Angela Natel On quinta-feira, 1 de setembro de 2011 At 09:23
É possível ajudar muçulmanos a descobrirem o
Messias vivo. Para conversarmos com muçulmanos sobre o Senhor, precisamos levar em conta
o contexto da cultura e religião muçulmana. Neste
sentido, nossos debates com muçulmanos serão
diferentes de outras discussões com outras pessoas.
A mensagem é a mesma, a forma de fazê-la conhecida é outra.

Princípios Gerais
1. Oração: Não podemos enfatizar o suficiente nossa total dependência da intervenção do Espírito Santo.
2. Tenha um alvo específico: Deus quer nos usar para fazer o Messias conhecido aos muçulmanos
através do Evangelho. Nosso alvo deve ser fazer a mensagem compreensível e acessível para nossos amigos muçulmanos. Eles aceitando a mensagem ou não, nós podemos manter um relacionamento que honre a Deus com eles.
3. Esteja aberto a contato pessoal e humano: Devemos amar os muçulmanos de forma sincera,
manifestando nosso amor através de bondade e respeito em nosso relacionamento com eles. Assim como toda amizade verdadeira, precisamos separar um tempo para compreender, apreciar e ajudar nossos
amigos muçulmanos. Devemos querer aprender com eles e desenvolver uma troca real em sincera e alegre amizade.
4. Seja paciente: Enquanto podemos falar livremente de nossa fé do começo nosso relacionamento com um muçulmano, devemos ter em mente que a maioria dos muçulmanos precisam nos ouvir muitas vezes antes de sequer começar a pensar em acreditar no Messias. Não se desencoraja por objeções.
Lembre-se que é o amor de Deus que nos leva ao arrependimento (Rom. 2:4).
5. . Explique o Evangelho de forma bem simples: Use palavras e termos compreensiveis pelos muçulmanos. Explique sua compreensão do significado de termos como pecado, oração, Deus, Messias e fé. Estes termos frequentemente tem outro significado para muçulmanos..
6. Dê ao seu amigo um Novo Testamento ou
uma Bíblia: Encoraje a leitura regular especialmente dos Evangelhos.
7. Enfatise a perfeita santidade de Deus:
Deus requer santidade. O homem é geralmente impuro e em escravidão às suas atitudes
pecaminosas. A educação ou ensino moral não podem mudar essa situação. O homem precisa
de um novo nascimento.
8. Fale das intervenções de Deus em sua
vida: Conte sobre Sua fidelidade, Seu amor, Sua justiça. Muçulmanos não entendem Deus
como alguém que dá e mantém promessas. Seu testemunho de uma fé real e ativa e temente a
Deus é muito importante.
9. Responda a objeções com gentileza:
Não se deixe levar por discussões calorosas. Nós somos chamados a fazermos amigos por Jesus e
não a ganhar discussões.
10. Não seja ingênuo se seus amigos muçulmanos expressam uma crença em
Jesus Cristo e na Bíblia: Em certo sentido, os muçulmanos acreditam em Jesus e na Bíblia; no
entanto, sua fé é bem diferente do que a Bíblia nos ensina. Eles não acreditam que é possível ter
um verdadeiro relacionamento com Deus como nós cremos. Jesus disse que a vida eterna consiste em conhecer a Deus ( Joã) 17:3). Mas não é apenas conhecer certas coisas sobre Deus, mas sim conhece-lo pessoalmente.
11. Aonde houver isolamento, os muçulmanos procurando pelo Messias precisarão de
amigos, uma comunidade de crentes. Os muçulmanos algumas vezes estarão mais in
teressados em nossas comunidades de crentes do que em ouvir nossas melhores palavras sobre o Salvador.
Conforme eles veem nossas comunidades, que Deus nos ajude a
sermos os fracos e necessitados que somos fortes Nele. Todos nós
precisamos de outros. Amar ao próximo é correto (1 Jo 3:14-15). Os
muçulmanos que vêm à fé no Messias precisam de outros.
12. Há muito engano no Islã. Somente Deus que é a verdade,
pode trazer a realidade para as pessoas. Algumas vezes, todos
nós já fomos ou estamos enganados. Nós precisamos de esclarecimento e libertação. Somente Deus pode dar a nós e aos muçulmanos verdadeiros olhos para ver e ouvidos para ouvir


Respeito
Bondade
Gentileza
Qualidades essenciais
para se alcançar
muçulmanos com a
mensagem do Messias.


Ter uma hospitalidade genuina pode ter mais
a ver com ajudar um muçulmano a descobrir
o Messias do que muitas provas lógicas e
argumentos

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.