Angela Natel On sexta-feira, 16 de setembro de 2011 At 06:11

Se eu não sentir
se eu não experimentar
se não acontecer
nem me arrepiar
então não é Deus,
não foi Ele quem falou
nem dEle se anunciou
não importa o que for.

Se aconteceu
e eu pude tocar
se meu olho percebeu
não vou questionar
são sons do Espírito
que só pode ser de Deus
porque meus olhos e ouvidos
só reconhecem os Seus.

Se vida fluiu
cura aconteceu
prosperidade que surgiu
emoção que me envolveu
esse é o meu deus
que mostra seu favor
não são demônios, não sou eu
a tirar da minha vida a dor.

Viciado em adrenalina
sigo buscando algo mais
quero tocar, ver, sentir que a vida
não se resume a ter com Deus somente paz.
Sofrimento, dor, tristeza e falta
são sinais claros de pecado
o melhor de Deus está na pauta
do porvir do povo santificado.

Esse é o meu deus
adrenalina
a quem busco diariamente
dia e noite, noite e dia
emoções que determinam
a verdade
e escravizam a mente.

Angela Natel - 29/08/11.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.