Angela Natel On quarta-feira, 17 de agosto de 2011 At 06:18

Pergunta
Onde a Bíblia fala da queda do anjo perfeito Lúcifer, que se tornou ou é Satanás?


Resposta
Na verdade, a Bíblia não menciona isso. Alguns teólogos têm pensado que Isaías 14 relata a história da queda de Lúcifer, mas não é o caso. O capítulo é na verdade sobre o rei humano da Babilônia, e ela, usando uma linguagem metafórica, chama o rei de “a estrela da manhã (Isaías 14:12), que é o planeta Vênus. Lúcifer é a palavra em latim para “estrela da manhã (como na Vulgata Latina em Isaías 14:12). Por causa da má interpretação de Isaías 14, lúcifer veio a ser associado com Satanás, e a ser usado como seu nome. A própria Bíblia não ensina algo específico sobre a queda de Satanás, mas ela nunca o chama de “Lúcifer”. Ela chama Jesus de a “estrela da manhã (Apocalipse 22:16), e em 2Pedro 1:19 a Vulgata Latina fala de lúcifer nascendo nos corações dos crentes.

“Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as naçes!” (Isaías 14:12).

“Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coraço” (2Pedro 1:19).

“Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã (Apocalipse 22:16).






Extraído de:
http://www.monergismo.com/textos/comentarios/satanas_lucifer_mclaughlin.pdf


BARRABÁS LIVRE >>> http://barrabas-livre.blogspot.com/2011/01/satanas-nunca-foi-lucifer-ra-mclaughlin.html#ixzz1BsN25YOo

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.