Angela Natel On segunda-feira, 31 de outubro de 2011 At 12:31
Mentiras, sinais e maravilhas
Sonhos, revelações,  que mais parecem adivinhações
Previsões do futuro, para que mesmo são?
Marcham contra um halloween  desconhecido
Com base num texto mal interpretado,
Porque ignoram as práticas que sutilmente
Se infiltraram
A busca incansável por manifestações
Sinais, sobrenatural,
Línguas estranhas e dons
Viraram marca de propriedade
Testemunhas da verdade,
Não mais caráter, justiça
Muito menos misericórdia,
Não há dor, nem aprendizado pelo sofrimento
Fogem da cruz, é outro momento
Povo de Deus desfigurado
Que busca prosperidade, curas e milagres
Que não quer sofrer nem se doar
Que quer prever o futuro
E profetizar
Determinar a vitória
E proclamar
Independente de caráter
Quer controlar
Busca honra aos seus líderes
Não quer servir
Quer autoridade na terra
Quer progredir.
Halloween perto disso
É jardim de infância
Porque arrependimento não vem
Quando há jactância.

(Angela Natel – 27/10/2011)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.