Angela Natel On sexta-feira, 23 de setembro de 2011 At 06:23


Carlos Moreira

Hoje estamos diante de uma geração de teóricos, de um "evangelho" verborrágico, de uma espiritualidade plástica, de uma fé performática, de um cristianismo de fachada. Bem citou Graham Bell "Nunca ande pelo caminho traçado, pois ele conduz somente até onde os outros já foram".

Nesta mensagem, pregada na Catedral da Trindade da Igreja Episcopal Carismática, você poderá discernir se sua espiritualidade tem sido construída a sua maneira ou na perspectiva daquilo que Deus deseja.  

Faço apenas um apelo àqueles que se impressionam com o "invólucro" e desprezam o conteúdo: não se atenham as minhas vestes, mas a mensagem, não olhem para o pregador, mas para a pregação.


mensagem pregada pelo Rev. Carlos Moreira em 11.09.2011


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2011/09/diferenca-entre-conhecer-o-caminho-e.html#ixzz1Xq43CKi7
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.