIC).

Bhasker Naik, 20 anos, e Hemanth Naik, 22, que moram na aldeia de Mank, trabalharam por mais de um ano na cidade de Udupi, empregados de uma empresa privada do país.

Cerca de seis meses atrás, os meninos começaram a seguir os sermões do pastor Sadananda, da Igreja da Comunhão com Cristo, em Hiberettu, e se converteram ao cristianismo. Em 7 de setembro os dois voltaram para sua aldeia, mas alguns ativistas do Bajrang Dal (grupo hindu ultranacionalista) souberam das conversões e começaram a agredi-los, ordenando-lhes que voltassem ao hinduísmo.

Confrontados com a recusa de Bhaskar e Hamenth em negar a Cristo, os ativistas hindus relataram à delegacia de polícia de Honnavar que eles estavam realizando conversões forçadas. O inspetor de polícia conduziu uma investigação e prendeu os dois, que ainda permanecem na prisão.

“Desde maio de 2008, quando o BJP  chegou ao poder em Karnataka, a liberdade de culto na região para a comunidade cristã está sob ameaça, mesmo quando se trata de casas particulares”, disse Sajan George.

“Nossos locais de culto estão sob controle constante de forças fundamentalistas, que sistematicamente não deixam os fiéis orarem nem realizarem cultos, agredindo pastores e membros. Enquanto isso, a polícia está cada vez mais disponível para acusar e prender os cristãos.”

Que Deus nos abençoe.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.