Angela Natel On terça-feira, 27 de setembro de 2011 At 06:51

Por André Sanchez
Apóstolo paulo, hebreu dos hebreus, circuncidado ao oitavo dia, da tribo de benjamim
#VocêPergunta: Baseado em Filipenses 3.5, se for possível, me responda o significado e os privilégios ou vantagens de ser: hebreu de hebreus; ser da linhagem de Israel; ser da tribo de benjamim; ser circuncidado ao oitavo dia.
Amigo leitor, para entender corretamente essa fala de Paulo é preciso observar o contexto em que ele disso isso. Bom, como podemos observar, Paulo estava redigindo um texto para alertar a igreja sobre um tipo de pessoa que estava presente por ali. “Acautelai-vos dos cães! Acautelai-vos dos maus obreiros! Acautelai-vos da falsa circuncisão!” (Fp 3. 2). Ele identifica essas pessoas como “cães”, “maus obreiros” e “falsa circuncisão”. Existia um grupo de judeus dentro do cristianismo que se iniciava, que se opunha a salvação pela graça, ensinando que a circuncisão da carne era um símbolo necessário para a salvação. Esse grupo defendia a Lei de Moisés com unhas e dentes, sem compreender a nova aliança da graça de Jesus Cristo. Provavelmente, era um grupo de pessoas como esse que Paulo estava combatendo: (veja Atos 15.1).
Nesse sentido, Paulo faz uma lista das suas realizações, do que lhe era privilégio e motivo de orgulho antes dele ter encontrado a Cristo. Essas coisas lhe davam credenciais para discutir e explanar a respeito da Lei com qualquer doutor ou mestre (Fp 3. 4-6).
- Circuncidado ao oitavo dia: Referência a obediência a aliança feita com Abraão em Gn 17.12. Ou seja, Paulo era integrante da aliança, tendo a marca na carne exigida pela Lei.
- Da linhagem de Israel: Nascido dentro do povo escolhido de Deus, os israelitas. Paulo reconhecia o privilégio de ter nascido em um povo que tinha o conhecimento de Deus.
- Da tribo de benjamimhebreu dhebreus: Também mostra que ele nasceu dentro do povo escolhido de Deus e especifica até a tribo (tribo de benjamim). Ele tinha sangue Israelita correndo nas veias, portanto, tinha autoridade para falar das coisas concernentes ao seu povo.
- Quanto à lei, fariseu: Os fariseus eram conhecidos como extremamente ortodoxos com relação à lei de Moisés. Também haviam desenvolvido uma tradição rigorosíssima de obediência à lei nos mínimos detalhes. Em muitas coisas distorciam o real significado da Lei, se tornando hipócritas. Mas na frente de todos mantinham sua postura “santíssima”. Tirando esses defeitos, os fariseus eram considerados mestres da Lei.
- Quando ao zelo, perseguidor da igreja: Paulo, buscando “zelar” pela lei de Deus, perseguiu os primeiros cristãos.
- Quanto à justiça que há na lei, irrepreensível: Um tipo de fidelidade extrema ao estilo de vida exigido pelo Antigo Testamento.
Paulo, até aqui, queria que o seu leitor visse que ele tinha autoridade se quisesse falar a respeito da Lei. Muito mais do que aqueles que estavam introduzindo um ensino falso na igreja.
No entanto, Paulo quis mostrar aos crentes de Filipos que tudo aquilo que “parecia” algo que lhe dava autoridade, na verdade, era uma obediência cega e incorreta à Lei. Assim, ele chega a dizer: “Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo” (Fp 3. 7-8).
Assim, esses “privilégios” e “vantagens” colocados por Paulo, diante de Cristo e da obediência correta à palavra de Deus, são considerados “refugo” e não privilégios. Paulo não condena à Lei e os privilégios de ter nascido no povo escolhido por Deus, mas a forma incorreta com que se obedecia a Lei.


Leia mais: http://www.esbocandoideias.com/2011/09/privilegios-de-paulo-circuncidado-ao-oitavo-hebreu-de-hebreus.html#ixzz1XqAvmOyI

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.