Angela Natel On domingo, 28 de agosto de 2011 At 06:12
Algumas vezes, Berlin é chamada da maior cidade
turca fora da Turquia. A maioria dos turcos em Berlim mantém sua nacionalidade turca enquanto outros se naturalizaram alemães. Desde 2007, milhares de
búlgaros de fala turca foram adicionados à mistura.
Para os imigrantes da Turquia, da Bulgária e além, a
vida em Berlim significa um grande choque cultural.
Para muitos, é a sua primeira vez numa cidade grande
tão diferente da vida em seus vilarejos. Frequentemente
seus sonhos de sucesso economico permanecem inalcançados. Por causa da crise economica mundial, hoje a taxa de desemprego entre os turcos de Berlim chega
aos 40%.
Por décadas, imigrantes turcos em Berlim se estabeleceram na cidade. Uma comunidade turca muçulmana foi estabelecida para que até mesmo turcos que
falam pouco o alemão possam sobreviver.Muçulmanos
em algumas vizinhanças dominam as ruas da cidade,
aumentando seu controle sobre os indivíduos. Por exemplo, se um turco visitar uma livraria cristã e levar algo, ele pode ser detido há alguns metros e ser abordado por um vigia muçulmano.
Apesar dos turcos terem vivido há mais de 40 anos
em grandes números em Berlim, muitas igrejas os
ignoraram, mas houve algumas exceções. Algumas
oraram por oportunidades para alcançar os turcos
com o Evangelho. Muita literatura foi doada através de
contatos e amizades pessoais. Pelos anos, cerca de 50
turcos em Berlim vieram a conhecer o Messias. Alguns
desses crentes se reunem em comunidades caseiras ou
se reúnem para cultos no idioma turco. Recentemente,
um novo grupo foi estabelecido entre os cristãos turcos
da Bulgaria.



Idéias para Oração:

Ore por mais contatos para os crentes em Berlim e
pelos Turcos para que eles possam aprender sobre o amor
de Deus e ouvir claros testemunhos de turcos que vieram
para Jesus.
Ore por amor, autoridade e um testemunho eficaz dos
crentes que têm contatos com turcos. Crentes motivados
são necessários para alcançar a segunda e a terceira
geração de imigrantes turcos.



DIFERENçAS CULTURAIS

No ocidente, jovens são livres para agir como quiserem, desde que estejam dentro do que é certo
e errado. Eles podem fazer barulho, bagunça e
felizes desde que não quebrem coisas ou abusem
dos outros. A regra no ocidente é “desde que não
fira alguém mais ou sua propriedade, está bem”.
Jovens num contexto muçulmano são diferentes.
Aonde forem, representam suas famílias e tribos.
Os jovens não são livres para agir como querem.
Eles devem sempre agir de forma honrosa para
que a honra de sua família e tribo sejam mantidas. Se eles danificam a propriedade de alguém,
é ruim porque traz vergonha ao seu próprio povo,
e não porque primariamente ofende à vitima. Se
ninguém sabe quem o fez, não há vergonha ou
sentimento de culpa. Eles sentem culpa por envergonhar seu próprio povo, mas não por ofender
um terceiro.
Trecho tirado de um livro de Roland Müller. “The
Messanger the Message and the Community”,
Canbooks 2010, p. 148 (o e-livro pode ser adquirido online).

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.