Angela Natel On sexta-feira, 2 de setembro de 2011 At 09:26
o que devemos evitar?
1. . Não ataque a pessoa de Maomé, mas também
não o aceite como um profeta. Somos chamados para
chamar as pessoas a descobrirem Jesus, não critique os
outros.
2. Não critique o Alcorão. Pessoas com um conhecido profundo do Alcorão já estão falando ativamente com muçulmanos sobre isso.
3. Evite assuntos sensíveis relacionados à Política
como por exemplo o problema da Palestina ou falar
bem de Israel.
4. Insistir em chamar Jesus “O Filho de Deus” pode
inicialmente causar problemas: Muitos muçulmanos acreditam que tal crença implica que Deus o
Pai teve sexo com Maria e então esta teve um filho.
Claro que isso não é o que os crentes em Jesus de fato
ensinam.
5. Não discuta sobre carne de porco e vinho: Nós,
como cristãos, somos enviados a proclamar Jesus e não
a estabelecer leis de dieta. É bom insistir que bebedeira
é errada. Não sirva alcool a muçulmanos.
Diretrizes específicas
1. Inicialmente enfoque nas áreas de concordância: Em seus primeiros contatos com Muçulmanos
e até mesmo mais adiante, é bom estar no máximo
de acordo possível com muçulmanos sobre crenças
comuns. Eles acreditam que há um Deus, o Deus de
Abraão. Em árabe, a palavra usada para definir Deus é
“Alá” (árabes cristãos também usam essa palavra para
Deus). Os muçulmanos acreditam que Deus criou o
mundo, que ele sabe de todas as coisas, que ele é sábio
e muito poderoso. Eles não acreditam na Trindade. Eles
acreditam em anjos e em profetas como Abrão, Moisés,
Davi, Noé e Jesus. Eles acreditam no Julgamento Final.
De forma geral, podemos concordar nestes pontos,
sem esquecermos das diferenças. Afirmar as crenças
comuns cria abertura para que eles nos ouçam com
maior compreensão.
2. Utilize histórias: Conte história sobre a vida de
Jesus e outros homens e mulheres da Bíblia. A maioria
dos muçulmanos nunca tiveram a oportunidade de
ler a Bíblia. (muitos nunca leram completamente seu
próprio livro, o Alcorão). Aprenda a utilizar parábolas,
histórias e exemplos da Bíblia e da vida diária para
compartilhar a mensagem. Desta forma, seus amigos
muçulmanos irão reter suas palavras mais ainda. Veja
este site para idéias: www.oralbible.com
3. Utilize recursos de mídia: : tenha uma diversidade de mídias, o filme “Jesus”, cds e dvds em diversos idiomas.
4. Vá atrás deles: Não tenha medo de visitá-los em
suas casas e convidá-los à sua casa. Talvez seja sábio
convidá-los inicialmente para uma sobremesa, para
evitar problemas ligados a refeições.
5. Argumentos: : Você tem pouca probabilidade de
convencer muçulmanos através de argumentos racionais. A lógica ocidental não tem o mesmo peso com muçulmanos. Ame seus amigos muçulmanos e evite
entrar em discussões que os levem a defender os Islâ.
6. O Alcorão: : Você pode lê-lo, mas não utilize necessariamente isto como a única base de testemunho.
Muçulmanos precisam encontrar o Jesus que é revelado
na Bíblia. Se você ler o Alcorão ou visitar uma mesquita
é aconselhável que você ore pela proteção de Deus e por
seu entendimento (Ef. 6:10-18)
7. Homens testemunhem a homens e mulheres
a mulheres: Desencorajamos o testemunho entre
gêneros, até por correspondência. Mulheres crentes
devem evitar conversar com homens muçulmanos.
8.Prepare-os para sua primeira visita a uma
igreja: Prepare seus amigos muçulmanos para
sua primeira visita a uma igreja cristã ou reunião.
Explique-os brevemente o que irá acontecer e o que eles
devem e não devem fazer.
9. Oposição ao Cristianismo: Quando você falar com
muçulmanos, eles provavelmente irão levantar objeções
de que sua fé no Messias é inaceitável para eles. Crentes
precisam saber sobre estas objeções e estar preparados
para lider com eles corretamente. Há recursos em sites
com este propósito.


Mais informações e contato:

Brasil
Enforque de Oração 30 dias - Português
E-mail: contato@30dias.org
© Copyright 2011 ISBN : 978-2-9531836-3-4
30 Days International
BP 80049 St. Paul-Trois-Châteaux
26131 Pierrelatte Cedex, France
30days@free.fr
30 Dias


Sites sobre o Islã:

Sites Cristãos sobre o Islã:
www.answering-islam.org
www.quranandinjil.org
www.engagingislam.org
www.carlmedearis.com

Sites Muçulmanos
Wikipedia: Islam Portail
www.quran.com
www.answering-christianity.com
www.islam-christianity.com
www.islamicity.com
www.al-islam.org
www.muxlim.com
www.topmuslimsites.com
www.salat-time.com
www.talkislamic.com
www.understanding-islam.com

Debates entre Muçulmanos e
Cristãos:
Procure por “Christian Muslim Dialogue in Dubai” no YouTube.com)
http://cmcu.georgetown.edu
(Centro Príncipe Alaweed)
www.peace-catalyst.net
www.acommonword.com
www.grace-truth.info

Testemunhos:
www.morethandreams.tv
www.muslimjourneytohope.com

O Messias para Muçulmanos:
www.isaalmasih.net
www.kalimatullah.com
www.the-good-way.com
www.fatherzakaria.net
www.injil.org

Etnias / Missões:
www.joshuaproject.net
www.missionfrontiers.org
www.lausanne.org
Outros sites:
www.iraqprayer.org
(Oração pelo Iraque)
www.cryoutnow.org
www.pray-ap.info
(Oração pelo Oriente Médio)
www.memritv.org
(Notícias do Oriente Médio)
www.barnabasfund.org
(Crentes perseguidos)
Canal Prayershorts no YouTube
(diversos vídeos de oração)

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.