Angela Natel On terça-feira, 23 de agosto de 2011 At 09:02
1.5 milhões de pessoas que não conhecem o Grande Pastor


Os árabes Shuwa imigraram do Sudão para o Chade
há centenas de anos. Seu idioma é similar ao
árabe do Alcorão. O Islã é central à sua identidade e eles
se consideram guardiãos da fé. Sendo bem reservados
em relação aos de fora, eles também temem o “olho
mau”, a influência de demonios e a magia negra dos
povos vizinhos. Se, no entanto, sua confiança é ganha,
sua hospitalidade é abundante para com os de fora.
Os Shuwa são semi-nômades. Sua vida está enfocada
no cuidado de animais (vacas, bodes e o ovelhas).
Dependendo da região, famílias jovens se mudam durante a seca em busca de comida e água para os animais. Na temporada de chuva, eles voltam para administrar os campos de painço e milho. Em geral, vivem em comunidades pequenas, composta principalmente
por parentes. Quando a água seca e os animais não podem mais se alimentar da terra, ou se a vila se tornou muito grande, um grupo simplesmente perambula e
se estabelece numa área nova e inabitada. Algumas
outras famílias estão se mudando pas as cidades aonde
estão se tornando ricos comerciantes e adotam habitos
humanos.
Em anos recentes, escolas primárias se estabeleceram
em vilarejos, mas apenas algumas poucas crianças as
frequentam. Algumas das meninas são circuncidadas
na idade dos 6 a 8 anos. Frequentemente, as garotas
são casadas em casamentos arranjados com seus primos entre os 12 e 14 anos e normalmente são mães aos 15. Muitas mulheres têm de 8 a 10 filhos, mas apenas
2/3 sobrevivem. Os garotos começam a escola Islâmica
aos 6 anos. Estas escolas são frequentemente em outras
áreas tribais então eles cresçem sozinhos, sentindo falta
de seus parentes. Eles precisam mendigar por sua comida e levantar dinheiro para seus professores, alguns são acusados de roubo e são espancados.



Idéias para Oração:

Proclame as verdades de Jo. 10:10-16 em oração para
este povo nômade e pastoreador. Veja também 1 Pedro
2:24-25.
Os Shuwa parecem ter um respeito por cristãos “realmente” praticantes. Algumas vezes professores crentes e
agronomos são enviadoas à região. Infelizmente muitos
se vão rapidamente ou se tornam indoutrinaveis no Islã
ou vivem bêbados. Ore para que os poucos crentes que
vivem na região possam ser testemunhos do Messias. Que
suas vidas sejam dignas no Senhor. (Col. 1:9-12)
Não há nenhum cristão conhecido entre os Árabes.
Poucos indivíduos pediram por Bíblias e filmes. O filme
Jesus é util para apresentar o Evangelho a estas pessoas.

0 comentários:

Liberdade de Expressão


É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se:
“é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença"(inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da"argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.